quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Foi você que mandou vir um hipócrita?



O indivíduo à esquerda é um ditador corrupto e assassino, manda na Arábia Saudita e responde ao nome de Abdullah. O indivíduo à direita é um ditador corrupto e assassino, manda no Zimbabwe e responde ao nome de Robert Mugabe. Gordon Brown, ao meio, Prime Minister de Sua Magestade Isabel II de Inglaterra, não tem os atributos dos companheiros de fotografia. É apenas um hipócrita!
Neste momento, Abdullah passeia-se em Londres com Brown e a Raínha, arrota postas de pescada sobre terrorismo (haja cinismo!)e faz negócios, enquanto Mugabe é o "demónio" que impede a simples presença de Brown em Lisboa, se estiver sentado à mesa na Cimeira EU África.
Se o "prezado leitor" tem interesse em saber porque é que um dos canalhas é inaceitável e o outro é tão bem recebido, faça por isso! Leia! Mesmo blogs...
O eterno petróleo e os muitos milhões que o Reino Unido factura em venda de armas à Arábia Saudita, são uma boa pista para começar.

terça-feira, 30 de outubro de 2007

De palmatória






Faria tão bem aos nossos liberais e seus "sub-produtos", sempre tão prontos para bater palmas aos cinco ou seis colégios "muito bem" que ficam nos dez primeiros lugares do idiótico ranking das escolas, fazerem um esforço para pensar (de facto), ou então lerem, por exemplo este e este e este e mais este texto sobre o assunto, assim só para começar...
Evitariam dizer e escrever tantas asneiras!...

Adenda 1: Dizem-me milhares de leitores que seria da mais elementar justiça e interesse para o público em geral, ainda sobre este assunto do post, acrescentar pelo menos, links para o que a propósito escreveram Rui Tavares e Daniel Oliveira.
Dito e feito!

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Sem vergonha!



Numa altura em que a Espanha dá mais um passo para se livrar das persistentes nódoas do franquismo, tentando ao mesmo tempo reabilitar a memória dos que lutaram pela República e contra os criminosos, vem agora o Vaticano dar uma "ajuda" à pacificação das memórias dos espanhóis, beatificando verdadeiras resmas de vítimas (católicas) da Guerra Civil.
Curiosamente só de católicos franquistas. Os muitos milhares de vítimas do "outro lado", muitíssimos igualmente católicos e muitos até, padres, ficam de fora...
Todos os que têm idade, memória ou simples vontade de saber, conhecem o carácter chocantemente pornográfico das relações da Igreja Católica de Espanha e do Vaticano com o franquismo e os seus crimes.
Não há um arrependimento! Não há uma palavra...
Haverá um fim à vista para a falta de vergonha do Vaticano?

Alternância...





E parece que já está!... Cristina Kirchner já terá a vitória garantida na corrida para o lugar de Presidente da Argentina.
Desejo evidentemente que seja bom para a Argentina, para os argentinos, e para a senhora. 
Espero igualmente, já que estes cargos têm duração limitada, que já haja mais membros da família a preparar-se para ocupar o lugar quando chegar a hora.

Apelo aos leitores





Hoje fui ouvindo esta senhora balbuciar umas conversetas assim entre o "eduquês" e "psicologês", sobre as faltas que já não o são, umas provas novas que serão de recuperação, pela milionésima vez o "envolvimento da comunidade" como remédio milagroso para se "entenderem as causas" do afastamento da escola...
O que eu pedia era que alguém me dissesse, primeiro, quem é a senhora e segundo, se alguém mais a ouviu, que diabo pode ela querer dizer com aquele arrazoado.
Pode ser?

domingo, 28 de outubro de 2007

Parece-me um bom plano







Ando a pensar que com a quantidade descomunal de escutas que há para aí, entre legais, ilegais, secretas e com barulhinhos estranhos, o melhor que tenho a fazer é não saír de casa, cantar directamente para o telemóvel e não tarda nada sou disco de platina!

Pequenos equívocos



Era um membro da Opus Dei tão estúpido, que pensava que auto-flagelação era andar de noite pelo bairro a dar pontapés e a riscar a pintura aos automóveis dos vizinhos.

sábado, 27 de outubro de 2007

Eles "andem" aí!


Desde Baden Powell que não se via tanta excitação por causa de "escutas"!

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Pagam todos!





Leio no Zero de Conduta que o ministro da defesa israelita decretou o corte de electricidade aos habitantes da faixa de Gaza, sempre que um ataque de rockets atinja Israel.
Assim, sem mais! A culpa "é de todos", estejam no hospital ou na maternidade ou na escola, portanto pagam todos!

Isto faz-me lembrar uma frase anarquista que estava pintada num muro de uma escola de Algés por alturas do 25 de Abril e que "fazia as nossas delícias".

Não sei se continuo a achar-lhe tanta graça, com este tão novo e terrível significado, à moda de Israel:
"Nós somos aqueles contra os quais os nossos pais nos preveniram!"

Pão e circo




Sócrates vai fazendo a venda da sua banha-da-cobra e o "público" aplaude. Vladimir Putin é pouco menos que um gangster comum mas o "público" aplaude ainda mais ruidosamente. Os dois avacalham tudo o que é trânsito, enfaralham Mafra em peso, mandam evacuar oceanários e o "respeitável público" fica em transe histérico, "que este aparato é espectacular", que "ele (?) é muito simpático", que pois mesmo "nunca aqui houve nada assim!"
Abençoados! Na falta de pão...
Viva o circo!!!

Pequeno momento demagógico



Adoro ver os banqueiros a (de vez em quando) fazerem uns aos outros o mesmo que tentam fazer aos clientes durante a vida inteira!

"A suspeita-2"



Que os deuses me livrem de tentar fazer humor à custa do desconhecido destino da criança desaparecida, mas para além dos muitos milhares de euros que os McCann têm gasto, sem limite,  em tudo e mais alguma coisa, principalmente na sua imagem, não terão contratado a peso de ouro algum personal trainer (pelos vistos muito eficaz) para mostrarem emoções?
Terá sido igualmente eficaz a ajudá-los a esquecer que abandonaram os filhos enquanto foram sair com os amigos, pois quando perguntados sobre se se arrependem de alguma coisa que tenham feito em relação a este caso, dizem calma e taxativamente que não!...

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

"A suspeita"


Suspeito que posso ter os intestinos sob escuta! Às vezes também produzem uns barulhos esquisitos.

Adenda 1: Ou de como a nossa justiça/política se põe a jeito para ser alvo de "piadas de caca".

Piada plagiada e roubada sem um pingo de vergonha ao Irmãolúcia.

Sempre os imigrantes!...



Alguns franceses, que por incúria e preguiça dos outros, dominam presentemente o parlamento em Paris, aprovaram uma regra que obrigará familiares de imigrantes que pretendam reunir-se à família, a submeterem-se a testes de ADN.
Parece que um tal presidente Nicolas, de apelido SARKOZY, nome ostensiva e profundamente "gaulês", não tem um pingo de vergonha na cara!
Parece que cidadãos com apelidos como Platini, Straus-Kahn, Levy, Silva, Lee, etc, etc, não estão a fazer o suficiente para evitar esta vergonha.
Parece que, felizmente, muitos outros estão a fazer o que podem...
Será que estes franceses com nomes exóticos mais os restantes, com nomes franceses, vão deixar a França "des droits de l'Homme" transformar-se num país tão estranho?

Cerco ao absentismo





Leio em muitas e variadas fontes que por decisão de uma maioria de deputados, "os pais dos estudantes serão avisados à primeira falta injustificada dos filhos".

Será a repressão a melhor forma de fazer crescer o interesse pela escola entre os estudantes problemáticos ou simplesmente desmotivados? Não sei! Hei-de pensar sobre o assunto, mas para já tenho imensas dúvidas...

Agora uma coisa gostaria muito de saber: 
Quem avisará os pais dos deputados?

Nós, os estúpidos!





Em que altura da vida é que este tipo de gente passou a considerar-se assim tão superior aos cidadãos "comuns"?
Que droga de amigos íntimos e pessoais é que têm, que os deixaram convencer-se disso?
Por que razão não ganham coragem e admitem que prefeririam que o seu voto valesse, pelo menos, por 100 dessa "gentinha"?
Ou então, porque não adoptar a "ideia" desse grande liberal e católico/salazarista Pedro Arroja, que já uma vez em entrevista defendeu a teoria segundo a qual "os pobres e incultos deveriam poder vender os seus votos às pessoas de qualidade. Assim, votariam bem e ainda por cima ganhavam algum dinheiro..."
É uma gente estranha, esta!...

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Música "nova"...



Hoje estive todo o dia fora de casa e longe do computador "por via" da música. Dois compromissos no mesmo dia, o que prova que não há fome que não dê em fartura.
Explicando, mas a começar pela tarde, ir a um programa da RTP para cantar uma cantiga do Adriano, mesmo de borla e vindo de uma distância de cem kilómetros, sem ninguém perguntar se mesmo sem cachet não havia, sei lá... despesas de deslocação, foi agradável. Esta atitude antiga de "apoio económico" aos artistas nacionais por parte das várias televisões é depois compensada no possível pela simpatia inexcedível de muitas das equipas técnicas.
De qualquer maneira, o que foi verdadeiramente original hoje, foi a manhã! Mais propriamente o final da manhã. Depois de umas entrevistas e reportagens que os "donos da bola" justificavam, ali estávamos eu, o Zé Jorge Letria, o Vitorino e o Manuel Freire, cheios de "batida", a gravar para CD uma versão rock assaz UHFizada da Grândola do Zeca!!! Os anfitriões e artistas do resto do CD são, como já se percebeu, os próprios e únicos, UHF.
Durante todo o tempo esperei ver entrar pela porta do estúdio o Steven Spielberg com uma equipa para filmar "Jurassic Park - O Musical". 
Divertido...
Ele há cada uma!...

domingo, 21 de outubro de 2007

Aquela coisa...




Como já vai sendo habitual, aquela "coisa" que escreve no Diário de Notícias... pronto, para facilitar chamemos-lhe "alberto gonçalves", embora já tenha "algum receio" de falar em baladeiros, sempre conseguiu encher-se da extraordinária coragem suficiente para regougar sobre o Adriano Correia de Oliveira e a sua música, umas tolices a puxar para o ignorante e mal-criado, que são a sua imagem de marca.
Imaginar o quanto o próprio Adriano se riria desta triste figura mais o facto sabido de eu não dominar a ciência da zoologia o suficiente para poder falar em profundidade desta, sei lá... criatura (???), impede-me de comentar os seus "alegados pensamentos".
Quem sabe, outro dia...

Como há sempre quem tenha pachorra, e a "coisa", como gosta de se parecer com as pessoas, tem e-mail, cliquem na imagem que se segue para lerem em tamanho natural o escrito de que estou a falar (já funciona) e depois "fiquem à vontade"!

albertog@netcabo.pt

Obrigado, Adriano!



Por nos teres dado um tão bom pretexto para juntar tantas e tantos amigos, de idades (surpreendentemente) tão variadas e tão "motivados" a participar do espectáculo.
Foi muito bom! Quase tudo... 
A emoção, a ternura com que as pessoas te lembram, as nossas performances artísticas.
Pena, as várias ausências, umas melhor explicadas que outras.
Excelente, a vontade com que saímos, público e cantores, de fazer mais... recriar o hábito bom de cantar e ouvir o que realmente nos diz respeito em vez de "engulir" diariamente e a contragosto o que rádios e televisões nos impingem.
No plano puramente pessoal, diverti-me como sempre, com o privilégio de cantar "E alegre se fez triste" e "Cantar de emigração", poemas de Manuel Alegre e Rosalia de Castro, para músicas de José Niza e daí a nada a verdadeira pérola "Cana verde", também do Niza mas com versos de Fernando Manuel Bernardes.
Ainda não quero acreditar o quanto o raça da cantiga ficou mais bonita por o Manuel Rocha, da Brigada Victor Jara, me ter acompanhado com o seu "tão especial" violino!
Parece que quem foi, gostou! Quem não foi é porque "estava escrito", já que não cabia nem mais uma alma na grande sala da Voz do Operário.
Ah, e tive como extra, a oportunidade de conhecer pessoalmente a Maria d' O Cheiro da Ilha, o que não é pouco... além de que ficou explicada a doçura do seu blog.

sábado, 20 de outubro de 2007

Até mais logo!


Daqui a poucos minutos há que fazer a viagem para Lisboa, Voz do Operário, para me encontrar com muitos amigos do Adriano (e os outros, que por qualquer razão aparecem sempre nestas coisas).

Que a voz não nos doa!

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Amigos e amigas,






e mais os restantes milhões de leitores do Cantigueiro.
Adorava ficar aqui a fazer posts patetas sobre assuntos da treta, mas a verdade é que tenho que encontrar o mais rápidamente possível um exemplar do "tratado". Tenho visto tanta gente, supostamente inteligente, com um ar perfeitamente aparvalhado de tão contente com o dito, que francamente deve haver algures uma razão...

Saudades...



Então e ontem? O nosso querido líder e primeiro ministro já estava novamente com saudades de uma manifestaçãozita dos "comunistas", ou "derivado" às companhias tão ilustres estava um pouquinho menos mal-criado e arrogante do que o que é costume?

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Um verdadeiro "tratado"!



Quem ouvir a maioria dos nossos governantes e alguns jornalistas a falar sobre o "bendito" tratado reformador europeu, fica com a nítida impressão de que o que está no texto interessa muito pouco (ou que talvez seja melhor nem se saber...) e que realmente importante é que se venha a chamar Tratado de Lisboa!
Sei lá... é uma questão de prestígio!...
Dá a impressão de sermos informados e sobretudo, governados por parolos, não dá?

Cada época

tem os Pedro Nunes que pode!


Se já tínhamos na nossa História da Ciência um Pedro Nunes bom, que necessidade havia de ter ido buscar um mau para bastonário da Ordem dos Médicos?
Se eu mais uns amigos fundarmos uma associação cujos regulamentos digam que pagar impostos, multas de estacionamento e sei lá... as consultas aos médicos, só por exemplo, ofendem gravemente os nossos princípios e convicções mais profundas, este tal pedro nunes estará do nosso lado?
É que até se pode inventar uma religião manhosa para dar sustentação à coisa!...

Daqui ninguém sai vivo!



"Eu fiquei tão chocado como a opinião pública ficou com esses dois casos e penso que não se devem repetir", mentiu, perdão, declarou Sócrates há bem pouco tempo a propósito de casos igualmente vergonhosos e igualmente passados com professores.
Mas que razão terá esta gente para odiar assim os professores?

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Uma pequenina "diferença"




Os "cristãos novos", uma invenção idiota de um D. Manuel a querer entre outras coisas, agradar aos Reis Católicos de Espanha, eram como se sabe, judeus, que para evitar males ainda maiores, faziam de conta que se convertiam ao cristianismo. Tinham obviamente que mudar também de nome... Na falta de apelidos assaz cristãos, muitos resolveram o problema adoptando o nome de animais (cordeiro, coelho, falcão, etc) ou de plantas, principalmente árvores de fruto, todas as que se possam imaginar, mais a que aqui interessa que é nogueira.
E perguntam vocês, "ó Samuel, a que é que vem esta história?"
Então, estava eu de volta de um jornal já bastante usado, aqui no café do lado, quando reparo que um dos amiguitos do nosso já conhecido neo-nazi (e criminoso comum) Mário Machado e que como este está acusado de vários crimes, se chama exactamente Nogueira. Só isto já levanta uma certa névoa de suspeita sobre qualquer neo-nazi que se preze... A cereja em cima do bolo é que este infeliz tem como primeiro nome Isaque!!! Acham isto normal?!
O que é que lhe pode acontecer ainda pior? Descobrir numa casa de banho pública que tem a pilinha diferente dos outros amiguinhos nazis e finalmente descobrir o que isso quer dizer?
Ele há coisas!...

Segundo este energúmeno,




um tal James Watson, prémio Nobel da medicina em 1962, "os negros são menos inteligentes que os brancos". Não se trata de uma vulgar "opinião" racista... nada disso! Ele chegou lá pela via da genética!
Quando necessitar de fazer um bypass coronário e se o cirurgião for negro, terá a grande sorte de o "negro estúpido" ser suficientemente inteligente para ignorar o que pensa ou deixa de pensar este género de bestas!
Para provar que não "pensa" apenas na questão da inteligência dos negros, ainda há bem pouco tempo se saíu com o rebuscado conceito de que a ser possível determinar genéticamente a futura homossexualidade de um feto, a mãe devia por esse motivo poder abortar, já que qualquer mulher deseja vir a ter netos.
Há cientistas fantásticos, não há?

Adenda: Como se não bastasse, venho hoje a saber pelo Puxapalavra que o "fino pensador" foi convidado por Leonor Beleza para o Conselho Científico da Fundação Champalimaud. Há dias assim!...

Informação e fotografia cirurgicamente surripiadas ao Daniel Oliveira

Enquanto formos ganhando...





Não haverá uma maneira de convencer a UEFA a ir prolongando o castigo a Filipe Scolari?

Tempo de "mudanças"





Uma certa direita liberal, além de estar a descobrir que afinal sempre gostou imenso de Luis Filipe Menezes, anda assaz entusiasmada com "novidades" como o fim do Tribunal Constitucional, muito mais poderes para o Presidente, uma nova Constituição e sobretudo, a possibilidade de a Terceira Repúplica passar para a quarta...
Há mais países que adoram este frenesi de terceiras, quartas e quintas repúblicas. No nosso caso, infelizmente, estamos numa fase de marcha-atrás.
Pergunto-me se não seria melhor termos optado por uma República com caixa automática...

Fingir ignorância... é estúpido!






O blog 31 da armada é o conhecido covil de uma muito especial casta de direita. Tudo bem! Por vezes até conseguem arrancar um sorriso a quem não concorda com eles... e já que existem, mais vale saber onde estão.
Ontem, Rodrigo Moita de Deus saiu-se com a pequenina provocação "Quem é o Adriano?". Perderam a gracinha por muito tempo...
A exibição de ignorância como arma de arremeço é das técnicas mais pedestres de combate ideológico. Ainda por cima já só quatro ou cinco "taxistas" é que são realmente sinceros quando afirmam não ter visto, não ter lido ou não conhecer (nem querer conhecer) aquilo que pretendem enxovalhar!
Por que diabo será que a direita passa a vida a babar-se com os bons costumes, os valores e a importância do "berço" e depois é invariavelmente da mesma direita que nos chegam estas pérolas de má-criação e sobretudo, falta de respeito?

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Na espectativa




Ainda não consegui ouvir por inteiro nenhuma das cantigas que uma malta nova de ar simpático que resolveu gravar neste CD de tributo ao Adriano. Confesso só conhecer alguns deles. 
Parto no entanto para a audição com uma espectativa esperançosa. Quero crer que é um tributo cem por cento sincero e um disco agradável de ouvir.
O Adriano merece!... Os amigos agradecem!

Programação demente...



Ainda não se tinham extinguido as manifestações de júbilo pela reposição na SIC desse marco da nossa TV, "Os malucos do riso", eis senão quando, como uma fatalidade, a TVI responde, sempre criativa e original, com a reposição... dos Batanetes!...
É bem feito! Quem me manda passar pela frente do televisor a esta hora?

"Inteligência em movimento"







Para usar o título feliz do Viriato Teles, no mail em que me enviou esta pérola de Monsenhor Luciano Guerra.
A primeira parte da entrevista (sobre violência doméstica e divórcio, já a tinha publicado aqui noutro post
Agora tomem lá com a versão integral que é para aprenderem!


O Reitor do Santuário de Fátima

Monsenhor Luciano Guerra

Sobre o divórcio, o aborto, o preservativo e a sexualidade

 

(Extractos da entrevista feita por Pedro Almeida Vieira e publicada no “Notícias de Sábado”, suplemento semanal do “DN”, de 6 de Outubro)

 

 

Jornalista: Havia vidas desgraçadas quando não existiam divórcios…

Monsenhor LG: Havia e hoje também há. No tempo em que não havia divórcios, havia situações bastante dolorosas, mas a pessoa resignava-se. A mulher dizia: calhou-me este homem, não tenho outra possibilidade, vou fazer o que posso. Ao passo que hoje as pessoas querem safar-se de uma situação e caem noutras piores.

 

Jornalista: Na sua opinião, uma mulher agredida pelo marido deve manter o casamento ou divorciar-se?

Monsenhor LG: Depende do grau da agressão.

 

Jornalista: O que é isso do grau da agressão?

Monsenhor LG: Há o indivíduo que bate na mulher todas as semanas e há o indivíduo que dá um soco na mulher de três em três anos.

 

Jornalista: Então reformulo a questão: agressões pontuais justificam um divórcio?

Monsenhor LG: Eu, pelo menos, se estivesse na parte da mulher que tivesse um marido que a amava verdadeiramente no resto do tempo, achava que não. Evidentemente que era um abuso, mas não era um abuso de gravidade suficiente para deixar o homem que a amava.

 

Jornalista: A questão do aborto é outro dos temas em que a Igreja recebe críticas …

Monsenhor LG: Aí é um caso limite em que não há qualquer hipótese da Igreja Católica vir a ceder. A Igreja entende que não temos direito sobre o nosso igual. A vida existe porque Deus quer.

 

Jornalista: Não faria sentido que, exactamente para evitar abortos, a Igreja tivesse outra postura em relação ao uso de preservativos?

Monsenhor LG: Não creio que em relação ao preservativo seja fácil. Além disso, sabemos que não há capacidade para distribuir a toda a população mundial, sabendo-se ainda que entre 20 a 30 por cento da Humanidade vivem com menos de um dólar por dia, que é o preço de um preservativo.

 

Jornalista: Porque é que a Igreja se mostra sempre tão rígida, se Deus nos criou com o corpo que temos, as sensações e as necessidades….

Monsenhor LG: Não é uma questão da Igreja Católica nem doutras religiões. A sociedade entendeu que a melhor forma de preservar a paz, no fundo o progresso, foi tirar as mulheres da frente dos homens. O perigo não são as mulheres, o perigo está nos homens.

  

Jornalista: Isso parece-me uma evolução. Há uns séculos, a mulher é que corporizava o mal, o desejo…

Monsenhor LG: Atenção, corporizava no sentido em que se entendia estar a propensão activa no homem. Se o homem não se impressiona com a mulher, a mulher não se impressiona com o homem. O perigo está nos homens, está no macho.

 

Jornalista: Fala-me disso e recordo-me de um sermão do século XVII em que um padre culpava os decotes das mulheres pela seca porque os homens não estavam atentos nas missas…

Monsenhor LG: Digo-lhe uma coisa. Tenho para mim que a falta de aproveitamento dos nossos jovens está na sexualidade que lhes absorve a atenção, mesmos sem estímulos externos, o principal dos quais é a mulher. Você sabe como é a imaginação de um jovem. Ponha agora uma rapariga ao lado e vai ver como ele se distrai mais rapidamente do que com um homem. Quanto mais você se concentrar num prazer menos tem concentração para aquilo que não lhe dá prazer. É por isso que os drogados, coitados, acabam por se drogar noite e dia, porque estão sempre a pensar naquilo. É uma obsessão

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Bairrismos



Menezes quer uma nova "Constituição"! Deve ser lá uma mania de portuense...
Já eu, preferia uma nova "Avenida da Liberdade"!
Bairrismos!...

Podemos ficar tranquilos




A SIC garantiu que Gordon Brown recusa cruzar-se com Robert Mugabe em Lisboa.
Aí está uma boa notícia!
Já alguém se pôs a imaginar a espécie de coisa que resultaria do "cruzamento" destes dois?
Yyyack!!!

Lixo televisivo



A RTP já tem um Provedor do telespectador. Óptimo! Para quando um Provador de Programas?
Bastaria chegar perto para perceber que este filmezeco de classe Z está podre!...

É "obra"!



Jardim Gonçalves "desconhecia totalmente" o que se passava no seu banco(BCP), nomeadamente, o "perdão" de uma dívida do seu filho, uma bagatela de 12,5 milhões de euros.
Na Opus Dei não ensinam que mentir tão descaradamente é feio? Não? Mas deviam...

Renovação




Seguindo o exemplo mobilizador do PSD, o Benfica vai renovar radicalmente a sua equipa de futebol.
Até ao momento já terão sido contactados Simões, Pietra, Carlos Manuel, Humberto Coelho, Shéu, Rui Águas, Toni...

Adenda: Aproveito para esclarecer que de facto estou a gozar um bocadinho com uma das instituições, mas não é com o SLB. Foi apenas, por qualquer razão, o primeiro clube que me veio à cabeça. Aliás, acredito que esta equipa que aqui "formei" à pressa, ganharia 50-0 a qualquer formação da nova equipa do PSD.

domingo, 14 de outubro de 2007

Um belo "gesto técnico"!


Imagem airosamente subtraída ao Anónimo do Séc. XXI

Pela pose dos atletas percebe-se que vai ser marcado um livre directo.
Perguntas que ficam no ar:
1. Afinal foi golo ou não?
2. Porque é que nestas barreiras há sempre um ou dois inconscientes armados em bravos e que não protegem os "tintins"?

National Geographic



Este indivíduo está gravemente doente, o que o faz repetidamente vomitar para cima do Correio da Manhã.
Pergunta o lacaio do governo (qualquer que ele seja) se é democrático haver tantas manifestações "contra" o primeiro ministro. De facto não é! Devia haver pelo menos outras tantas para este infeliz, mas acompanhadas de uns panos encharcados... (zona de improviso para o leitor).
Afirma ainda, "Não sei se o PCP tem um centro de preparação de arruaceiros desta estirpe, mas a verdade é que se não tem é como se tivesse".
Aqui nem me interessa que seja o PCP ou o BE ou o raio que o parta. Fascinante é a profundidade intelectual do conceito "se não tem é como se tivesse".
Mas sobre a profundidade intelectual desta lamentável imitação de jornalista já fomos tendo muitos e variados exemplos prácticos ao longo dos últimos anos. Há pratos de sobremesa bem mais profundos!

sábado, 13 de outubro de 2007

"O amor nos tempos da porrada"



(ou pelo menos, nos intervalos...)

Porque será que tantos idiotas chegam a cargos tão "importantes"?

Pergunto eu ao ler um excerto de uma entrvista de Monsenhor Luciano Guerra, reitor do Santuário de Fátima, à Notícias Sábado (suplemento do DN), de 6.10.07, página 18.

Aqui vai uma pequena amostra:

Isso antigamente acontecia de igual modo. As pessoas eram talvez hipócritas...
Mas hoje ainda são mais. Os divorciados passam por períodos imensos de hipocrisia antes de consumar o divórcio.
Havia vidas desgraçadas quando não existiam divórcios...
Havia e hoje também há. E agora até há mais. No tempo em que não havia divórcios, havia situações bastante dolorosas, mas a pessoa resignava-se. A mulher dizia: calhou-me este homem, não tenho outra possibilidade, vou fazer o que posso. Ao passo que hoje as pessoas querem safar-se de uma situação e caem noutras piores.
Na sua opinião, uma mulher que é agredida pelo marido deve manter o casamento ou divorciar-se?
Depende do grau de agressão.
O que é isso do grau de agressão?
Há o indivíduo que bate na mulher todas as semanas e há o indivíduo que dá um soco na mulher de três em três anos.
Então reformulo a questão: agressões pontuais justificam um divórcio?
Eu, pelo menos, se estivesse na parte da mulher que tivesse um marido que a amava verdadeiramente no resto do tempo, achava que não. Evidentemente que era um abuso, mas não era um abuso de gravidade suficiente para deixar um homem que a amava.

O "livrinho" vermelho



Nos meus tempos de juventude, no comunitário da Cruz Quebrada, apareciam por vezes uns amigos, apreciadores de um livrinho pequenino, mas em compensação recheado de pensamentos perfeitamente imbecis! (obrigado, Vasco Santana!).
Na minha juvenil inconsciência, nem suspeitava da verdadeira dimensão e longevidade dos estragos que tal livreco viria a provocar nos cérebros de alguns desses apreciadores.
É o caso lamentável de Helena Matos, no Público de dia 11.10.07, onde escreve uma das suas croniquetas, com o título "O Che morreu. E Tatu onde está?", recheada de sintomas de prolongada exposição aos tais "pensamentos".
Como não há link disponível para o Público, quem quiser saber exactamente de que estou a falar, fará o favor de ir ao "Tempo das cerejas".
Ainda hei-de tentar saber mais sobre a luta armada da jovem Helena Matos, nos idos do PRED (processo revolucionário em discurso), nas serranias da Estrela, contra a burguesia que ousava tentar implantar em Portugal, pasme-se, um regime democrático!!!

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Mantem-se o impasse!

Bush contesta a votação da Comissão Nobel. Já seguiu para a Suécia uma task force de "experientes" juizes americanos motivadíssimos para fazer a recontagem dos votos. 



Imagem elegantemente surripiada ao Arrastão.

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Deve ser "derivado" à humidade


Segundo o Correio da Manhã de hoje, Zita Seabra já corre para o lugar de líder parlamentar da bancada do PSD. Durante a pesquisa que fiz ao nome de Zita fui parar acidentalmente a este "douto" dicionário.




Portanto, uma espécie de fungo!
E não é que eu já andava desconfiado?
Como se pode ver na fotografia em baixo à direita, a doença também ataca as laranjas.
Azar!

Liberdade climatizada...

...ou condicionada, ou como quer que se diga!


Peço desculpa por não conseguir decifrar o nome do autor do cartoon, portanto apenas admito que o tirei descaradamente do Puxapalavra.
Adenda: Graças a uma preciosa dica do Aristides, posso dizer que o cartoon pertence a Anterozóide, um blog a visitar, decididamente!

Procura-se peça...





Que peça estará a faltar a Vital Moreira?
Do alto do seu blog sem comentários, insultou em público os sindicatos da FENPROF, chamando-lhes "forças de comandos" para "operações especiais" ao serviço do Partido".

Agora vem queixar-se, embora em tom de gozo mal-criado, que (em privado) lhe inundaram o e-mail com "insultos".
Para quem está constantemente a pedinchar "mais coerência, sff", ou "mais seriedade, sff", ou "mais honestidade, sff", é no mínimo estranho.
Isto, a acreditar no que diz...

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Voltando a falar de pessoas





Há dias na caixa de comentários do Anónimo do Séc.XXI, depois de uma troca de piadas em que entravam cartas, acabou por aparecer um nome que me lembra esta história:


Há já muitos anos (1977), era eu ainda um feliz elemento do grupo de teatro A Barraca, estávamos no início dos trabalhos para criar a peça “A Barraca conta Tiradentes”, dos autores brasileiros Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri.O encenador era o próprio Augusto Boal. 

Uma tarde, estávamos a trabalhar, ainda em casa do encenador, quando chegou uma carta de um seu amigo do Brasil. Vinha na forma de uma cassette de áudio com uma música que imediatamente nos ficou no ouvido, para além da comoção que provocou, pelo conteúdo e o "ambiente" em que se vivia, cá e lá.

Contava várias coisas de um país ainda em ditadura “a coisa aqui tá preta”, mandava “um beijo na Cecília (companheira do Boal), na família, nas  crianças”, informava que “o Francis (Francis Hime, autor da música) aproveita p’ra também mandar lembranças” e terminava, “a todo o pessoal, adeus”.

Era o Chico Buarque. O disco “Meus caros amigos” saíu pouco depois e esta cantiga, “Meu caro amigo”, lá está na faixa 10.

São pequenas histórias como esta que ficam para sempre a iluminar o nosso passado!

Mas não se fiquem pela leitura... ouçam e vejam a cantiga no video que se segue, com o autor da música sentado ao piano e o Chico em grande forma.


terça-feira, 9 de outubro de 2007

Para que serve um alberto gonçalves



depois de pronto? Para nada!

Mas indo ao que interessa... o que é um alberto gonçalves?
As pessoas bem educadas dizem que é um indivíduo que, vá-se lá saber por que raio, escreve crónicas em jornais. Eu não diria tanto!
Reparei por várias vezes nas ditas crónicas, então no Correio da Manhã, onde o misterioso ser costumava vomitar as suas ideias, saídas do que se convencionou chamar o seu cérebro. Como o CM era o único jornal disponível no café aqui da esquina, a solução foi ir evitando os escritos do "artista", como quem anda aos zig-zagues no passeio, a evitar as bostas dos cães.
Um belo dia, talvez "derivado" a alguma inspecção da ASAE, pensei eu, o tipo desapareceu...
Vim logo a saber a razão. O Diário de Notícias tinha descido tanto que finalmente estava ao nível de alberto gonçalves... e aí está ele! Ao contário do CM, onde tinha uma colunazita, agora no DN, pelo menos neste número, teve direito a cerca de um hectare de jornal, que se encarregou de estrumar diligentemente.
As pérolas são várias. 
Numa, Carvalho da Silva ganha o título de "inimigo do povo", noutra, para "arrazar" o Zip-Zip e os que acham que foi um marco na nossa televisão, antes de 25 de Abril, diz que o programa apenas promoveu "baladeiros analfabetos", provando uma de 3 coisas:

1. Do Zip-Zip só conhece a rábula (excelente) do "baladeiro" feita pelo Raúl Solnado e logo, fala do que não viu.
2. Viu o Zip-Zip e acha realmente que Francisco Fanhais (à época sacerdote da Igreja Católica), Manuel Freire (actualmente Presidente da Sociedade Portuguesa de Autores), José Barata Moura, até Maio do ano passado, Reitor da Universidade de Lisboa), só para apontar 3, são analbabetos.
3. É apenas um perfeito imbecil.

Para acabar em beleza, alberto gonçalves decide, também ele, dissertar sobre Ernesto Che Guevara, começando com o primor "o homem que livrou o mundo de Che Guevara...". 

Se alguém tiver curiosidade em conhecer na íntegra este texto sobre o Che e não se importar de remecher em esterco, clique na imagem do artigo e este (espero), fica grande e legível.

Alguns amigos a quem mostrei isto, queriam ficar aqui a rir do pequeno e ridículo fascistóide, mas para isso tínhamos que ir alugar cadeiras, pois a coisa era capaz de ser demorada...