domingo, 3 de fevereiro de 2008

Não tenho idade...


Nos últimos tempos tenho dado por mim a pensar ou a dizer, muito mais vezes do que queria, "Já não tenho idade para isto!"
O facto é que os nossos governantes e outras gradas figuras da economia e sociedade em geral, não têm realmente noção das proporções e do que é ou não suportável pela generalidade das pessoas.
Mesmo assim, a menos que "eles" se saiam com alguma que seja mesmo especial, convido "vossas amizades" a fazerem-me companhia neste Domingo, numa viagem a um tempo em que alguns de nós, ao contrário de hoje, ainda não tínhamos idade para algumas coisas e todos os outros nem tinham idade nenhuma.
Esta mocinha, em 1964 tinha 16 anos. Eu, nem isso... estava já a tentar desfazer-me dos calções. Chama-se Gigliola Cinquetti e tem na belíssima, estranha e doce voz o poder de me arrastar para lá... quando éramos apenas uns e umas patetas, ainda sem idade para aquilo tudo que aí vinha e que ia ser bom e mau e doce e amargo, como é quase sempre o caminho para o futuro.

"Non ho l'età" - Gigliola Cinquetti (1964)
Nicola Salerno/Mário Panzeri


19 comentários:

Meg disse...

Mas que belo momento, Samuel! E de repente vieram-me à memória outros nomes... Rita Pavone, Adriano Celentano, e tantos outros.
Vou ouvir uma vez mais, pois estes momentos e estas imagens são um afago para a alma. Ainda mais a esta distância e comparando tantas coisas...!

Obrigada por este bocadinho

Um abraço

Isabel Faria disse...

As meninas não usavam calções...mas também devia andar por lá, de saias rodadas a dançar nos Bailes da Música...
Sabe muito bem. Apesar de, algumas vezes, as memórias doerem um cadito!!

Maria disse...

Ah, Samuel, que coisa mai linda!!!!!!
Eu lembro-me desta cantiga. Cantou na Eurovisão toda vestida de branco. Não me lembro de ter voltado a ouvir falar dela.....
Era boa, esta música....
Só a talhe de foice (!!) na noite passada vi na rtp-memória uma tal de Marisol (já nem me lembrava dela) que também andou pelos festivais...
Velhos tempos, em que tu era um menino, e eu já namoriscava..... hehehehehehe

Obrigada pela Gigliola.
Abreijos

Gi disse...

Lembro-me dela e de mais uns quantos da alura mas não lhe ligava muito ... era muito "crescida" para os meus 6 anos :) mas agora estou como tu (apanhei-te) também já me oiço a dizer que já não tenho idade :)

Um beijinho, bom domingo para ti também

vovó disse...

Maria

pois é :)!!!
vou ver se também estou disponível para lá estar e depois, fazemos todos uma farra :)))))!!!!
bom Domingo :)!!!

beijocas

amigona avó e a neta princesa disse...

Ai Samuel e dois anos depois já cantava "Dio como ti amo"!!!
É bom recordar quando o tempo tinha outro tempo...bom domingo...

Bloga Comigo disse...

Quando, apesar do medo, da guerra, da morte, tínhamos a esperança na alma. Melhores dias chegariam se não baixássemos os braços. Bela canção esta que nos ofereces hoje.
Eu proponho-te Mar me quer, uma história de amor,que tem como cenário o mar e esse continente que é um apelo irresistível, África.
Bjos

Justine disse...

Convite aceite, aí vou eu de mãos dadas com as minhas memórias, num passeio ao tempo em que tudo era possível.
Obrigada e bom domingo

Anónimo disse...

Não tenho passado por cá!
E tenho pena ... pela música e por tudo mais...
Cheguei agora e bem , só um obrigado
pela voz tão bonita que nos trouxe a saudade caminhou vinda de longe, e foi chegando... estava a crescer em anos de muitos que por aqui passam, e ouvi-a porque ela »passava »na rádio, e foi passando...
O estado nascente é sempre quase o mesmo com Gigliola Cinquenti... Sempre...
O resto é o que diz ! deixe pra lá!
A música todos sabemos o que é. O seu nome confesso só uma vez o confundi, e tinha-a ouvido muito já , e até na SPA...
um abraço e até um novo novo aparecimento com música , claro está! Jrdm

gaivota disse...

é mesmo bom ercordar esses temas na bonita voz da Gigliola...
nessa altura também já andava perto dos 16 anos...
o tempo a passar e a idade a crescer, não é?
naquele tempo não acontecia nada, hoje todos se encarregam de fazer com que tudo aconteça!
vou curtir o carnaval aqui na minha areia, com as minhas gaivotas e o meu mar...
beijinhos

Laurentina disse...

Cristo Rei,
como eu assino por baixo !!!
também eu em 64 andava aos papeis e a apanhar bonés...estou como as minhas amigas Meg e Amigona dizemmmmm...
É bem melhor hoje não escrever mais nada aqui porque se não acontece o que aconteceu no port anterior, foi pior a emenda do que o soneto.
Eheheheheheheh

bomcarnaval

beijão grande

GR disse...

Grande surpresa!
Desde os seis anos que nunca mais ouvi esta canção, nem tão pouco me lembrava da jovem que a cantou. Porém, ainda sei a letra, todinha. Talvez a tivesse ouvido muitas vezes, quando pequena. Como costumo a dizer; “há milhares de anos”!
A simplicidade da letra, da música, a doçura da voz.
Vou voltar a ouvir ou reviver a nostalgia da memória.

Um bom domingo, apesar da ausência do Sol.

GR

gasolina disse...

Pois eu agora já tenho idade, já posso fazer, dizer, escrever, ganhei estatuto.

Não era isto que querías dizer, Samuel?

Quanto à canção, ai...ai...

Deixo um beijo

av disse...

Eu era muito miúda, mas lembro-me muito bem desta miúda (!!) quando apareceu, e desta canção deliciosa. Era o tempo em que o festival da canção ainda era um acontecimento musical de respeito, e a Europa parava para acompanhar as votações.
Não direi "bons tempos" porque acho que melhorámos muito e em muitas coisas, desde aí (piorámos noutras, mas toda a medalha tem o seu reverso, não é?). De qualquer maneira, soube bem recordar. Obrigada.
Quanto a não ter idade, estou com o (a?) Gasolina: agora é que eu tenho idade para fazer e dizer o que quero. Acho que também ganhei estatuto e já provei o que tinha a provar...
Um beijo
ana

avelaneiraflorida disse...

Ela tinha 16 anos...mas eu não!!!! No entanto, muitas e muitas vezes trauteava ( desafinadérrimo, clao!) esta melodia!!!!

Ainda por estes dias,quando postava o Bobby Solo no meu cantinho, ela me voltou à memória!!!!
brigados, amigo samuel!!!!

Anónimo disse...

Que bom nesta noite de frio e chuva ouvir a Gigliola que tanto nos agradou quando éramos jovens adolescentes!

Abraço

Sal disse...

olá.
é por isso que eu amo a música.
estejamos onde estivermos, seja qual for o ano ou tempo que faz lá fora quando nos toca faz-nos sentir transportados até lugares longínquos, perdidos da memória há tanto tempo.
É como voltar ao útero...

beijinho,
e obrigada por teres ido ao "mar".

volta sempre que vás navegar (na net)...

Sal

Maria disse...

vovó

Farra combinada... :)))

Abreijo

Blue Velvet disse...

É engraçado que seja conotada a idade com a tal frase " Já não tenho idade para isto"
Sempre achei que a partir da altura em que pensamos pela nossa cabeça podemos "não ter paciência para isto", porque idade aqui é sinónimo de paciência.
Mas não ligue. Isso sou eu que sou uma desalinhada militante.
Quanto à Gigliola não me lembro dela da altura, mas conheço a canção e acho-a muito bonita.
Doce, mas sem grande qualidade.
Ai, vai pensar que estou para embirrar hoje, mas juro que não rsrsrs
Abreijos, para não ficar zangado comigo:)