domingo, 11 de setembro de 2011

11 de Setembro – Allende – “Hacia la libertad”


Hacia la libertad
(José Seves/Haracio Salinas)

Patria de los confines
semilla pan y cobre
das de tu tierra virgen
hijos libertadores.
Voz indomable
de Araucanía
lanza Lautaro un grito
en cada amanecer.

Naciste combativa
contra los opresores
defendida bandera
de todos los rincones.
Desde los Andes
la llamarada
brilla la independencia
viene la libertad.

Es tu historia que avanza
la nueva unidad nos lleva.
Chile, por ti juramos
no habrá noche que nos detenga.
¡La patria llama!
vamos con ella
hacia la libertad.

La razón del obrero
se alza en las salitreras
a transformar la vida
a organizar las fuerzas
grito de alerta,
Luis Recabarren,
la tierra soberana
debemos conquistar.

la aurora extendida
marchan los oprimidos
fue el trabajo de todos
y el fruto compartido,
Allende ¡hermano!
cantan los pueblos
tu palabra levanto
tu ejemplo vivirá.



A cada ano que passe, sempre que escrever sobre o 11 de Setembro (enquanto escrever... seja sobre o que for), obrigar-me-ei a começar por dizer que nunca me passará pela cabeça mostrar um menor respeito pelas vítimas dos ataques à cidade de Nova Iorque, ataques que abomino. Aliás, a suspeita de que eu estaria, mesmo que levemente, a favor dessa acção terrorista, só poderá passar pela cabeça de “génios” que, não me conhecendo de lado nenhum, acham que podem produzir uns quantos disparates sobre aquilo de que eu gosto, ou não, que tenha que ver com os EUA.

A cada ano que passe, repetirei a lembrança de um outro 11 de Setembro que me mobiliza muito mais... e há muito mais tempo: o 11 de Setembro em Santiago do Chile, em 1973. Um crime vergonhoso, com um muito maior número de vítimas inocentes, vítimas que, passados 38 anos, ainda continuam a ser reveladas (aos milhares) e a ser identificadas. Um crime bárbaro que, para vergonha dos milhares de “jornalistas” que o esqueceram ou escondem, foi desenhado, planeado, financiado e executado com o apoio dos EUA... país que, por estes dias (e em todos os restantes), está incondicionalmente instalado nos corações (e nas carteiras) desses “jornalistas”.

Este ano, talvez por passarem dez anos sobre os acontecimentos de Nova Iorque, sinto ainda maior obrigação de lembrar Allende e os muitos milhares de chilenos assassinados durante e após o golpe militar de Santiago... dada a verdadeira barragem de propaganda oriunda dos EUA, feita de “documentários”, “entrevistas”, “debates”... e toda a sorte de produtos destinados a lavar o cérebro de meio mundo.

Assim se tenta “justificar” a pretensão dos EUA ao domínio global. Assim se transforma em vítima uma nação que tem feito da agressão a sua razão de existir. Assim se escamoteia o facto de os EUA, só nestes últimos dez anos, terem assassinado a sangue frio em milhares de bombardeamentos, em vários pontos do mundo, um número de vítimas inocentes, escabrosamente superior ao número dos que morreram, ingloriamente, nas "Torres Gémeas" do Worl Trade Center. Milhares e milhares de crianças, mulheres e homens, cujos países, de alguma maneira, caíram em desgraça aos olhos do “Império” e dos seus interesse económicos.

Por isso, pelo asco sem medida que me provoca esta campanha que todas as televisões portuguesas têm feito, sem descanço, desde há vários dias, numa demonstração de um servilismo abjecto, mais uma vez dedico o dia 11 de Setembro à memória de Allende e de todos os heróis que ali caíram. Desta vez, faço-o ao som de “Hacia la libertad”, do disco com o mesmo nome, gravado em 1975 pelos “Inti-Illimani”.

Hacia la libertad” – Inti-Illimani
(José Seves/Haracio Salinas)


26 comentários:

Maria disse...

Por mim nem vejo notícias.
Mas coincidimos nos Inti-Illimani...

Abreijos.

do Zambujal disse...

Vê lá tu!...
(agendado para as 00.13!)

Grande abraço

Pata Negra disse...

Subscrevo com o mesmo coração e sem bandeiras! Todas as vítimas, afegãos, iraquianos, chilenos, líbios, americanos, vietnamitas, são vítimas iguais!
Mas, não resisto:
- Não é verdade que entre o sangue de todas estas vítimas existe sempre pólvora das mesmas espingardas?! As mesmas espingardas que exterminaram os índios! "Indios"??? quem deu ao termo o significado pejorativo???
...É Setembro! Tempo em que todos os setembros choram as suas vítimas!!!...
Um abraço subscrito

José Rodrigues disse...

Estou SEGURO que não vou ASSIStir a nenhuma homenagem e/ou lembrança deste 11/09 lá para os lados da Bracara Augusta.Mas, o Povo Unido,
jamais será vencido porque a luta continua!

Abraço

Anónimo disse...

Apenas uma presença para vincar o nojo que me merece esta tua atitude, esperada aliás. Que é natural em quem só tem metade do cérebro, aquela que fica ao fundo das costas.

Isabel Mire Dores disse...

Viva el Chile! Para mim também é muito marcante a lembrança do 11 de Setembro de 1973, ainda mais quando se viveu vários 11 de Setembro com exilados chilenos. Como curiosidade, poucos se lembram, mas no 11 de Setembro de 1975 foi o último dia do V governo do Vasco Gonçalves.
A nossa memória e a capacidade de lutar contra o esquecimento de marcos como estes tem de continuar e tu dás um grande contributo.
Dos orgãos de comunicação neste país não há nada a esperar!
Um abraço para ti e para Maria

samuel disse...

Anónimo (00:45):

Ah... sim?
Então e diga lá, seu infecto monte de bosta, que "atitude esperada" é essa que tanto o enoja.
Leu o que escrevi? O que é que lá está que não seja verdade, sua besta?
Qual foi a metade do cérebro que usou para fazer este comentário digno de um débil mental?

salvoconduto disse...

Como já dise no "cheiro da ilha" este é o 11 de Setembro que teimam em esconder, mas como digo lá no meu canto a BESTA está presente nos dois.

Abraço.

Anónimo disse...

cantigueiro,

chamar monte de bosta, ao anónimo das 00:45h, é muito pouco!
se há coisas nojentas à face da terra, ele é um deles.nem sei com ainda o publicas...
Hacia la Libertad!

josé Manangão disse...

No Chile sabemos quem foram os terroristas, ao contrário de Nova Iorque! Porque será?
Uma pergunta:como é que concentes que venham ofender-te na tua própria casa?
Abraço

Fernando Samuel disse...

Como não podia deixar de ser, lá «encalhámos» outra vez no mesmo tema.
Em matéria de poesia, fiquei por cá - com o Zé Carlos...

Um abraço.

João de Sousa Teixeira disse...

La estória és nuestra y la hacen los pueblos.

Salvador Allende, 11/9/1973

Abraço
João

trepadeira disse...

Continuando,não o deixamos esquecer honrando-o.

Um abraço,
mário

vermelho vivo disse...

Nesse dia (11 de Setembro de 1973) e nos dias que se lhe seguiram, com o apoio e a conivência do maior e mais bem organizado grupo terrorista até hoje existente - a CIA, foram assassinadas cerca de 30.000 pessoas e foram torturadas mais de 100.000.

Não é facil apagar da história, os crimes monstruosos cometidos pelos EUA no mundo inteiro e com grande incidência na América Latina. Entre muitos outros, este - 11 de Setembro de 1973 - ficará para sempre na memória colectiva.
A comunicação social subserviente e abjecta, encontra no outro 11 de Setembro a peneira com que tenta tapar o sol.

Um grande abraço

Antuã disse...

Apesar da desonestidade da imprensa o Chile vencerá.

jrd disse...

A memória das ignomínias não pode ser selectiva, por muito que os lacaios, manipuladores da História, procurem fazer por isso.

Abraço

maia disse...

Respeitando todas as vítimas, já não se suporta tanta notícia sobre as Torres Gémeas. Foi um acto terrorista? Foi. E o Chile, e o Iraque e o Afeganistão, e...e... e as bombas atómicas? Quantos mortos, torturados espoliados? A que chegou o tal "jornalismo"! Quando o AGRESSOR, brutal, dono e senhor do mundo são os EU, nem uma palavra. A verdade, um dia, chegará. E também os anónimos, cegos e escondidos, verão a verdade. Um blogue atento!

Maria João Brito de Sousa disse...

Estou convosco nesse 11 de Setembro, no Chile!
Abraço!

Graciete Rietsch disse...

Post comovente.

Vítimas serão sempre vítimas que profundamente lamentamos.
Terrorrismo é sempre terrorismo venha de onde vier e será sempre condenável.

Um beijo.

Dylan disse...

Samuel,

Gosto do que geralmente escreve mas não posso concordar com a mensagem que este post pretende dar, aliás, reflectida em alguns comentários desbragados.
Era como se eu fizesse um post sobre o aniversário da morte de um líder comunista, lamentando-a, e a seguir fosse enumerar os mortos provocados por regimes de inspiração marxista-leninista tais como o Cambodja, Vietname, Coreia do Norte, Urss, e outros da chamada Cortina de Ferro.
É só uma opinião, não leve a mal.

Anónimo disse...

Samuel vai à merda. Discutir contigo coisas destas é renegar princípios básicos de que não abdico. Fica lá com as bostas que tens como companheiros de blog e com quem fornicas a decência e os valores civilizacionais. Desculpa lá falar em valores que não conheces e prometo cagar em ti esta merda a que chamas blog.

samuel disse...

Anónimo (18:46):

Bem me pareceu que não teria nada para dizer… a não ser insistir nesse ordinário (por abusivo) tratamento por tu, acompanhado das habituais boçalidades.

Quanto ao seu finíssimo "prometo cagar em ti esta merda a que chamas blog"… já nem vale a pena repetir-se… não passa de mais uma promessa que não irá cumprir… acabando sempre por voltar para conspurcar o tapete da entrada.

Mas na esperança que desta vez seja, finalmente, verdade... vá pela sombra!

Rogério Pereira disse...

Caro,

Fiz link. Discreto
Meu predilecto
... não envergonhado
e bem endossado

É que me post foi direito à outra dimensão, sem discordar de tua opinião...

Olinda disse...

Ao lembrar o 11 de Set.,a " manipula
çao social" pretende apagar da nossa memória todos os outros onzes de Setembro.Principalmente o crime hediondo no Chile,sendo Kissinger o grande responsável pelos milhares de mortos e desaparecidos.O tal grnde amigo de Soares...

Aqualung disse...

O segmento "United Kingdom" é sobre o outro 11 de Setembro.

Aqualung disse...

Ups. Faltou o link.

http://www.youtube.com/watch?v=JFowq3047aM