domingo, 27 de novembro de 2011

Elis Regina - Tatuagem


Acho que não conheço ninguém que tão bem escreva canções no feminino. Fica-se (eu fico!) com a impressão de que o Chico Buarque tem dentro de si várias mulheres, com vidas e estórias carregadas de paixões, alegrias, dramas, tragédias... mulheres que, de vez em quando ganham vida e “cantam”, servindo-se da sua voz e das suas palavras.
Uma dessas mulheres tem lugar cativo no universo de canções do Chico: Elis Regina.
As “versões” de Elis são definitivas. Tornam-se o molde. A matriz a partir da qual tudo se compara. Esta sua arrasadora interpretação de “Tatuagem” é um grande exemplo disso mesmo.
Em princípios dos anos setenta do Século XX, quando ainda não havia “telediscos”, Elis resolveu inventar um. Uma canção que já era um espanto, torna-se verdadeiramente incendiária. Por momentos, aquela relação da intérprete cantora com o intérprete músico... é, para dizer o mínimo, perturbante.
Eu sei que, neste caso, o músico (grande músico!) era César Camargo Mariano, o grande amor da sua vida. O amor que para além dos fantásticos frutos musicais que fez nascer, “produziu” seres humanos e talentos como o de Pedro Mariano e de Maria Rita. Mesmo assim... em que estado ficará um “pobre” pianista, quando a cantora, ainda por cima, sendo a Elis Regina, resolve encará-lo e cantar uma canção destas, desta maneira?
Bom domingo!
“Tatuagem” – Elis Regina
(Chico Buarque /Ruy Guerra)



10 comentários:

Pata Negra disse...

E eu que estou sem som no PC! Mas de Elis, digo apenas, que não sou de dizer "o maior", "o melhor" ou "o mais" seja a respeito do que for! Mas o album que mais vezes ouvi em toda a minha vida foi um tal de Elis Regina no Festival de Jazz de Montreux! Pronto! E estamos entendidos!
Um abraço no coração dessa Mulher

Rogério Pereira disse...

Hoje..
Espero
ao lado dela
do Chico
do Zé,
(por sonhar estar fadado)
que seja, confortado, o fado

do Zambujal disse...

É pá!, osto muito. Como do teu texto!
Por outro lado, como poderás reparar, amanhã de manhã, também tinha escolhido para o domingo uma coisa do Chico no final desta semana de luta (ou no começo desta semana de luta?).
(não sei se o domingo acaba a semana ou a começa... uma vez que o dia seguinte é 2ª).

Um grande abraço

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Elis Regina, inconfundível e imortal.

Um abraço e bom domingo.

Graciete Rietsch disse...

Impressionante!!!!!!!!!

Um beijo.

trepadeira disse...

São coisas destas que animam a vida e a empurram e nenhuma crise pode roubar.

Um abraço,
mário

José Rodrigues disse...

Maravilhoso...e porque não,em dia de 4ªAssembleia Alentejana do Partido com Paredes de Vidro, e de festa do fado,libertar da prisão "radiotelevisiofonica"a Luísa Basto e pô-la a cantar o fado "Ai Alentejo Amigo"?

Abraço

Fernando Samuel disse...

Simplesmente FABULOSO.

Um abraço.

Justine disse...

Quem disse que não havia perfeição???????

carol disse...

A Elis Regina era um verdadeiro portento!