quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Governantes de luxo


Nos últimos dias, a tinta que tem corrido a propósito do tema das pensões de ex-deputados, acabou por não deixar brilhar devidamente as notícias sobre as fantásticas evoluções nos vencimentos de ex-governantes, essas sim, dignas de um lugar de destaque.
Aí podemos ver que governantes como Armando Vara, Dias Loureiro, Fernando Gomes, Jorge Coelho, Pina Moura, Ferreira do Amaral, para só falar nos mais conhecidos, tudo gente que tinha rendimentos “modestos”, na ordem dos 40, 50, ou 70 mil euros anuais, depois de passarem pelo governo de Portugal, ascenderam a ganhos que, nalguns casos, atingem os 600, 700, ou mesmo 800 mil euros.
Alguns deles foram “trabalhar” para empresas que tutelaram enquanto ministros, sendo o caso de maior e mais rápido “sucesso” o de Ferreira do Amaral, que depois de negociar com a Lusoponte a construção da Vasco da Gama, no papel de ministro, foi, pouco tempo depois, sentar-se na administração da mesmíssima Lusoponte.
As pessoas reagem cada qual à sua maneira, cada qual com o seu particular nível de asco. Já eu, gosto de ver as coisas pelo seu “lado positivo”:
Temos tido alguns dos melhores governantes que o dinheiro pode comprar!
Não me levem a mal o segundo sentido que esta frase pode ter... mas a culpa é da língua portuguesa, que é muito traiçoeira...

7 comentários:

salvoconduto disse...

Putas de luxo, para ser mais claro.

Olinda disse...

Palavras para quê?Sao especealistas na arte de influencias...

A. disse...

Estão porcos de ricos!... À custa dos burros!... E há cada vez mais desgraçados a levar uma vida de cão, por causa deste povo de carneiros; e
E eles a verem-nos pastar!...



Abraço

Graciete Rietsch disse...

Govrnantes comprados que sabem muito bem aproveitar esse dinheiro para si próprios.

Um beijo.

Antuã disse...

Já não suporto gatunos.

carol disse...

Se bem que... a estrutura da frase seja francamente anglo-saxónica...

Márcio Augusto R. Guerra disse...

Caro Samuel, se quiser voltar ao assunto novamente, um dia destes, se calhar por este «gráfico animado», como eles lhe chamam, uma espécie de infografia «assim-assim pró fraquinha», como eu lhe chamo, pode aproveitar este link, que eventualmente será mais fácil de ver do que ler o texto que nos forneceu. Já tentei extrair a mesma da página, mas não consigo, o que é pena, pois dava jeito tê-la à mão para apresentar só num post, mas é-me por ora, impossível com os meus conhecimentos, ainda assim, desta área, consegui-lo.

http://aeiou.expresso.pt//veja-os-rendimentos-de-15-politicos-portugueses-antes-e-depois-de-passarem-pelo-governo-grafico-animado=f680329

Em todo o caso, é bem lembrado, até porque resolveram colocar o camarada Carvalhas no mesmo saco, e a coisa não é bem a mesma. É que de todos os que estão «indiciados» na lista apresentada na altura, Carvalhas é o único que recebe, só, do fundo de pensões esse valor, e que é respeitante a reforma por ter dado aulas na universidade, presumo que como catedrático, ou por aí, se bem que não saiba bem o que são os vencimentos de professores universitários, de carreira, e que a tenham cumprido durante muitos anos.

O certo é que os outros todos ainda trabalham e recebem pensões acumuladas com ordenados. Carvalhas é o único que é só reforma. Faço ainda questão de referir que, eventualmente, a próxima que poderá cair no escrutínio público, e merece-o, é a actual presidente da Assembleia da República, pois parece que é um manancial de reformas, subsídios e afins, tudo à custa do Zé Povinho...

Grande abraço!

Márcio Guerra

P.s.- Não vi grande mal nos dois sentidos que encontrei na frase de remate do texto. A não ser que haja um terceiro e que eu não tenha percebido... Vi, num deles, vergonha, mas de quem o faz, não de quem o aponta!