sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Cavaco Silva e Bertold Brecht


(Montagem surripiada ao “5dias.net”)

Não, senhor Aníbal! Parece que o poema original não foi, afinal, escrito por Bertold Brecht, mas sim pelo pastor luterano Martin Niemöller… mas isso agora não interessa nada! O que interessa é que a sua “adaptação” está muito bem achada. Espero que não se importe que eu a divulgue...

Primeiro levaram o Oliveira e Costa
Mas eu não me importei,
porque não era presidente do BPN

Depois, apertaram com o Dias Loureiro
mas eu não me importei,
porque não era da SLN, nem tinha negócios offshore

Depois prenderam o Duarte Lima
mas eu não me importei,
porque nunca conheci a secretária do Tomé Feteira...
nem cometi (há o caso das acções e da Coelha... mas que diabo...) fraudes no BPN

Agora, estão a subir a escada...
estão a bater-me à porta...

E quando percebi
Já era tarde!

22 comentários:

Maria disse...

Delicioso...
:)))

Abreijo.

Anónimo disse...

Não serão os outros comparsas para lhe dizer " temos feito tanta m**** que desta vez é que não nos safemos" ?

De disse...

Ahahahahahha!!!

Olinda disse...

Entre a realidade e a impunidade,algum humor.Faz-nos falta.Como eu gostava que os versos finais se realizassem...

O Guardião disse...

As más companhias de Cavaco e a factura que nós temos de pagar...
Cumps

José Rodrigues disse...

Art.º131º da Constituição da República Portuguesa(Renúncia ao mandato)
1.O presidente da República pode renunciar ao mandato em mensagem dirigida à Assembleia da República.
2.A renúncia torna-se efectiva com o conhecimento da mensagem pela Assembleia da República,sem prejuízo da sua ulterior publicação no Diário da República.

Perder-se.ia alguma coisa?!
Abraço

Rogério Pereira disse...

Boa malha!

vovó disse...

UAAAUUUU!! :))))

Anónimo disse...

se bem que no poema, o autor não apelava a cumplicidades criminosas

do Zambujal disse...

Muito boa!

Grande abraço

Graciete Rietsch disse...

Será que algum dia ele vai perceber?!!!!!

Um beijo.

Justine disse...

Tudo gente honesta, irrepreensível, respeitável!
Mas parece que a impunidade está a acabar...

A. Silva disse...

Muito bom, vou roubar e espalhar por ai.

Luis Filipe Gomes disse...

Diz ainda a estória que as pessoas que o foram buscar não eram tão honestas como ele. De facto tratavam-se de dois cidadãos normais que não tinham ainda morrido e renascido duas vezes, para poderem alcançar a honestidade que fosse igual à do dito senhor.
...
Ponho-me a pensar que nisto da reencarnação quando dá para o torto é pior a emenda que o soneto.
...
e tento adivinhar:
em que espécie de bicho reencarnará um marafade pêxe sêque, gatuno e aldrabão
dé??...

ana disse...

Boa !!!... Já roubei...

Fernando Samuel disse...

Grande adaptação!


Um abraço.

maia disse...

Brecht bem avisou.
Por esta delícia de comentário até Brecht bate palmas.
Esperemos que a verdade escavaque quem tiver de escavacar.

Anónimo disse...

Maravilhoso! Que delícia! Vou copiar e enviar a muitos e muitos.
Vicky

António Branco disse...

hehe.
nasceria de novo nesse dia :P

carol disse...

Boa! Só que a este não vão bater-lhe à porta!

Que pena!

Anónimo disse...

Sem palavras! Magnifico!
Helena Ferreira

Antuã disse...

Como será a cara do Cavaco algemado?