domingo, 30 de Outubro de 2011

Fausto e Zeca – Não canto porque sonho


Muitos fazedores de canções, ou por hábito, ou por vontade de fixar um estilo vincado, ou para apostar em fórmulas que tiveram antes sucesso, refugiam-se numa espécie de “zona de conforto” de onde saem canções parecidas umas com as outras, com a mesma sonoridade, os mesmos ritmos, os mesmos temas. Isso pode tornar-se bastante maçador... a menos que se tenha o engenho e a arte do Fausto Bordalo Dias.
A “zona de conforto” do Fausto é aquele ambiente fortemente ritmado, feito de uma mistura de “malhão” ou “chula” estilizados, temperada com algum balanço africano... sobre um cenário de epopeias de descobrimentos e outras aventuras mais ou menos marinheiras e salgadas. Essa “fórmula” já lhe rendeu muitas grandes cantigas ao longo dos anos, sendo “O barco vai de saída”, do grande disco “Por este rio acima”, o exemplo mais brilhante.
Felizmente (para o meu gosto) o Fausto tem muitas vezes a coragem de sair da sua “zona de conforto”. É nessas alturas que produz os momentos mais belos da sua música. Foi assim que nasceu “Atrás dos tempos vêm tempos”, “Eu tenho um fraquinho por ti”, “Foi por ela”, entre tantas... e, destacada à frente de todas, a pérola que é “Se tu fores ver o mar (Rosalinda)”.
Deu-nos também este belíssimo “Não canto porque sonho”, música feita de parceria com o A.P. Braga e a participação vocal do José Afonso.
Ah... e os versos de um tal Eugénio de Andrade (depois de algumas “montagens cirúrgicas” típicas dos compositores e das suas necessidades de ritmicas) deram uma belíssima ajuda.
Bom domingo!
Não canto porque sonho

Não canto porque sonho. 

Canto porque és real. 

Canto o teu olhar maduro, 

o teu sorriso puro, 

a tua graça animal.



Canto porque sou homem. 

Se não cantasse seria 

mesmo bicho sadio 

embriagado na alegria 

da tua vinha sem vinho. 



Canto porque o amor apetece. 

Porque o feno amadurece 

nos teus braços deslumbrados. 

Porque o meu corpo estremece 

ao -los nus e suados.
(Eugénio de Andrade)

Não canto porque sonho” – Fausto e José Afonso
(Eugénio de Andrade/Fausto/A.P.Braga)



8 comentários:

Maria disse...

Ficava até de manhã a ouvir isto repetidamente... é só o que posso dizer.

Abreijo.

Graciete Rietsch disse...

Obrigada pela linda Balada(suponho que está dentro do género), pelo poema, pelos músicos e pelos teus grandes conhecimentos musicais que te fazem criar também excelentes canções.

Um beijo.

Isabel Mire Dore disse...

Lindo!
Bom domingo para vocês.
Abreijos

trepadeira disse...

É o que nos desperta e dá força.

Um abraço,
mário

Justine disse...

Mas que mistura explosiva de beleza, perfeição, equilíbrio, poesia - tudo o que de bom a vida ainda nos oferece!
Obrigada, amigo:)))

Anónimo disse...

Obrigada. Muito obrigada por este duo tão forte e belo. Vou ouvir "n" vezes.
Saudações
Vicky

do Zambujal disse...

Obrigado!
... mas é injusto esquecer uma voz feminina que se insinua, imprescindível, e torna tudo ainda mais belo, mais bom de ouvir.

Um abraço

Anónimo disse...

http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N15809

Petição pela cultura e pela arte contra a crise