domingo, 26 de junho de 2011

We shall overcome – يجب علينا التغلب عليها


Os artistas que chegam a ser muito conhecidos, ricos e famosos, não valem mais um cêntimo, por isso, do que os milhões de outros criadores de cultura, espalhados por todo o mundo... a não ser para os seus gestores de conta bancária e radialistas vendidos aos interesses editoriais, etc. e tal... que alista é longa.
Felizmente, alguns desses artistas, independentemente da fortuna que lhes chega por via da fama mundial, são mesmo muito bons. É o caso de Roger Waters, em tempos a alma dos Pink Floyd, uma das maiores bandas de sempre.
Quando alguém, sem precisar de mais promoção ou mais dinheiro, se empenha numa causa, esse “desprendimento” material ajuda a credibilizar o gesto. Um gesto com o mesmo valor que os gestos de qualquer um de nós... mas com esse extra de visibilidade que é sempre bem vindo.
Segundo as suas próprias palavras, Roger Waters foi interpelado pela realidade tremenda do povo palestiniano. Seguiu, interessado, uma iniciativa de muitas centenas de ativistas de várias nacionalidades que se deslocaram a Gaza para uma manifestação de solidariedade com aquele povo prisioneiro na sua terra. Escandalizou-se com a proibição de os manifestantes se aproximarem da Faixa de Gaza, imposta pelo regime egípcio, lacaio dos EUA. Por fim, sentiu-se insultado na sua inteligência pelo facto de a totalidade dos média norte americanos não terem publicado uma linha que fosse sobre este acontecimento... para além do constante encobrimento, ou distorção, daquilo que se passa naquele lugar.
Decidiu, por isso, gravar e colocar à disposição na internet e por todos os meios, a sua versão da canção “We shall overcome”, uma velha canção de luta que nos chega já decantada por muitos anos de memórias e versões interpretadas por dezenas de artistas. Dedicou-a à luta do povo palestiniano.
Na verdade, continuarei a preferir esta interpretação emocionante de Joan Baez, ou a versão (e tudo o resto) de Pete Seeger... mas gosto sempre de ver um colega de profissão “subir ao palco” e colocar a sua voz ao serviço de qualquer coisa que vai muito para lá do entretenimento e do simples negócio.
Bom domingo!
We shall overcome” – Roger Waters
(Letra: C. Tindley, vários e Pete Seeger/Música: “gospel” tradicional)



10 comentários:

relogio.de.corda disse...

Olá, senhor Cantigueiro
Gostei da sua mensagem (para não variar) e da interpretação do Roger Waters.
Os meus "amigos" a que eu carinhosamente chamo no meu blogue por "american people", ainda têm que comer muita sopinha para crescerem em sabedoria, inteligência e humanismo.

Maria disse...

Deep in my heart I do believe....
Também prefiro o Pete Seeger, mas vale a intenção e a posição do Roger Waters.

Abreijos.

Graciete Rietsch disse...

Gostei bastante da canção que já conhecia e achei o video muito comovente.

Um beijo.

Fernando Samuel disse...

Sem comparar com outras versões, gostei e valorizo muito a intenção.
(dir-se-á que de boas intenções está o inferno cheio... estará, estará, mas sem elas isto seria um inferno muito, muito maior...)

Um abraço.

ARISTIDES DUARTE disse...

Bonito...

trepadeira disse...

Continuo a acreditar que a música ainda há-de sobrepor-se aos criminosos.

Um abraço,
mário

svasconcelos disse...

Bem trazida, Samuel! Sem descurar as outras versões, esta é a minha eleita!:))
E sim, quando a arte se coloca ao serviço dos valores da humanidade atinge qualquer coisa de celestial...
bjs,

carol disse...

Of course we will!...

Pedro Viseu disse...

Mais um alertar de consciências.

Anónimo disse...

Samuel
Mais uma vez OBRIGADO.
Vitor sarilhos