terça-feira, 7 de junho de 2011

Angela Merkel - Regressando à vida real...


Esta mulher é a melhor cara que a Alemanha consegue para se fazer representar. Ter como representante uma figura como Angela Merkel é só por si o retrato do estado a que aquele país chegou. A mulher (e o seu partido) andam de candeias às avessas com o eleitorado, deitando mão a tudo o que lhes possa dar algum “conforto”... nem que tenham que recorrer aos pepinos.
Atendendo ao tipo de eleitorado que a apoia, a direita mais reacionária e que, em boa parte, ainda vive as fantasias alucinadas e nazi-fascistas da “raça superior”, uma cartada que produz sempre algum efeito é o apelo ao mais rasteiro racismo e à xenofobia. Nesta aposta no “ódio aos estrangeiros”, já nem se contentam em odiar os imigrantes que por lá são obrigados a viver e trabalhar. Agora apontam o seu ódio aos estrangeiros, mesmo que eles estejam nos seus países... e sobretudo se forem “do sul”. Para aquele tipo de alemão, os países “do sul” são lugares que servem apenas para se apanhar algum sol durante as férias ou a reforma... e que deviam ser habitados apenas por gente que lhes confecionasse as refeições, fizesse as camas dos hotéis e lhes fosse levar bebidas frescas às esplanadas (e alguns miúdos aos quartos).
Daí esta necessidade doentia de marrarem nos trabalhadores dos países do sul. “São gente que trabalha pouco, são gente que tem feriados a mais, são gente que tem férias a mais, são gente que se reforma mais cedo.”
Já se tinha visto que tudo isso é mentira; fossem os feriados, fossem as férias, fosse a idade da reforma. Agora, para reforçar a ideia, chega mais um estudo que mostra a diferença (entre outras coisas) do volume de horas de trabalho anuais dos trabalhadores alemães e dos tais europeus “do sul”. Resultado: os alemães trabalham visivelmente menos que todos esses “mandriões”.
Os vários números são claros, mas deixo aqui apenas a diferença das horas de trabalho médio anual de um alemão, 1390 horas, e um trabalhador português, 1719 horas.
Numa coisa, pensando bem, tem a "frau" Merkel razão. Na verdade, um trabalhador português passa cerca de 1390 horas (como os alemães) a trabalhar para ganhar a sua vida, com a dificuldade que se conhece. As restantes mais de trezentas, até perfazer as 1719, passam-nas a trabalhar diretamente para os alemães e para os seus bancos.
E temos, desgraçadamente, governantes que gostam disso! Governantes que tudo fizeram para que assim seja, que tudo farão para que assim continue!

9 comentários:

Anónimo disse...

Samuel, respeitnho pela senhora e a sua língua. Deverias ter escrito "Frau", que em alemão todos os substantivos são com maiúscula. Mesmo que o não mereçam.
Um abraço.
Daniel

Luís Coelho disse...

Não simpatizo com esta dama do leste.

Haverá de beber o veneno que criou para a Europa.....

Graciete Rietsch disse...

E assim continuaremos enquanto o Povo não abrir os olhos.

Um beijo.

Antuã disse...

O Mundo está infestado de nazis.

Luis Filipe Gomes disse...

É um prazer poder ler o que escreves. É uma riqueza poder usufruir da tua clareza e poder receber a tua claridade. Este texto é um exemplo disso.
Bem hajas sempre!

Eduardo Miguel Pereira disse...

E a Angela Merkel está no poder na Alemanha precisamente porque a maíorias dos Alemães está de acordo com ela, vota nela, e pensa como ela.

Ando danadinho para me aparecer, como acontece tanta vez, um turista alemão a perguntar-me o caminho para um lado qualquer.

Nem o dicionário de bolso lhe vai valer ! que aquilo não tem lá a tradução vernácula do que lhe vou dizer em bom Português, porque para esses filhos da puta dos Alemães acabou a mama de falar Inglês com eles.

Venham de lá esses "soldadinhos de chumbo das SS" que eles vão ver o que é um Alentejano avariado dos cornos e cheio de vontade de os comer à dentada.

Pedro disse...

Parece que vai receber a medalha da liberdade dada pelo Obama... De facto estão bem uns para os outros!

Fernando Samuel disse...

Na «mouche»!

Um abraço.

Anónimo disse...

O que será que está a tramar esta gente? Quais pepinos, cais quê!!!...
Saudações
Vicky