domingo, 13 de fevereiro de 2011

Pedro Caldeira Cabral – Memórias...


O Pedro Caldeira Cabral é o único executante de guitarra portuguesa que, sem fazer por isso, me lembra o Carlos Paredes. Não porque o copie, ou tente sequer imitar, mas porque há qualquer coisa que lhe ficou nas mãos e no peito, que o faz tocar assim. Qualquer coisa que vem do tempo em que partilhámos camarins com o Paredes... e eu bem via como os olhos lhe brilhavam, a cada um dos seus constantes e distraídos improvisos (o Paredes nunca largava a guitarra). Eu bem via como ele - tal como eu - ia guardando para mais tarde cada som, cada estória... aquelas estórias do Paredes, que ora eram puro divertimento, ou uma lição de humanidade e cultura... ou tudo junto.
O Pedro Caldeira Cabral, homem da música antiga e divulgador da guitarra portuguesa que vai para além do fado... é um grande músico e compositor. Um daqueles músicos tocados por um génio que não se compra e uma serenidade que não tem preço.
Vou partir do princípio de que já me entenderam: gosto muito do Pedro Caldeira Cabral!


E há muito mais pessoas que gostam. Logo, não perderão nada em visitar o novo sítio de internet dedicado à sua figura e carreira. 
(E do outro que está com ele na fotografia, o grande amigo Fernando Alvim, que fez milhares de quilómetros e palcos acompanhando o Carlos Paredes com a sua viola, talento, bom humor e um poder de encaixe interminável... também gosto. Muito!) 
Bom domingo!
“Balada da Oliveira” – Pedro Caldeira Cabral
(Pedro Caldeira Cabral)


9 comentários:

cduxa disse...

Excelente escolha para este domingo chuvoso. Perfeito.

trepadeira disse...

Como bem lavar o espírito não santo.

Lembrou-me um amigo que não vejo há algum tempo,também aluno de Paredes,Francisco Martins a quem chamamos,desde miúdo,carinhosamente,Chico Gordo.

Um boémio,excelente executante.
Foi andando pela Terra Quente deliciando os amigos.

Um abraço,
mário

svasconcelos disse...

Também gostei, muito!
bjs,

Maria disse...

Por acaso também gosto. Desde os tempos em que tocava nas casas de fado na Lisboa noctívaga. E também gosto do grupo 'la batalla' (ou bataglia?) que criou.

Bom domingo por aí.
Abreijos.

José Augusto disse...

Um génio, também teve que aprender e ter os seus mestres, mas nunca tem necessidade de copiar ou imitar, por isso ele é um génio e diferente dos outros.

Muito obrigado pela sua iniciativa e pelo prazer de um excelente momento de música que nos deu.


Os meus cumprimentos
José Augusto

GR disse...

Neste domingo triste ler um texto tão lindo, até nos dá ânimo.

Bjs,

GR

Graciete Rietsch disse...

Música encanta.

Um beijo.

Fernando Samuel disse...

Ouvi com um dia de atraso - mas gostei tanto como se tivesse ouvido ontem...

Um abraço.

Anónimo disse...

Bom dia, peço-lhe que, uma vez que admira e preza este artista, se possivel junte ao seu artigo uma menção áo novo site dele que acabei de construir, e o divulge entre amigos, para que va ganhando na google e na net a visibilidade que merece:
www.pedrocaldeiracabral.net

obrigado,

Simão