terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

José Mourinho – Mais um “bispo” para muitos peões *


Se há coisa que me tira do sério é ver trabalhadores, assalariados, explorados, juntarem-se aos milhares em grandes auditórios e pavilhões, para escutar discursos dos patrões... e aplaudi-los como se estes fossem estrelas do espetáculo. É uma imagem patética: “vamos aumentar os lucros em “n” milhões” (aplausos) “vamos abrir mais um call-center a pagar 500 euros a licenciados” (mais aplausos) “comprei um quadro para o meu gabinete, por um milhão de euros” (ainda mais aplausos) “montei um apartamento no Parque das Nações à minha amante” (aplausos frenéticos).
Deve haver uma qualquer mensagem subliminar nos discursos dos patrões, que nós não conseguimos descodificar, mas que os faz aplaudir tudo. Mesmo que as frases do patrão já viessem “traduzidas”, tipo: “O nosso gabinete de Planeamento Fiscal conseguiu desviar para um offshore, 50 milhões de euros que teríamos que pagar de impostos, impostos esses que iriam servir para para financiar os serviços de segurança pública, transportes, estudos dos vossos filhos, cuidados de saúde para vós e para os vossos pais e avós... mais as suas pensões, etc.,”... mesmo assim, o aplauso seria frenético. Tudo pela empresa! Nada contra a empresa!
Ainda há poucos anos, estas manifestações de seitas seguidoras da “Teologia de Mercado”, estavam confinadas aos EUA... mas, desgraçadamente, já vão tendo congregações espalhadas por todo o mundo.
E assim chegamos à reunião de alguns milhares de “fieis” do Millennium BCP, que teve lugar no Pavilhão Atlântico. Aí, perante os entusiásticos aplausos dos “colaboradores” do maior banco privado português, o “sumo sacerdote” da seita anunciou a contratação milionária, pelo banco, do treinador de futebol José Mourinho... não desvendando quantos milhões estão envolvidos nessa contratação. Mourinho, como já se pode ver por aí, é a nova “cara” do Millennium BCP. Diz o “sumo sacerdote” e diz o próprio José Mourinho, que se trata de apoiar e, sobretudo, motivar a “equipa”.
Depois de anunciar a milionária aquisição, o “sumo sacerdote” informou os milhares de “fieis” do facto de não irem receber os seu esperados bónus pelos resultados do ano passado... apesar dos fabulosos lucros do banco.
Espero que todos os cerca de sete mil papalvos se tenham sentido suficientemente apoiados e, sobretudo, muito motivados!
* Post dedicado aos muitos milhares de trabalhadores bancários que não vão para lado nenhum aplaudir os patrões.

12 comentários:

Fernando Samuel disse...

Excelente post!

Um abraço.

svasconcelos disse...

A lata destes sacerdotes de mercado: ao mesmo tempo que ostentam contratações milionárias e apelam à motivação aos seus funcionários sacrificam-nos com cortes nos bónus ( e sabe-se lá que outros cortes...). Intriga-me é como é que ainda há tantos seguidores ou resignados a esta "teologia de mercado".

bjs,

Eduardo Miguel Pereira disse...

Agradeço o texto que está no final do post a seguir ao *.
Eu sou um deles !

E já agora, parabéns pelo excelente post.

José Rodrigues disse...

Antes das eleições:Cavaco felicita Mourinho por ser o melhor treinador do mundo de 2010.Agora Cavaco diz:benvindo ao clube dos ambiciosos,vaticanistas e outros "vigários"...

Boa Malha

lino disse...

Mais de 80% estão lá obrigados e se não baterem palmas estão feitos ao bife (sem carne).
Abraço

Graciete Rietsch disse...

É de difícil de compreender e de aceitar como o Mourinho se tornou um ídolo para uma multidão à beira do colapso.E as palmas aos exploradores também não de compreedem!!!!
A luta tem de continuar!!!!!|

Um beijo.

relogio.de.corda disse...

Mourinho está sempre do lado de quem paga mais. E os bancos estão sempre ao lado que quem ganha mais.Enfim... Que porca miséria a nossa!!

O Puma disse...

São rosas senhor

Antuã disse...

As mafias entendem-se.

Anónimo disse...

"Apoiados" e motivados pelo Eng. João Proença e a sua UGT.

José Terra

ARISTIDES DUARTE disse...

"Colaboradores" é do que esses agiotas gostam.
Se esses "colaboradores" deixassem tanto de colaborar, é que era...Mas como é tão moderno ser "colaborador", lá alinham nestas palhaçadas.

Anónimo disse...

Samuel
É tudo gente, católicamente falando, muito séria, a começar pelo maestro alemão de Roma.
Vitor sarilhos