quinta-feira, 11 de setembro de 2008

11 de Setembro



Mais uma vez chego ao dia 11 de Setembro com dois trágicos acontecimentos para lembrar. O ataque às torres do WTC, em New York, em 2001 e o golpe militar de Augusto Pinochet, no Chile democrático de Salvador Allende, em 1973.
Embora lamente profundamente todas a vítimas do ataque terrorista às torres americanas, não consigo esquecer a negra ironia que é o facto de todos os que ali trabalhavam, estarem mais, ou menos conscientemente, a trabalhar no coração do sistema económico e político dos EUA, convém não esquecer que uma das três torres, a Torre 7, estava ocupada quase na totalidade, pela CIA (a destruição desta terceira torre está ainda muitíssimo mal explicada), sistema esse que foi o mandante objectivo do massacre de Santiago do Chile, 28 anos antes.
Claro que isso não justifica a morte das centenas de pessoas, a maior parte, inocentes, que trabalhavam no WTC. Certo de que o 11 de Setembro de New York terá a atenção, praticamente em exclusivo, da quase totalidade dos jornais, revistas, televisões e blogues do mundo, desculpar-me-ão o facto de os milhares de vítimas chilenas estarem mais perto do meu coração. Como disse o poeta,

“Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que tombaram pelo Chile
morrendo de corpo inteiro”
(José Carlos Ary dos Santos)

Ficará para sempre na nossa memória, a imagem de um povo que colectivamente tentava construir o seu futuro, viver e disfrutar em paz da sua liberdade e democracia, esmagado pela paranóia anticomunista de uns Estados Unidos da América sem escrúpulos nem vergonha, que armaram e incentivaram a fúria fascista de Pinochet e da sua junta militar.
Ficarão para sempre na minha memoria as figuras heróicas de Salvador Allende e (perdoem-me o destaque) do meu companheiro de cantigas e camarada, Victor Jara.

Mais uma vez assinalo esta data com a espantosa canção do “cantigueiro” Pablo Milanés, “Yo pisaré las calles nuevamente”.
Amigos, como gostaria de ter escrito esta canção... mas o que eu daria para que nunca tivesse sido necessário escrevê-la!

“Yo pisaré las calles nuevamente” – P. Milanés
(Pablo Milanés)



22 comentários:

salvoconduto disse...

E o povo chileno continua à espera. Também eu recordo hoje, no meu blogue aquela data. Pelo menos já somos dois que a não esquecemos.

Seremos poucos, mas a data, de alguma forma não ficará esquecida.

As consequências do golpe sentem-as o povo chileno todos os dias.

o escriba disse...

Samuel

Como diria a minha avó, quem com ferros mata...
É bom recordar esses dois acontecimentos de um dia 11 de Setembro, e reflectir sobre a ironia neles contida. É bom ter sempre presente o afã paranóico dos americanos na defesa da liberdade e do mal que fazem em nome dela.
Olhe, também foi muito bom ouvir o Pablo Milanés.

Um abraço
Esperança

Hertz disse...

Viva Chile!
Viva Allende!!!

G. Caín disse...

Lamento a brutal morte dos inocentes de 2001, mas todo império colhe aquilo que semeia: é a lei da superestrutura, que não perdoa os individuos. Quanto a autoria do golpe no Chile todos nós conhecemos, o Tio Sam. Mas, e o autor do atentado ao WTC, vocês conhecem? Alguém aí já viu, apertou a mão ou comprou alguma coisa do Osama. Aliás, esse cara, o Osama, líder da mais poderosa organização "terrorista" do mundo, acho que não existe. Se os Estados Unidos tem arsenal de sobre para destruir o mundo, um escudo espacial contra ataques aéreos que nenhum outro país possui, e, centenas de satélites vigiando cada passo de um ser humano na Terra, por que será que o Tio Sam jamais prendeu o Osama? Talvez porque ele não exista. Talvez porque o atentado foi um golpe do Bush, o homem que a história jamais absolverá!
Amigo Samuel, peço autorização para postar amanhã (11 aqui no Brasil) artigo correlato. Muito bem lembrado!

samuel disse...

Caro G.Caín

E era necessário pedir?! :)

Grande abraço

Anónimo disse...

Caro Samuel:
Obrigado por mais este magnífico post.
É bom não esquecer.

abraço
rui silva

Lúcia disse...

Incontornável, hoje, assinalar esta data. De luto. A minha voz junta-se à tua e à de muitos.
Abraço fraterno

Ana Camarra disse...

Já escrevi no salvocondurto mas não é demais escrever:
Salvador Allende foi eleito democráticamente.
Salvador Allende foi assassinado num golpe de estado apoioado de todas as formas pelas EUA e com o silêncio da Comunidade Internacional. Quem cala consente!
Milhares de Chilenos e estrangeiros, morreram, desapareceram e foram torturados.
Pinochet morreu de velho.

abreijo

Anónimo disse...

é preciso não esquecer!

témi
vovó Maria

Justine disse...

A canção do Pablo Milanés é bela e comovente,as recordações vivas destes dois crimes contra a humanidade tão chocantes levam-nos sempre à perplexidade do deslimite da insanidade humana

Fernando Samuel disse...

Texto magnífico, a relembrar o que deve ser relembrado.

(um dia destes, veremos confirmada a verdade já pressentida: os responsáveis pelos mortos do Chile e das Torres são os mesmos)

Abraço grande.

amigona avó e a neta princesa disse...

Hoje saio daqui sem jeito!Obrigada Samuel...Beijos para vóvó...
Abreijos,

Hilário disse...

Camarada Samuel,
Belo Post!
É bom não esquecer o que se passou no Chile.

Um Abraço

O Espírito do Tai Chi disse...

Caro Samuel,

Já há alguns anos também publiquei num "Boletim" um artigo com os dois "11 de Setembro".
Que bom que a memória não se perca!...

António Serra

BlueVelvet disse...

Por estas 2 datas, hoje deveria ser um dia de luto mundial.
Em qualquer deles está patente a que ponto a maldade e a insanidade dos homens pode chegar.
Para recordar sempre.
Abreijinhos

Antuã disse...

o Fernando Samuel antecipou-se. os autores dos dois 11 de Setembro são os mesmos.

duarte disse...

11 de setembro... lembra-me, que amanhã faço anos, e devo passar do luto(ou luta) para a festa em 24h!
quanto a allende, não temos dúvidas,foi mesmo "substituido" por mais um "fantoche de kissinger",em releção ao wtc,pentágono e aquele que deveria ir para casa branca tenho dúvidas... é necessário lembrar que os políticos necessitam sempre de uma boa justificação para iniciar uma guerra! aqui há dias recebi um mail com umas imagems e comentários sobre o ataque ao pentágono,e,acredita camarada até o mais ceptico fica com razoaveis dúvidas!
duarte o anti-exon

Aristides disse...

Esse é que era um governo socialista, mas esses não duram muito. Os EUA não deixam. Eu lembro-me sempre, antes de tudo, desse trágico 11 de Setembro. Para quando o julgamento do Kissinger? Não foi o único mas, enfim, sempre era um começo.
Grande abraço, Samuel

Pata Negra disse...

Dir-se-ia até que um 11 foi feito para esquecer o outro. Obrigado, pela lembrança porque até eu já estava a ir na onda.
Um abraço de homenagem a todos os que morreram num e noutro 11.

GR disse...

Como diz o Sérgio Ribeiro: “Toda a solidariedade para com as vítimas do terrorismo”
Apesar de terem sido os mesmos, o 11 de Setembro de NY, nada tem haver com 11 de Setembro do Chile. Outras vítimas, muitas torturas, muitos órfãos, outras tantas viúvas /vos, quase assassinaram o futuro, mas o sonho não morreu!
Talvez um dia…talvez Victor Jara volte a cantar e Allender acene da varanda, dando vivas à Democracia.
Viva Chile!

Um post muito bem feito, comovente.

GR

Lua dos Açores disse...

Querido Samuel, sempre tão bom ler-te. Que me perdoem as vítimas de 11 de Setembro de 2001, lamento-as porque, certamente, inocentes. Mas no meu coração, choro e clamo por justiça pelos "Não sei quantos mil" Nas mãos decepadas, na voz que tentaram calar, no sangue de Victor Jara a certeza da vitória final. Avante!

Maria disse...

Pois cá estamos...
Ouvir este Pablo é sempre um enorme arrepio...

Abreijos