quinta-feira, 6 de outubro de 2011

5 de Outubro - Ainda as cerimónias... um pequeno resumo




Mário Soares achou o discurso de Cavaco o mais republicano. Por uma vez, estou de acordo com Soares; também me pareceu que nada daquilo era “real”.
Quanto ao resto e muito resumidamente, como prometi, Cavaco abriu a boca (miraculosamente livre de bolos), acertou "acidentalmente" no apelo à produção (que ele próprio ajudou a destruir), para logo de seguida faltar ao respeito aos trabalhadores portugueses, culpando-os pela crise, com a cassete das “ilusões” e do andarmos a “viver acima das nossas possibilidades”... deixando-se a si próprio do lado de fora da culpa e esquecendo os milhares de milhões de euros roubados pelos seus mais diretos colaboradores e amigos ao longo dos últimos trinta anos... e que ainda hoje vivem à tripa forra.
Depois, Sua Excelência bebeu mais um gole do seu “sumol” de feno, zurrou com extrema elegância... e foi para dentro.

11 comentários:

Rogério Pereira disse...

Cuidado, não me parece ter sido um "acerto acidental". Não seria a primeira vez que um discurso que se apropria das medidas adequadas se faz em nome da incapacidade é rebater a sua justiça e adequação. Só que, iremos ver, que o tal apelo à produção será secundado por um outro de apelo ao investimento de capital estrangeiro porque... em Portugal não há dinheiro. Esse apelo será estendido a igual chamada para a venda do património produtivo e privatizações. Não há coincidências. O que lhe está na mente sendo parecido é bem diferente. Portugal está à venda.

Antuã disse...

A comunicação social teima em ouvir animais que zurram.

Eduardo Miguel Pereira disse...

Ontem de manhã tomei um belo banhinho na "minha" praia da Fonte da Telha. Ao almoço, a minha querida esposa preparou uma massinha de peixe (uns belos rascassos que vieram de Milfontes) e bebi um branquinho de Reguengos, bem fresquinho.
Como sobremesa, um belo arrozinho (Cigala) doce.

Foi tudo produto nacional, Sr. Presidente, apostei na qualidade dos nossos produtos nacionais(tirando ontem, é quase sempre assim !) e como tal o Sr. deve ter ficado satisfeito comigo.

Mas, pensando bem, isto dum gajo ir à praia e comer uma refeição condigna, é coisa capaz de o irritar e de achar qua ando a viver acima das possibilidades, não ?

É melhor nem lhe contar que depois deste belo almocinho, me estiraçei ao comprido na caminha e dormi uma valente sesta que durou até às 5 da tarde. Coisas de Alentejano. É capaz do Sr. Presidente achar que não produzi o suficiente, certo ?

Sabe Sr. Presidente, deixe-me que lhe diga uma coisinha acerca do seu discurso de ontem :

- Vá-se foder !

José Rodrigues disse...

Será que o "Manholas" vai vetar as leis dos despedimentos sem justa causa? Mas o facto é que o homem não presta mesmo para nada...

Abraço

Carolina disse...

Só mesmo "O Cantigueiro" para por-me a rir hoje.
Adoro o seu senso de humor. Óptimo post como de costume.
Obrigada.

Anónimo disse...

Sim senhor, haja alguém a chamar os bois pelos nomes!

Luis Filipe Gomes disse...

Não ouvi o discurso. Mas ouvi o outro senhor que dizendo ser republicano é bem real.
O teu incisivo resumo esclareceu-me
completamente.
Abraço.

trepadeira disse...

Do último parágrafo não vou esquecer-me,vou andar por aí a rir sózinho.
Um encanto.
Abraço,
mário

lino disse...

O último parágrafo é antológico!
Abraço

Fernando Samuel disse...

Olha,também esbarrei na besta...
Coincidências...

Um abraço.

GR disse...

Bestas? só ouvi uma, o PR, safei-me de ouvir o traidor.


Num discurso a roçar o salazarista, irritou-me ouvir várias frases: "temos de viver com uma austeridade digna” ou seja; “pobrezinhos mas honrados”

Talvez por isso o traidor diga muito bem do PR e de toda a corja, passando pela CML que desde 1991 vai tendo apoio financeiro e este ano receberá para a sua Fundação 64 mil €. Tudo isto para “Uma República mais livre, mais autêntica e mais justa.”
Só ao bofetão!

BJS

GR