quinta-feira, 1 de setembro de 2011

João de Deus Pinheiro – O aceitante


O bon vivant João de Deus Pinheiro, bem poderia limitar-se a achar as bolas de golfe que atira para a água, ou para o meio das árvores... mas não. Também acha outras coisas e, infelizmente, partilha os seus achados. Recentemente fez dois:
1. Acha que deve ser aumentada a idade da reforma e que as pensões devem ser «menos generosas».
2. Decidiu que não se deve dar muito crédito a «algumas coisas que se dizem sobre a degradação ambiental» e, na passada, defendeu a construção de centrais nucleares em Portugal, sob o pretexto de que é mais barata... os riscos são «perfeitamente aceitáveis».
Atendendo aos exemplos que nos são dados pelo recente desastre no Japão e pela longa lista de anteriores desastres, noutros países, com os mortíferos resultados que se conhecem; atendendo ao facto de mesmo os mais antigos acidentes em centrais nucleares continuarem a fazer vítimas entre os sobreviventes; atendendo ao facto de ainda ninguém saber o que fazer aos resíduos tóxicos que as ditas centrais produzem... a não ser depositá-los em países do terceiro mundo... não me parece que “aceitável” seja o melhor termo para classificar o risco nuclear.
Já muito "aceitável", extremamente aceitável, diria mesmo, é o volume de dinheiro, presentes vários e demais "argumentos", com que os investidores e “lobistas” da energia nuclear enchem os bolsos e as contas bancárias de figuras públicas e políticos da estirpe de João de Deus Pinheiro, para que andem por aí vomitando elogios à energia nuclear e ao carácter «perfeitamente aceitável» dos seus riscos.

6 comentários:

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Não se lembram do seu magistério enquanto Ministro dos Negócios Estrangeiros Português?. Quem se lembra não se espantará com mais estas "dicas" de um militante do P.S.D.. Quem não se lembra, digamos que este Senhor, que passa mais tempo em lazer e gestão da sua fortuna pessoal e familiar, é mais uma "pessoa acertada" para falar da actual crise sócio-económica dos Portugueses, que consecutivamente mais são, com os ditâmes do trio de ataque estrangeiro.

Isabel Cardoso disse...

Tenho para mim que, no futuro, quando os historiadores estudarem este período vão ficar espantados com os imbecis que nos governaram. Interrogar-se-ão como é que sendo teoricamente uma democracia, deixamos gente sem inteligência, sem competência nem cultura,sem moral e sem escrúpulos, ocupar lugares fundamentais e tomar decisões com consequências tão sérias... esta criatura, o Pinho, o Aníbal, o Carreira, o Jardim...tantos e tantos vão fazê-los rebolar a rir...enfim, no futuro.

carol disse...

Que se pode esperar de um fulano do PSD? Desde que não lhe calhe a ele, os outros que se tramem! É a atitude dos fulanos de direita.

Anónimo disse...

chernobyl

Medronheiro disse...

Queime-se o pinheiro.

Fernando Samuel disse...

Valha-te Deus, Pinheiro!...

Um abraço.