sexta-feira, 16 de setembro de 2011

E que tal irem roubar para a estrada?!




A ir para a frente e a generalizar-se esta prática surreal de continuar a cobrar taxas moderadoras por “consultas não presenciais”, ou seja, conversas e reuniões, entre médicos, sobre um caso clínico de um qualquer doente, depois de já se ter cobrado a “taxa” quando esse doente teve realmente uma consulta... a coisa é uma verdadeira mina.
Ainda bem que o marido da minha médica de família é arquitecto na Câmara Municipal! Imaginem que, em vez de arquitecto era ele o meu cardiologista... e que lhes dava para falarem do meu estado de saúde ao pequeno almoço, no hospital, durante o almoço, novamente no hospital, ao jantar e ao deitar. Estão a ver a conta que me apareceria todos os meses para pagar por “consultas não presenciais”?
Muito provavelmente (espero!), esta ideia “genial” dos gestores do Hospital Garcia de Horta, não irá passar de uma espécie de pré-guião de uma fantástica anedota... e acabará por prevalecer o bom-senso.

13 comentários:

João Filipe Rodrigues disse...

Só faltava mais este descaramento...

Maria disse...

Quando ouvi a notícia pensei 'o Cantigueiro vai escrever sobre isto'.
Não me enganei...

:)))))
Abreijos.

salvoconduto disse...

Eh pá tem lá calma, não os mandes roubar para a estrada, é que na estrada ando eu e estou farto de ser roubado, só me faltavam esses agora.

do Zambujal disse...

Realmente!
A invenção ao poleiro da esmifração!
Ora aqui um verbo adequado para a roubalheira: esmifrar.

Um abraço forte

Olinda disse...

Mas já se cobra taxa por consulta nao presencial.Pago sempre que vou pedir medicamentos e nao vejo a médica,nem ela se preocupa muito.E os médicos cubanos é que nao teem preparaçao ...

Rogério Pereira disse...

Se aumenta a receita
a ideia é genial...
(ter exclamado alguém, com ar ministerial)

Anónimo disse...

Existe gente que é gente ou são meros ladrãoes? Chame-se os bichos pelos nomes. Onde se vai chegar perante isto tudo? Levantem-se portugueses!
Saudações
Vicky

Eduardo Miguel Pereira disse...

Está bonito está !
Mas se a coisa alastra sou capaz de me safar.
Como informático que sou, são muitas as vezes que dou por mim a "programar" mentalmente no duche, ou enquanto conduzo, ou durante as minhas corridinhas de final de dia.
Será que assim posso vir a pedir pagamento por horas extras ao meu patrão ?

trepadeira disse...

Bom senso?O que é isso?
Ainda nenhum laboratório fabrica.
Para a estrada?eu mandava-os para um bocadito mais longe.

Um abraço,
mário

Luis Filipe Gomes disse...

E que tal os pacientes doentes e acompanhantes começarem a cobrar propinas pelo muito que ensinam aos senhores doutores médicos?
Ensinam nos seus múltiplos papeis de observadores relatores, cobaias, números estatísticos, excepção à regra, bonecos de teste prático etc. etc.
E quando os senhores doutores matam por incúria, por desleixo, preguiça e simples ignorância? Como fazê-los pagar?
Basta lembrar a história da luta que o Dr. Ignaz Semmelweis teve para que os seus colegas lavassem as mãos e assim deixassem de levar a contaminação e a morte às parturientes e aos seus filhos.
Os colegas do Dr. Ignaz Semmelweis à semelhança destes seus modernos especímenes do Hospital Garcia de Orta (coitado do Garcia de Orta com que coisas anda o seu nome misturado) estariam mais preocupados com o dinheiro do que em cuidar dos outros.
A política de educação destes últimos 36 anos está a dar os seus frutos além de não haver médicos suficientes muitos dos que existem escolheram a profissão pelo prestígio social e pelo dinheiro que ela proporciona muito poucos a escolheram por qualquer interesse fraterno de ajuda ao próximo.

Graciete Rietsch disse...

Sei lá!!!!!!
Bom senso é coisa que não se encontra muito nesses senhores!!!!!

Um beijo.

Antuã disse...

Os vampiros estão sempre sedentos de sangue.

Fernando Samuel disse...

Estás muito optimista...

Um abraço.