sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

EUA – Um regime apodrecido


Esta notícia sobre a influência e poderio da NRA, uma organização de contornos fascistas, toda-poderosa nos EUA, que defende a total liberalização e generalização do porte de arma (sobretudo, o negócio que isso gera), deve fazer-nos pensar.
Por vezes diz-se, descuidadamente, que o regime no poder nos EUA é capaz do melhor e do pior. Pelo “melhor” entende-se, normalmente, a grande arte que, em todos os géneros, alguns cidadãos norte-americanos são capazes de produzir.
Nada mais duvidoso! Na sua esmagadora maioria, esses criadores e artistas, ou vivem separados da realidade política do seu país, nomeadamente quanto ao uso privado das armas, ou, os mais consequentes, como se pode ver neste vídeo, são abertamente contra.
A triste realidade da vasta mole de gente que povoa aquele conjunto de Estados é outra e retrata aquilo que, na verdade, aquele regime pode fazer a milhões de pessoas.
Que raio de regime pode convencer milhões de cidadãos de que é normal não existir um serviço público de saúde?
Que raio de regime pode convencer milhões de cidadãos de que é normal o egoísmo fanático, a arrogância ignorante, a ignorância militante erguida como um troféu?
Que raio de regime produz uma sociedade em que muitos acreditam que a solução para o problema da criminalidade com recurso a armas de fogo... é correr a comprar mais armas de fogo? Que a solução para a violência é a escalada da violência? Que "política externa" é a predisposição para a agressão a outros países?
Que raio de regime produz mentecaptos capazes de achar que a solução para tragédias como a do massacre na escola de Newton passa por permitir que toda a gente, jovens incluídos, possam andar armados, principalmente os professores nas salas de aula?
Por mais que a imagem “fantástica” de alguns dos meus saudosos professores e professoras, sentados nas suas secretárias empunhando “canhambulos”, me arranque um sorriso... a noção de que este regime em vigor nos EUA é o principal “formatador” do pensamento único mundial... é arrepiante!
Felizmente, mesmo nestes campos minados podem germinar as sementes de uma outra sociedade... e gente que anseie e lute por ela!

5 comentários:

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Falar com substância e exemplo do regime dos E. U. A., nunca para mim foi um exemplo.

Maria João Brito de Sousa disse...

Passei, arrepiada, pelo "arbeit macht frei"... sei, desde pequena, que encimava as portas de um campo de concentração alemão, durante a segunda guerra mundial... ou de todos eles...
Quanto ao "sonho americano"... nem sei o que diga! Não é nada fácil imaginar professores a ensinar de arma na mão...

Graciete Rietsch disse...

Ultimamente tenho reparado que se tem imitado muito os E.U.( até no dia das bruxas). Mas o uso exagerado das armas é de facto arrepiante. Eu acredito, no entanto, até através dos poucos filmes americanos, bons, que vejo,que também lá existe quem lute por outra sociedade e não aceite a brutalidade daquele sistema.

Um beijo.

Olinda disse...

A histôria dos EEUU ê ,toda ela ,assente,numa base de violencia,e mentiras Os jovens nunca tiveram referencias de exemplos que nao fossem agressores de variadas espêcies.Ê uma histôria de saque e de pilhagem,desde a colonizacaoo ,dizimando o povo indîgena.Sempre com as armas de apoio para as facanhas.Mudar tantos anos,de histôria,ê dificil.

Um abraco

Provoca-me disse...

Mentes nazis, e várias práticas nazis, e políticas que vão oscilando consoante aquilo que se quer mostrar, e que posição se quer manter.