sábado, 22 de dezembro de 2012

Portugal nas mão de bandidos


Tinha que dar nisto! Quando se coloca um país nas mão de bandidos, ele acaba vendido, espoliado, com milhões de cidadãos roubados para encher os bolsos aos membros do bando.
Em casos extremos, como o nosso, em que os bandidos padecem de um fanatismo patológico, o país pode mesmo acabar desfigurado geográfica e historicamente, com milhares e milhares de portugueses a ter que pensar duas vezes antes de dizerem onde nasceram, não vá a sua freguesia de nascimento ter sido extinta pela paranoia demagógica e mentirosa destes bandalhos... isso para além das dificuldades acrescidas para a vida de populações inteiras, desviadas das suas tradições, rotinas de vida, serviços públicos, etc., etc., etc.
Não, não vivemos uma época edificante! Como se não bastasse, vem, mais uma vez, o que faz de primeiro-ministro da quadrilha... tentar colocar o peso da culpa sobre os ombros dos portugueses.
Desta vez, o canalha espera que 2013 «seja um ano em que as pessoas vençam o pessimismo e não acrescentem dificuldades àquelas que já temos», insinuando que somos nós quem origina a crise e as dificuldades por que estamos a passar. Insinuando que o estado miserável da sua governação não passa, afinal, de um “estado de espírito”, de que é o povo, “piegas e pessimista”, o único culpado.
Não satisfeito com isso, acrescenta ainda o canalha que «às vezes parece que há quem queira mais pessimismo e mais dificuldades»... a velha e fascista calúnia contra todos os que se opõe à política oficial e cometem o “crime” de anunciar, com antecedência, os seus resultados nocivos.
Pessoalmente, não quero nem mais “pessimismo” nem mais “dificuldades”. Provavelmente, nem sempre sei sequer aquilo que quero… excepto quanto ao futuro deste miserável que dá pelo nome de Pedro Passos Coelho e da sua abjecta quadrilha. Isso sei muito bem!!!

4 comentários:

Campista selvagem disse...

Creio que foi demasiado brando, esta quadrilha já não se sente com palavras doces, esta seita relegiosa,"sim porque isto é uma crença duentia" está decidida a acabar com esta suciédade custe o que custar...

Graciete Rietsch disse...

Eu também sei muito bem o que quero
relativamente a esse bando que nos desgoverna e a todos os que lhe abriram o caminho desde há mais de 36 anos e que, hoje, se apresentam como santinhos e salvadores.

Um beijo.

Antuã disse...


Têm uma grande lata.

Afonso Dias disse...

A Banditagem age sob a capa da muita ignorância que anda por aí,impune reina,isto vai acabar mal,infelizmente quem se vai lixar vão ser os de sempre.Se ainda o pessoal visse uns quantos pendurados nos candeeiros da avenida.A coisa amenizava.