sábado, 13 de dezembro de 2008

Visto aqui do "piolho"...



Vê-se o Ministro Amado colocar-se de patinhas no ar e língua de fora para “ajudar os amigos americanos” a resolver a questão dos prisioneiros de Guantánamo (pelos vistos, não há onde os receber nos EUA)...

Vê-se o rumo que leva a arrogância da Ministra da Educação, já a sonhar mais com o mal que pode fazer aos professores do que em qualquer solução para a crise...

Vê-se aquilo que poderá ser a tentativa de abafar vários problemas, criando a manobra de diversão de abrir uma nova frente de guerra, agora com a classe médica...

Vê-se o Primeiro Ministro, declarando que o lado bom de uma recessão é que algumas pessoas ficam com "melhor qualidade de vida", já que devido ao abrandamento de uma hipotética prestação da casa ou carro, ou baixa do preço da gasolina, lhes sobrará uma notita de 50€ ao fim do mês (enquanto tiverem emprego)...

...e mesmo apenas com estes poucos exemplos, não pode deixar-se de pensar que se esta política deste Governo fosse à cena num teatro, seria uma grande comédia, mas, como vai à cena no país, é uma tragédia!

Assim se vê que o que parece, por vezes, uma pequena diferença, pode na realidade mudar tudo!

10 comentários:

Sal disse...

Certíssimo.
E por falar em mudança...
Quando é que o povo vota CDU para mudar a sério? É que já estou pelos cabelos com as manobras de direita do PS.
beijinhos para ti e para a vovó Maria
bom fds

Maria disse...

Pois pode!
Quando o povo quiser!
Já agora, ele não disse qual era o lado "mau" da recessão?

Abreijos

GR disse...

Excelente análise.

Os prisioneiros de Guantánamo vão para Custóias ou Pinheiro da Cruz?
Raio de ideia, então é assim que se dá a Liberdade?

Quanto ao resto, o que ainda sobra deste país, nada é definitivo.
Haja vontade e tudo pode mudar!

GR

salvoconduto disse...

Piolho só conheço um. O café Piolho aqui do Porto onde a "malta" se reunia antes do 25 de Abril. Tenho que lá ir tomar um café e matar saudades.

Abraço.

Fernando Samuel disse...

É: uma pequena diferença pode fazer a (radical) mudança...


Abraço.

duarte disse...

tragi-cómico... a pequena diferença é que eles representam e nós somos!
havemos nós , de continuar a ver estes maus representantes, numa peças saída d'algum mau livro?
quanto tempo nos sobra?
é que nem um intervalo há ,para poder queimar...sei lá...um cigarro!
pois que ardem no palco do pseudo-socialismo que eles construiram!...
que eu ,espectador à força,tenho no meu socialismo , o martelo para erguer um novo palco!...e na foice , o fio condutor da revolta que cresce...
duarte a semear o novo mundo

Anónimo disse...

Isto já se tornou numa triste comédia...
Abraço

BlueVelvet disse...

Pois,
é a tal história: se não fosse trágico, dava para rir.
Abreijinhos

anamar disse...

Tudo porque é NATAL!!!!!
Há que adoçar a pílula...
Abracinho.

Antuã disse...

Esta tragicomédia faz-nos sofrer tanto mas que nos dá vontade de rir é verdade. Temos que encontrar o caminho para dar a volta a esta desgraça.