sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Dia da “restauração”



E assim chegamos ao dia 2 de Dezembro. Ontem foi o Dia da Restauração. Provavelmente, foi o último. O último… comemorado com um dia feriado, entenda-se. O 1º de Dezembro é um dos feriados que este governo tenciona abolir.

Desde que aprendi na escola que então se chamava “primária” o que era o 1º de Dezembro, comecei a fazer trocadilhos e piadas com o “Dia da Restauração” e o sector da dita restauração. Hoje não o farei. A situação dramática em que este governo de ladrões acaba de colocar todo um sector de actividade, com a subida do IVA para 23%, colocando (como bem observou alguém ligado àquela actividade) uma simples sopa ao mesmo nível de taxação de um relógio de ouro e diamantes da Cartier, ou de um qualquer produto da Prada, confesso não saber o que mais depressa irá ser “abolido”; se o feriado, se muitos milhares de postos de trabalho, em muitas e muitas centenas de pequenos restaurantes e cafés que serão forçados a fechar as portas.

Entretanto, como se alguém tivesse encomendado um número de palhaços para assinalar o dia... o senhor Artur Santos Silva, que, ironicamente, foi presidente da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República (curiosamente, o 5 de Outubro parece ser o outro feriado a abolir) resolveu partilhar connosco um dos seus mais profundos pensamentos: «os feriados podem ser assinalados... trabalhando».

Claro que sim, senhor Artur! Também o senhor bem que poderia pensar calado. Porque diabo não o fez?!

10 comentários:

do Zambujal disse...

E este jeito de alguns gajos (estou comedido!) mandarem trabalhar os que trabalham! Percebe-se.
Já lá dizia o Carlos Marques que quanto mais tempo trabalharem os que trabalham para além do que lhes é correspondido para satisfazerem as suas necessidades, mais-valia para os que lhes compram tempo de força de trabalho.
Ora aqui está!
É tão fácil. Farto-me de fazer desenhos!

Um grande abraço

Anónimo disse...

" Nos intervais das corridas de cavais as meninas dos estoris comem carameis".
Agora, "nos intervais das publicidais os canais de tvs exibem programais".
"Nos intervais dos feriadais das grevais, dos outros intrevais, os portuguêses, pouco, trabalhais, mas sempre receberais"

Luís Coelho disse...

Continuo sem perceber nada.
O mais lógico seria manter os feriados e eles os senhores mandantes destas e de outras malfadadas leis deviam propor para eles não haveria ordenado nestes dias.

Todos os governantes e seus lacaios não receberiam o dia feriado de ordenado ou seja ser-lhe -a descontado...

Se não há emprego o que é que lá vão fazer...??

trepadeira disse...

Claro que sim,também podem ser assinalados revoltando-nos para restaurar a independência.

Um abraço,
mário

Graciete Rietsch disse...

Trabalhar onde, como e porquê, Sr. Artur?

Um beijo.

Generosa disse...

É costume...Estes gajos que não fazem ponta de um corno gostam de mandar os outros trabalhar...

Fernando Samuel disse...

E se o senhor Artur trabalhasse também pensava menos...


Um braço.

Antuã disse...

Preciso que o senhor Artur me cave o quintal.

carol disse...

Faz-me lembrar aquele ano em que o Cavaco PM quis acabar com a tolerância de ponto na 3ª feira de Carnaval. Nessa altura estava em comissão de serviço na Coordenação da Área Educativa e tivemos de ir trabalhar: Nós fomos, mas não fizemos NADA! Eu até me mascarei de funcionário público pobretanas e fui nessa (triste) figura para o serviço... Parecem parvos!

carlos Vale disse...

Na Catalunha, o dia 1º de Dezembro é feriado. Motivo: os catalães conseguiram nesse mesmo dia e mesmo ano de 1640 a independência, expulsando os castelhanos numa acção consertada com Portugal.
Carlos Vale