sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Poesia – Ou mais uma forma de explicar uma foice e um martelo


Se a recta é o caminho mais curto entre dois pontos, a curva é o que faz o real ir em busca do infinito.
Oscar Niemeyer – Arquitecto

Curva
A vida, como a terra também é curva.
Por isso é que não podemos ver o futuro.
Miguel Tiago – Geólogo (in “Letras Ígneas”, 2012)

Ambos comunistas, ambos poetas.

9 comentários:

Maria disse...

Delicioso.
E que enorme sorriso me sacaste!

Beijo.

Luis Filipe Gomes disse...

Extraordinários!

Rural disse...

A A1, auto estrada Lisboa-Porto é toda em curvas e contra curvas ligadas umas nas outras.

Excepto a ponte viaduto próximo de Pombal, que é uma linha recta.

Maria João Brito de Sousa disse...

Três imagens. Três grandes imagens, expostas de diferentes formas, mas imagens, sem dúvida.
Gosto muito! :)

Antuã disse...


A poesia vencerá apesar da bestialização levada a cabo pelos partidos da troika.

heretico disse...

com uma "certa" diferença de idade...

... entre outras diferenças. nas curvas da vida!

do Zambujal disse...

Muito bom!

Grande abraço

Graciete Rietsch disse...

Por muitas voltas que se dêem a foice e o martelo estarão sempre presentes, quer na luta, quer na poesia, quer em qualquer outra arte ou atividade que conduza ao futuro que ainda não vemos.

Um beijo.

Olinda disse...

Gostei,sobretudo,da idêia de comparar os dois poetas,sobre o sentido revolucionârio de uma curva.

Um abraco