quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Regresso aos mercados – Uma parábola de colectividade de província


O mais bem falante rapazote “neoliberal” lá da vila, a quem nunca ninguém conhecera um emprego digno desse nome, candidatara-se ao lugar de presidente da “Sociedade Euterpe Arronfilhense”, de Arronfelhas do Vouga, com promessas espampanantes que agradaram à maior parte dos poucos sócios que se deram ao trabalho de ir votar.
«Temos que subir o valor das quotas! Acabaram-se as mordomias e os privilégios no bar: os sócios não têm direito a desconto nenhum! Se querem ter os cachopos a estudar na banda... paguem as aulas, os fardamentos e os instrumentos! Vamos entregar o património da colectividade à iniciativa privada! Vamos refundar a colectividade!»
Como já disse... houve quem gostasse (há gostos pra tudo!) e acreditasse na sua voz de barítono e ar de manequim da loja "O universo da moda", situado na rua principal da vila.
Entretanto, o maior problema da colectividade era o facto de uma grande parte dos sócios já não caber no salão de festas, problema que a nova direcção resolveu, à socapa, mandando exterminar uma quantidade indeterminada de sócios. Uns à míngua de medicamentos, outros em acidentes estrambólicos a caminho dos cada vez mais longínquos hospitais, outros forçados a emigrar em segredo, etc. Fizeram-no (assim como os restantes sacrifícios) protegidos pela cortina de fumo provocada pelos elogios de colectividades estrangeiras e pelo retumbante sucesso de um inesperado “regresso aos mercados” para comprar a crédito uma aparelhagem sonora para os bailes, a nova máquina de café e um computador para o gabinete da direcção.
Os sócios, que finalmente viram a lotação do salão de festas miraculosamente “aumentada”, aumento comprovado pelo facto de já lá caberem "todos", andaram numa felicidade que só visto... até ao dia em que começaram a dar pela falta de alguns conhecidos, amigos, familiares... ... ...

8 comentários:

Anónimo disse...

Mais uma vez, pois está espectacularmente bem escrito e com uma ironia refinada!
Quanto ao conteúdo "aos parvos e tolos dão se bolos" mas, NÓS, não somos desses.
Vicky

Luis Filipe Gomes disse...

E a banda vai agora tocar um Chá-Chá-Chá.

Fenix disse...

A democracia representativa é um embuste, e a falta de clarividência e de qualidade humana de quem vota nesta gente, é gritante. Vejam só que neste país desgraçado estão de novo todos preocupados com o próximo líder da alternância, que se perfila para ser o novo salvador da pátria!!! Já não há paciência!

augusta disse...

Numa só palavra,
BRILHANTE!

Maria João Brito de Sousa disse...

Bela parábola!

Provoca-me disse...

Isso é parecido com a realidade... ah, perdão é só ilusão...

Antuã disse...


A nossa terrinha rectangular está dominada por monstros nazis.

Olinda disse...

E os sôcios,quando repararam nos ausentes,que fizeram?Encolheram os ombros,porque nao era nada com eles ,comecaram a questionar o porquë dos desaparecimentos ou revoltaram-se?

Um abraco