quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Papa Bento XVI – Uma vida de excruciante sofrimento


Diz-me um jornal que o cidadão Ratzinger, usando o nome artístico de Bento XVI, resolveu denunciar o «capitalismo desregrado» como uma ameaça à paz. Aproveitou ainda o balanço para apontar o dedo acusador às enormes diferenças entre ricos e pobres.
Imagino o quanto o “papa” sofre. Tem toda a minha solidariedade!
Imagino que de cada vez que olha para si próprio e vê as suas aparatosas vestes, feitas de ouro, o seu bastão, feito de ouro, a sua cadeira, feita de ouro, os seus talheres, feitos de ouro (desconfio que até o seu penico, feito de ouro)... e os compara com as vestes singelas e o estilo e nível de vida dos milhares de padres pobres das aldeias remotas, por exemplo, de Trás-os-Montes, ou de missões na África profunda, para não falar da esmagadora maioria dos habitantes desses lugares... os sensíveis olhos lhe fiquem marejados de lágrimas.
Imagino que de cada vez que toma conhecimento de mais um negócio porco, uma falcatrua internacional, um crime económico, por exemplo, do seu Banco Ambrosiano, ou das acções mafiosas dos cardeais que o dirigem... o sensível coração lhe sangre abundantemente.
Digamos que é o arremedo possível da vida de sofrimento de Cristo na Terra... interpretada e representada de uma forma extremamente “livre”.

7 comentários:

Maria disse...

Este homem disse um dia destes em Roma, a milhares de desempregados jovens que lá estavam, que tivessem fé em deus que o problema seria resolvido.... só pode fazer parte da cambada!

Antuã disse...

Tenho tanta pena do sofrimento deste nazi que ninguém imagina.

Graciete Rietsch disse...

E quando está no seu castelo de Castelgandolfo(?) a descansar do seu extenuante trabalho!!! Dói-me o coração!!!

Um beijo.

Domingos da Mota disse...

Bem prega frei Tomás!

Anónimo disse...

abstenho-me de falar sobre a amostra da riqueza, em ouro et al, do Vaticano; apenas porque me dá e vontade de vomitar, tal como aconteceu quando a vi no Museum de San Pietro...
também não vou falar sobre o que li em jornais italianos, sobre factos fundamentados, e.g. 'Gran parte del Centro storico di Roma appartiene al Vaticano, compresi beni extraterritoriali: molti collegi e case generalizie, abitati ora da pochi religiosi, sono stati trasformati in alberghi a 4 stelle, residence e pensionati di lusso.

Não, não vou falar sobre o valor do comércio imobiliário;

Apenas deixo a pergunta: quantos salários mínimos são necessários para comprar os sapatos vermelhos de Ratzinger?
"O Papa não usa Prada, usa Cristo", garantiu o Osservatore Romano.
O 'Osservatorio' nada diz sobre os sapatos de George W. Bush, igualmente fabricados à mão e a medida por Adriano Steffanelli de Novara.

Titas Matoso

Medronheiro disse...


Coitadinho o seu coração sangra permanentemente em solidariedade com os pobrezinhos sem os quais não haveria reino dos céus.

Agulheta disse...

Mas tudo isto é uma farsa para enganar o povo da vida pomposa que levam?
Abraço