sábado, 5 de janeiro de 2013

Não têm qualidades para “dirigir” varas de porcos... quanto mais pessoas!


Chega-nos da Indonésia a notícia de mais um lugar no mundo (não é o primeiro) em que a lei islâmica, no seu estado mais fanático, proibiu as mulheres de andarem no lugar do pendura em motorizadas ou quaisquer outros motociclos. Razão: tratar-se de um atentado à decência e bons costumes.
Vendo passar uma qualquer motorizada ou lambreta carregando um par de namorados... dá para perceber o que vai na cabeça do legislador!
Também dá, infelizmente, para confirmar, mais uma vez, que 99 por cento dos “hereges”, “pecadoras” e “pecadores”, que morreram nas fogueiras da “Santa Inquisição”, ou que ainda hoje são queimados nas “fogueiras” dos olhares de beatas e moralistas, mais aqueles (sobretudo aquelas!) que morrem nas selvagens lapidações ordenadas por leis medievais em vigor em boa parte do mundo islâmico... 99 por cento desses "pecadores", como disse, eram e são, afinal, a perfeita incarnação da inocência, quando comparados com as mentes irremediavelmente podres dos seus acusadores, de uma maneira geral... e dos seus dirigentes religiosos, em particular.
Nojento!!!

8 comentários:

Justine disse...

E as mulheres continuam a ser, em tantos, em demasiados lugares deste nosso mundo, apenas um objecto de troca, ou de trabalho, ou de usufruto!Sem quaisquer direitos a não ser obedecer! Quantas mortes mais serão precisas para alterar mentalidades?

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

A Indonésia, quanto a mim, não é exemplo para ninguém no que diga respeito a respeito por Direitos Humanos.

Pata Negra disse...

Já agora deviam proibir também os homens de andar nas motas para não dar oportunidade às mulheres de se imaginarem no lugar das mesmas.
Um abraço de bons costumes - sem ofensa!

Graça Sampaio disse...

Subscrevo com toda a veemência!

Antuã disse...


Quando fui para o seminário, aos 11 anos, da Sociedade Missionária era proibido pôr as mãos nos bolsos, ter as mãos debaixo da carteira, tocar o colega nem que fosse para indicar qualquer coisa que ele tivesse na cara, era proibibo subir a calsa por pouco que fosse, andar alguém sozinho ou com outro colega pois tinham que ser pelo menos três.

relogio.de.corda disse...

Muito acertivo este texto (como sempre). Quanto a mim, todo o fanatismo, e sobretudo o religioso, é péssimo, absurdo e de uma hipocrisia sem igual. Pergunto-me se os legisladores têm moral para fazer e fazerem cumprir leis como esta. Claro que não têm!Mas este mundo é assim mesmo; uma metade ainda a querer tapar os olhos da outra
metade porque a ignorância ainda rende para muito boa gente. Ao poder rincipalmente!

Jorge disse...

O comentário do Antuã fez-me rir, pois, por experiência própria, em Santarém, passei por isso. Numa missa fui admoestado porque, inocentemente tinha puxado as calças um pouco para cima para não ficarem vincadas nos joelhos. O pecador era o padre que pensou que estava a querer mostrar o pernão! Quanto às companhias, eu andava sempre com três e juntos fazíamos muitos pecados!

Graciete Rietsch disse...

O que se passa no mundo islâmico, principalmente naquele muito afeto aos E.U. é de lamemtar mas não dá para esquecer aquilo que se vai passando nos "outros países livres".Maior puritanismo hipócrita que o que existe nos E. U. não conheço.
Quanto às mulheres, apesar da igualdade de direitos que lhes é consagrada na Constituição Portuguesa, continuam muito discriminadas, vítimas de violência e portanto é imprescindível continuar a luta pelo reconhecimento da sua qualidade de seres humanos. Apesar da nossa
Constituição, homens e mulheres continuam vítimas desta política que destrói.
Por isso eu acrescento Homens e Mulheres na mesma luta pelos direitos e pela igualdade.

Um beijo.