segunda-feira, 16 de junho de 2008

São os mesmos, mas...






Esmagados...

Esmagados sob as patas
das bestas taciturnas
os nossos peitos ansiosos,

que havemos nós de fazer senão, irados,
mesmo imprudentemente,
erguer-nos contra quanto
é ordem truculenta,
crença mutiladora,
ou crime sistemático?

Este pequeno poema do (por muitos) querido poeta Armindo Rodrigues, que trouxe "distraidamente" do blogue "Cravo de Abril", sugere-me as imagens que viram em cima, as três primeiras de Abel Manta e a terceira, parte da recente campanha pelo NÃO ao Tratado de Lisboa, na Irlanda.
O poeta Armindo Rodrigues, que viveu de 1904 até 1993, passou a maior parte da sua longa vida sofrendo as patadas do fascismo. Viu-o assolar a Europa, como uma pestilenta praga. Viu todas essas figuras podres serem derrotadas por mulheres e homens como ele, primeiro lá, na tal Europa e muitos anos depois, também cá. Fez a festa connosco, mas manteve-se sempre alerta...
Viveu ainda os anos suficientes para vê-los voltar, pé ante pé, primeiro, a passos largos, depois. Viveu o suficiente para mais uma vez irado, mesmo imprudentemente, erguer-se contra tudo o que é ordem truculenta, crença mutiladora ou crime sistemático.
Viu como hoje todos, ou quase todos vemos, que são os mesmos senhores, os mesmos canalhas, exactamente os mesmos, só que agora vêm travestidos e mascarados de socialistas ou sociais-democratas, embrulhados da cabeça aos pés em Convenções e Tratados, com a maquilhagem barata de "grandes democratas" a esborratar-lhes as caras sem vergonha, enfeitados de periódicas e folclóricas Eleições, como bois enfeitados para as romarias... com uma diferença: 
Os bois, regra geral, são mansos e servem realmente para alguma coisa.

20 comentários:

Anónimo disse...

estão de volta mas não passarão!

AC disse...

Do mesmo autor:
Homem,Abre Os Olhos e Verás

Aki vai P/kolar&ouvir

http://www.imeem.com/hertzonline/music/28wQTmsT/mario_viegas_homemabre_os_olhos_e_veras/

Maria disse...

Eu prefiro os bois. Mesmo que sejam bravos....
Os toiros eu deixo passar, mas estes NÃO PASSARÃO!!!!

Abreijos
(e melhorinhas)

Fernando Samuel disse...

Ou: a Arte de bem olhar um poeta/poema...

Obrigado.
Abraço grande.

Anónimo disse...

Prefiro os bois "verdadeiros", estes, olham um homem de frente e são honestos, os travestidos são cobardes e olham por baixo.

Abraço

GR disse...

Armindo Rodrigues
Foi através do Cravo de Abril (F.S.) que descobri este tão grande poeta.
Samuel,
Magnífico!
Aqui está um poema em movimento, com imagens reais, assustadoras!

GR

Orlando Gonçalves disse...

Obrigada Samuel. Um posts perfeito.
Eles andam po ai, a rondar as nossas vidas. Eles nunca sairam daqui só estiveram à espera de uma nova oportunidade para se mostrarem. E agora começam a aparecer...

dona tela disse...

O que é esta história dos irlandeses?

Desculpe incomodar.

Justine disse...

Estes também servem: de marionetas nas maõs dos grandes empórios económicos! Mas em vez de bois mansos, neste momento estão mais para "touros enraivecidos"...com o simpático não dos nossos amigos celtas:))

Lúcia disse...

Eles andem aí, andem! Ai, agora diz-se "por aí" - pois é. E isto da Irlanda já está sentenciado - os irlaneses que resolvam. É a democracia do Século 21.

Beijos

Anónimo disse...

Temos que os pegar de caras.

Anónimo disse...

Samuel
Porra!...deixa-me pôr o chapéu, para poder tirar-to!
Então cá vai a minha chapelada, este post, merece ser emoldurado!
abraço camarada!

Porca da Vila disse...

Os figurões cor-de-rosa já perderam a vergonha e assumem de forma cada vez mais descarada aquilo que sempre foram e que sempre serão. Vão conseguindo ainda enganar alguns, mas há-de chegar também o seu dia...

Xi Grande

Nuno Góis disse...

Que grande texto!
Parabéns e obrigado

Jorge P. Guedes disse...

Pouco conhecido poruqe proscrito pelo poder, poeta maldito por que dizia as verdades, com crueza e sem temores.
Bem trazido aqui! Malogradamente actual a sua denúncia.

Abraço.
Jorge P.G.

Manuel Veiga disse...

bois, claro!
tantas vezes castrados... e submissos!

Sal disse...

Excelente post.
Posso pô-lo a circular para alguns amigos meus, por email?

bjs

Pata Negra disse...

São mais perigosos: aprenderam com os erros dos outros! Não nos prendem por falarmos, fazem ruído para não nos ouvirem! Não nos matam, deixam-nos morrer!
É por isso que temos de inventar novas armas!
Um abraço de consciência a arder

** L e n a ** disse...

O pior samuel é que essa raça de bois esta a espalhar se, a reproduzir-se, a multiplicar-se duma tal maneira, que breve vamos estar rodeados por eles.

Bom post !

Um beijo

samuel disse...

Sal

Tu faz o que bem quiseres do texto, mulher!
Se o Manangão o quer emoldurar, porque não havias de poder enviá-lo por mail aos amigos? :)))

Aproveito para dar um abraço a todas e todos que tiraram um bocadinho de tempo para vir aqui também "zangar-se", fazendo-me companhia...