sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Miguel Relvas – Pronto... então vamos “brincar”?


O PCP tentou, sem arruaça, sem foguetório, ouvir o primeiro-ministro, responsável direto pelas polícias secretas, sobre a, ao que se sabe, mais mais que provável bandalheira que por lá terá reinado nos últimos tempos. Fê-lo, responsavelmente, convocando potestativamente Passos Coelho para o ouvir, à porta fechada, perante a Comissão de Assuntos Contitucionais, preservando quaisquer melindres e/ou segredos de estado que pudessem estar envolvidos. O primeiro-ministro, segundo o entendimento de alguns, contra a legalidade, recusou-se a estar presente.
Entretanto, a jovem aposentada Assunção Esteves, que tem como atividade de tempos livres a Presidência da Assembleia da República, chegou à conclusão de que o primeiro-ministro não é obrigado a responder aos deputados... decisão de que o PCP vai recorrer para o Plenário, por parcamente explicada e debilmente fundamentada.
Já o inenarrável Miguel Relvas, para reforçar o sentido da recusa do primeiro-ministro, diz que se trata de assuntos importantes e sensíveis... e acrescenta, com aquele seu ar de luminosa inteligência, que «não se pode fazer política com coisas tão sérias».
Para não gastar a frase do Agostinho Lopes, ainda que fosse a mais adequada... pergunto apenas: então se não se pode fazer política com coisas sérias, com que raio é que se pode e deve fazer política?!!!
Mais uma prova de que Miguel Relvas, para além de todas as “coisas muito sérias” e infelizmente muito graves, que vem demonstrando ser... é também um imbecil!

12 comentários:

Maria disse...

Nunca uns governantes conseguiram criar-me um asco tão rapidamente como estes...
É que não têm ponta por onde se lhes pegue!

Abreijos.

Luis Filipe Gomes disse...

A política está cheia de mal entendidos, como é que o senhor primeiro menistro podia responder? Então aquilo é secreto não é?!
Foi pecisamente o que a senhora pesidenta quiz dizer, como é que se pode obrigar o senhor primeiro menistro a responder se ele não sabe??
Ainda se eles fossem da mesma loja vá lá, mas as pessoas das lojas também só falam se quiserem, não são obrigados, não é.

Antuã disse...

Já sabíamos que o Relvas não é sério a fazer política.

do Zambujal disse...

No reino da mediocridade, de direita e presumida... um perigo.

Ao Terreiro do Paço!

Um abraço

Graciete Rietsch disse...

Então a política não é coisa séria? Parece que não pois se recusam a esclarecer mesmo à porta fechada.

Um beijo.

Provoca-me disse...

Como é que podem gostar de viver com gente tão miserável. Não compreendo.

trepadeira disse...

Pois,com coisas,e como coisa,sérias não sabem fazer política,ou qualquer outra coisa.

Um abraço,
mário

Medronheiro disse...

Ao Terreiro correr com os Relvas e outros canalhas.

jose madley disse...

Com este tipo de máfia, em que pensam que a lei do Eu posso quero e mando existe...Enganaram-se.O miguel Relvas e a chula da Presidente da Assembleia deviam ser expulsos da vida politica.

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Esta trapalhada governativa e política, ou vice-versa, terá certamente um fim.

Anónimo disse...

Cara Maria, embora partilhe dos seus sentimentos, repare que continuam à frente nas sondagens.

Não vale a pena tomar os nossos desejos pela realidade.

Jeremias disse...

Sempre que olho para a carinha deste relvas dá-me uma vontade de o esmurrar...copinho de leite...

Os presidentes deste país da Assemb e da Republica estão reformados, vão mas é descansar porque com eles não vamos lá. Tal não são os altos valores que defende por uns trocados preferem receber uma reforma em vez do vencimento do cargo, que vergonha.