sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Isaltino – Apanhem-no à falsa fé, porra!



Enquanto vão sendo interpostos recursos dos recursos dos recursos, de sentenças proferidas e a proferir, transitadas em julgado ou a transitar... o inenarrável Isaltino Morais vai folgando.
Os seus advogados já nem pretendem negar os seus crimes. Limitam-se à táctica vergonhosa de alegar que estes ocorreram há já muito tempo... e pedem, desavergonhadamente, a sua prescrição.
O Ministério Público tenta, por estes dias, mais uma chance de o caçar, desta vez por mais um crime de fraude fiscal. Desconfio que, no pé em que as coisas estão, mais depressa o apanharão por fumar o seu charuto num qualquer lugar proibido.
Seja como for e estando longe de querer ensinar o ofício ao MP, ou à Judiciária... não estaria na altura de fazer chegar ao seu "convívio" um agente infiltrado que o convencesse a beber uns copos e ir ao Pingo Doce roubar um pedacito de polvo e um champô?
É que a coisa nunca falha! Dá condenação certa!

15 comentários:

Fenix disse...

Mas para que isso acontecesse era preciso que aparentasse ser sem-abrigo, ou vá lá, um trabalhador de salário mínimo...

Provoca-me disse...

Dá condenação para o pobre. E enquanto os pavões mandarem estes bandalhos continuam impunes.

Maria disse...

Este tipo sabe muito. E sabe tanto que nunca será preso.
(se for, pago-te um almoço. é que tou com saudades vossas...)
:)))

Abreijos.

trepadeira disse...

Está na altura,está,de os apanhar à falsa fé.

Um abraço,
mário

Graciete Rietsch disse...

É o Isaltino, é o Valentim e todos os outros a quem até foram oferecidos ótimos empregos.
Queiram ou não queiram os senhores, o nosso país é governado por ladrões que, por isso, protegem os que os apoiam.

Um beijo.

Antuã disse...

Os ladrões profissionais estão protegidos por um escudo invisível.

Anónimo disse...

Por uma vez acompanho-te na critica que por excepção não é partidária. Uma escandaleira de facto! Porra que é demais! Até fico Isaltado... Especialmente porque chovem os casos de ineficácia da justiça, que para além de ser justa devia ser rápida e provar que o crime não compensa.
Um crítico habitual.

jrd disse...

Até o Al Capone foi preso por não pagar impostos...

Buiça disse...

Escudo invisível?Ou secretamente musical?Com música do Mozart...Pois se "eles" estão colocados na mais alta Magistratura,na Polícia Criminal,nos Observatórios de Segurança,nos Serviços Secretos e tudo para aperfeiçoamento espiritual próprio e do alheio...
Buiça

Anónimo disse...

Pois precisamente: eu ia dizer o que disse o nosso amigo jrd.
Fazemos um filme?

Tanto mafioso à solta e mandante...
bettips

Luis Filipe Gomes disse...

Já o meu pai dizia: "Quem rouba um tostão é ladrão quem rouba um milhão é um pimpão."

Marreco disse...

Ninguem lhe atira uns tomates,uns ovos, o pessoal de Oeiras está contente.Aqueles velhos de Oeiras que se constituem em comissão de apoio,quando é preciso ir a votos,as avósinhas nos bailes a dançar com o Isaltas.O Grande irmão de charuto e avental a servir feijoadas ao povo em delirio.O que é que querem?É o que temos.Aguenta marreco!

Olinda disse...

Castiga-se os de baixo e,recompensa-se os de cima.Assim,está a nossa "justiça".Tudo muito democraticamente.

Luís Coelho disse...

Só não o apanham porque não querem.
Ele sabe fugir, aproveitando-se destas leis que os protegem.

Outros por muito menos foram julgados e presos. A justiça continua cega e cada dia mais nojenta...

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

A seguir ao caso Casa Pia e toda a sua especificidade, outros mais casos nomeadamente os chamados de colarinho branco chocam pelo que tempo que demoram a andar face às parilisias impostas pelos recursos, e nomes dos senhores/as envolvidos/as. O caso focado no post é mais um com a curiosidade da formação académica do visado, e todas os contorcionismos que o mesmo tem proporcionado.
Um péssimo exemplo juduciário.