sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Álvaro Santos Pereira – E se fosse gerir a carreira da...




Imagina-se que para um ultraliberal acreditar que uma sociedade pode mesmo funcionar na exclusiva base do lucro, numa lógica em que tudo é um negócio, mesmo as necessidades mais básicas dos cidadãos... algo tem que estar gravemente avariado no seu cérebro.
De facto, não se vê como é que alguém, na posse de todas as suas faculdades, possa achar normal entregar aos privados todos os cuidados de saúde, educação, transportes, assistência social, gestão de reformas e pensões, etc., colocando a vida de milhões de seres humanos nas mãos de gente motivada apenas pela quantidade de dinheiro que possa acumular à custa das necessidades e fragilidades alheias. E acreditar que isso vai dar certo.
Só que há ultraliberais que vão mais longe. Conseguem afirmar todos os princípios que atrás enunciei... mas com frases e rótulos típicos de verdadeiros débeis mentais. É o caso do nosso genial ministro da Economia, para os mais chegados, “o Álvaro”.
Conseguiu, sem se rir com aquela cara de parvalhão com que a Natureza o castigou, afirmar que os desempregados (lembremos que já são mais do que um milhão) passarão a ter nos Centros de Emprego, não funcionários públicos motivados e empenhados em fazer os possíveis por ajudar a encaminhar os seus casos desesperados, mas sim... «Gestores de Carreira».
Isto é, ou não é, gozar com a cara das pessoas? Isto mereceria, ou não, uma resposta, curta, grossa e adequada?

14 comentários:

Provoca-me disse...

Já não eram propriamente pessoas que faziam e que fazem os possíveis, mas vamos acreditar que sim. Mas este homem e todos da sua laia precisam de ser ajudados.

Antuã disse...

Porque é que a besta não vai para o Inferno?

Graciete Rietsch disse...

Autêntico gozo. Espero que lhe saia caro.

Um beijo.

FXabier disse...

Merecia e merece essa resposta. Quanto mais curta e grossa melhor.

Eduardo Miguel Pereira disse...

O que de imediato me vem á cabeça quando leio ou oiço "tiradas" destas, é algo que comprometeria de forma irreversível os anos que ainda me faltam para acabar de criar o meu filho em condições.

Ai ! ai o que me apetecia fazer ... ai ! ai ! ai !

trepadeira disse...

Merecia,merecia,há muito tempo.
Confundiu os centros de emprego,o povo bem lhes chama o desemprego,com algum banco a ....,pois,isso mesmo.

Um abraço,
mário

Anónimo disse...

O Álvaro é de facto uma anedota daquelas sem pinga de piada. E também é verdade que há uns no lado oposto que ainda acreditam num um tipo fardado e recebendo do Estado, a ler um manual de instruções para resolver todos os problemas. Era um bocado mecânico e presumia uma normalização humana feita por algum Mestre. Não sei se era bonito mas certamente tentador para os ingénuos. O nosso mundo, as pessoas é claro, não são assim mecânicas, antes dadas a ideias próprias contraditórias. Desconfio que o método Samueliano dificilmente funcionaria, como aliás não funcionou em lado nenhum.
Façam é o favor de não me obrigar a escolher entre o " nosso" Álvaro e outro Álvaro que também ficou famoso, de inteligência superior concedo, mas potencialmente mais perigoso. "Deus" nos livre dos Àlvaros!
Só uma observação sobre o cavalheiro que aparece aí na praia, de tronco nú parece chamar-se Eduardo Miguel Pereira: Esse fanafarrão foi convidado para assustar os comentadores menos ortodoxos?! Tens que dizer ao àlvaro, perdão, ao Pereira que compre um peluche para morder. Desabafa e não chateia!
Respeitosamente respeitoso

samuel disse...

Anónimo (14:40):

Você não reconheceria o "método Samueliano"... nem que ele estivesse a um palmo da sua cara!
Quanto mais saber se ele funcionaria ou não! :-) :-)

Saudações.

Olaio disse...

Samuel, o homem até quer revitalizar o "negócio de produção de padres" em Braga... é um colosso!

Carlos disse...

Não me parece que ande aqui alguma espécie de ideologia neoliberalista - ou lá o que isso signifique - mas tão só e simplesmente mercenarismo puro e duro! E reduzi-los a mentecaptos também não me parece correcto - desresponsabiliza-os! Os rapazes e raparigas deste (des) governo sabem perfeitamente o que aqui os traz, e que tipo de missão devem cumprir!
Abraço

Anónimo disse...

Sacana!

LAM disse...

Bom, vamos lá ver. Há casos de sucesso nisso dos gestores de carreira.
Como explicar de outra forma que um gajo com o cérebro mais amarrotado que o chapéu dum trolha chegasse a ministro?

Olinda disse...

Sai des-governo,entra des-governo,e cada um é pior que o outro.Donde teriam saído estas anedotas de ministros-faz-que ministram ?Se fossem inteligentes nao serviriam quem realmente exerce o poder.

Mentiroso disse...

Claro que o post conta a verdade, mas é possível ter um serviço de saúde nacional universal 100% privado e 100% capitalista, mas também 100% democrático e igual para todos sem qualquer excepção. Existe. O problema é que o pessoal não conhece por ser propositadamente ocultado pela jornaleiragem em aberto conluio com a corrupção política. Esta, por sua vez, é incapaz de o montar juntamente a um sistema de controlo que evite abusos, fugas ou qualquer desvio da democracia. Como nem 1 por mil conhece, não interessa porque não dá votos e a função dos políticos governantes é a de roubarem tanto quanto podem e governar no interesse das máfias e não no do interesse do país, no que se estão marimbando.

Algumas referências aqui.