sábado, 2 de outubro de 2010

Faria de Oliveira – CGD - A vergonha é um capital muito escasso...





Sempre com um espírito de “serviço público” e presumindo que alguma leitora ou leitor possa ter curiosidade em saber qual é a aparência de um “faria de oliveira” de raça lusitana, aqui está a fotografia de um espécime, no seu habitat natural, a presidência da Caixa Geral de Depósitos.

Dado que este blogue não tem nenhum convénio com a “National Geographic” perguntam vocês, “ó Samuel, e então porque é que pões aqui a fotografia do animal?” Porque este, de repente, desatou a dar opiniões sobre o PEC III.

Sobre as medidas tremendas que vão abater-se sobre os trabalhadores, pensionistas e até desempregados, a quem vão cortar abonos de família, pensões de reforma, subsídios de desemprego, apoios sociais vários, ordenados na Função Pública, mais o aumento do IVA, etc., etc., etc., diz o bicho que se trata de medidas de austeridade «indispensáveis» e que vão melhorar a imagem do país junto das instituições europeias.

Já em relação à “taxinha” sobre a banca, anunciada pelo Governo, mas que ainda nem se sabe bem qual é e que, em condições normais, cortaria apenas uma pequeníssima fatia aos lucros milionários dos banqueiros, diz que não senhor!, sacrilégio!, diz que «é evidente que os custos com o novo imposto sobre as entidades financeiras, anunciado pelo Governo, irão recair sobre os clientes».

Nos meus tempo de inocência, que entretanto perdi, pensaria que só um refinado filho "da outra" poderia, sobre este assunto e num espaço de horas, assumir publicamente estas duas posições... nunca um respeitado presidente do maior banco nacional, que ainda por cima é do Estado.

Como não tenho mais inocência para perder, olhem... nem sei o que diga, nem o que lhe chame.

15 comentários:

trepadeira disse...

Não é preciso "chamá-los",é preciso é corre-los.
Um abraço,
mário

Anjos disse...

Grande Beeeesta!!!!!!!!

Que revolta, que nojo... enquanto lia o post ouvia, no rádio, excertos das declarações deste quadrúpede e do pacóvio de Boliqueime (que falava das estações do ano). É dose que chega para dar volta "à tripa"!
Estão todos bem uns para os outros.

São mesmo "Feios, Porcos e Maus"!

Antuã disse...

E porque é que a besta não vai pentear macacos?

Maria disse...

Ele não tem classificação. É um dos vampiros.

Abreijos.

Fernando Samuel disse...

Quem é que ainda tem alguma inocência para perder?!...

Um abraço.

Graciete Rietsch disse...

Claro que tudo o que possa atingir a banca, mesmo minimamente, vai recair sobre os portugueses. Esse homem é mesmo estúpido. Só sabe repetir o que lhe mandam. E quem será o mandante?


Um beijo.

Aristides disse...

Também eu peguei neste assunto. Mas eu levei com dose reforçada, já que também ouvi o Santos Silva (do BPI) a manifestar-se no mesmo sentido.
Cambada de filhos da outra!
Abraço

joaquim d'odemira disse...

!.- Faria de Oliveira é em primeiro lugar membro do PSD.Já foi ministro de governo PSD.Agora tem a presidência da CGD.É mais um dos casos de nomeação política na distribuição dos negócios do estado entre o PS e o PSD; 2.- Foi este tipo que ainda esta semana numa jogada de "mestre da sacanice" vendeu a sede do Banco ao fundo de pensões,com intenções mais que duvidosas para os trabalhadores da CGD; 3.- Com estas declarações, que representam a realidade (suja) de toda a banca, que não quer partilhar nem 1 cêntimo com a actual situação económica das pessoas ; 4.- O senhor Faria de Oliveira apenas desabafou a verdade nua e crua do sistema bancário capitalista e usurário ; 5.-Mas que credibilidade pode ter um tipo destes, que está à frente do Banco do estado ?

Malhao disse...

Palpita-me que isto ainda vai dar para o torto...

José Rodrigues disse...

(...)Pergunta-O que significa esta nacionalização da banca privada,para o nosso povo?

Resposta-Significa que o dinheiro desse mesmo povo,depositado nos bancos,vai deixar de servir para especulações fraudulentas de uma minoria privilegiada(...)vai passar a servir as verdadeiras necessidades do povo,no desenvolvimento da agricultura,da indústria do comércio interno e externo.O Estado fica com possibilidades de orientar a política de crédito concretamente.Fica com a possibilidade de aumentar o crédito para aqueles sectores onde ele é mais necessário,para o desenvolvimento global do nosso País(...)[Discursos,conferencias,entrevistas EDIÇÃO POPULAR] JN,15-3.1975 Vasco Gonçalves 1ºMinistro.

E Hoje? UTOPIA ou NECESSIDADE OBJECTIVA para defender a soberania nacional?

Abraço

smvasconcelos disse...

De facto... veja-se: no espaço de horas adopta duas posturas diferentes sobre a mesma matéria. Interesseiro dum raio!, e isto para ser educada, caso contrário o palvreado seria outro...
bjs,

duarte disse...

Podes chamar-lhe fantoche.
abraço.

FERNANDO OLIVEIRA disse...

POR EXPERIENCIA PROPRIA AFIRMO QUE E DESONESTO, COBARDE, HIPOCRITA E COM PORCARIA DESTA NOS CENTROS DE MAIOR DECISAO DO PAIS NEM O PETROLEO DA ARABIA SAUDITA CHEGARIA.
TEMOS QUE CORRER COM ESTA GAIJADA NEM QUE SEJA A PAULADA. TEM QUE SER JULGADOS... E MAIS NAÓ DIGO...

FRANCISCO MELLO BREYNER disse...

POVO,
AO TRABALHO, PORRA!
SÓ SABEM FALAR, FALAR, FALAR... DEIXEM DE FAZER "PACIÊNCIAS" NOS COMPUTADORES DO ESTADO E RESOLVAM OS PROCESSOS QUE TÊM NAS SECRETÁRIAS. ISSO É QUE É COMBATER A PRECARIEDADE. TOCA A PRODUZIR, CAMBADA DE COMUNAS!

samuel disse...

Francisco Mello Breyner:

Ó Francisco Mello Breyner... criatura. Embora a coisa não me interesse para nada... para além da "gritaria" da escrita em maiúsculas, você deve ser um bocado "débil", não? :-)))