quarta-feira, 16 de junho de 2010

António Guterres - Tendências globais?



Segundo leio, o Alto Comissário da Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres, declarou que «o Século XXI é das pessoas em fuga». Não resisto a lembrar que ele próprio, bem no início do século, em 2002, protagonizou uma espectacular “fuga”... mas adiante. Enquanto a fuga de Guterres foi motivada por calhordice, aquelas de que ele fala devem-se ao medo, à miséria, à luta pela sobrevivência, à exploração, à injustiça.

Guterres aponta vários dos fenómenos que estão na origem do flagelo que cai sobre milhões de refugiados, a falta, ou desequilíbrio no apoio aos necessitados, o eterno egoísmo dos de sempre. Apela ao debate internacional. Faz bem!

Pessoalmente, preferia que quando se referiu a algumas das causas da tragédia, causas que estão na base de quase todos os conflitos passados ou actuais, geradores de milhões de deslocados e refugiados, fenómenos como «o desenvolvimento demográfico, a urbanização, a escassez de víveres e de água potável, de matérias-primas, e sobretudo as mudanças climáticas», não lhes tivesse chamado «grandes tendências globais».

Primeiro, porque “tendências globais” é uma expressão que remete para o universo fútil da moda.

Segundo, porque essas realidades não são “tendências”, mas sim crimes! Crimes contra a Humanidade. Crimes cujos responsáveis são sobejamente conhecidos.

8 comentários:

Anónimo disse...

Ora nem mais!
JB

Aninhas disse...

a foto está muito bem escolhida, despertaste-me outra vez do meu sono :-)

do Zambujal disse...

Pois é. Vamos somando os casos portugueses de fugas para a frente e para cima depois de empurrarem o povo pra baixo. São... tendências particulares que pactuam servem de agentes e de crimes, como muito bemdizes.
Um abraço

Graciete Rietsch disse...

Pois também considero que as causas principais das tragédias que afectam o mundo são fundamentalmente de origem humana e criminosa, até aquelas que têm uma forte componente natural. Um exemplo recente, a explosão do poço de petróleo. Até onde irá o sofrimento humano, como consequência da ganância de uns poucos?
Um beijo, amigo e camarada.

Susaninha disse...

CONCORDO INTEIRAMENTE CONTIGO..E A TUA FOTO ESTÁ QUALQUER COISA...

,maia disse...

Como "estas tendências globais" não dão um murro no estômago de todos e do Guterres em particular?
Sendo presidente nessa área e sabendo que todo este drama vem do capitalismo devia deixar-se de fugas e queixumes e dar um murro na mesa. A situação é tão grave que já não se suporta esta denúncia frouxa. Ao menos grite e venha embora. Ainda bem que há blogues que denunciam. Um bom trabalho, Samuel.

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Penso que o Engº. António Guterres, como mais alguns ditos Socialistas, que (des)governaram sós e menos bem acompanhados Portugal ajudando com algumas menos conseguidas medidas a hipotecar ainda mais o nosso País,penso eu, não tem ou têm moral, para dar "lições ao mundo".
Quem habilidosamente sai das suas responsabilidades, e temos alguns "maus exemplos" na hisória recente de Portugal, quanto a mim não merece sequer levar com uma corneta daquelas estridentes do Mundial de Futebol de 11, da África do Sul.

Fernando Samuel disse...

Há uma «tendência global» para os tipos que, enquanto governantes, fizeram políticas de flagelo, passarem a ser, quando deixam de ser governantes, zeladores de... flagelos - e, ao que parece, muito, muito bem remunerados...

Um abraço.