segunda-feira, 14 de junho de 2010

Soares e Durão – A falta...


Duas imagens surripiadas, como elas própria dizem, ao "WeHaveKaosinTheGarden"

As grandes festanças, como esta, espanhola e portuguesa, a propósito da adesão dos dois países à CEE, em que os políticos locais, vendidos aos grandes interesses dos grandes países e um pouco à imagem dos “Eunucos” do Zeca Afonso, “Enquanto os mais são feitos em torresmos, defendem os tiranos contra os pais”, são sempre momentos de grande “glamour” político e arejo de farpelas... mas têm os seus pontos negativos.

Um, muito negativo, é o momento em que, mais tarde, chega a conta para pagar, sempre pelos povos desses países, que nem foram sequer convidados para a festa, como bem se escreveu aqui.

Outro, embora menos importante, é que há sempre umas “tias” que, ou por irem com vestidos iguais, ou por trocas e baldrocas de amantes comuns, ou por razões ainda mais pedestres, se “pegam” e dizem umas coisas desagradáveis umas às outras.

Nesta festança luso-espanhola, para não variar, a conta não deixará um dia destes de chegar ao nosso bolso e Mário Soares e Durão Barroso pegaram-se. Soares diz que os actuais dirigentes europeus têm falta de coragem, falta de visão, falta de qualidade, falta disto e daquilo... Barroso riposta que não senhor, que isso é normal, que antigamente também havia dirigentes maus e incompetentes e porque torna... e porque deixa... e que havia igualmente falta de isto e daquilo.

Coisas lá deles. Ambos devem ter as suas razões para se despentearem assim em público. Pela minha parte, vendo o percurso político de cada um e sobretudo a obra que deixam, acho que uma falta, indiscutivelmente, se lhes pode apontar: a grande falta de vergonha na cara!

9 comentários:

Graciete Rietsch disse...

"Zangam-se as comadres descobrem-se as verdades". Mas o que era preciso era que nós todos, POVO, nos zangássemos com elas.

Um beijo.

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Sim uma festança só ao alcance dos menos carenciados da vida, e que constituem um conjunto enorme de egoístas, completamente inverdadeiros na passagem das palavras aos actos, e muito insensíveis face ao pulsar de uma Europa, cada vez menos coesa embora tentem fazer a passagem da imagem contrária. Repugna-me, este tipo de "amontoado de gente" ...
A propósito: porque é que o (des)Governo de então em Portugal, não referendou, a entrada de Portugal na C. E. E.?. Como "grande decisão" o Povo Português, quanto a mim, deveria ter sido ouvido.

maia disse...

Olá Samuel. E estes "falta de vergonha" lá se despentearam em público. Ficaram mais feios do que já são? Na minha Azervadinha diriam: Tão esgadelhados! Deixa-os, então, esgadelharem-se até à careca total. É o que são, carecas da verticalidade que nos faz gente, pessoas.
Bom trabalho.

desiludido disse...

Quando já pensavamos que eramos felizes, e que podiamos descansar à sombra do orçamento e passear de tgv...aparecem estes tipos a dizer que não era bem assim!

É xatooo!

Antuã disse...

Os porcos põem-se à pancada quando se lhes coloca o comer na gamela.

Luis Nogueira disse...

Não caio em mim de assombro: é o Soares tal qual o imaginava já nos meus pesadelos de criança... e de adulto. O outro, o criminoso de guerra, que bem lhe fica o fato revolucionário. Será Gucci? Será Jean Merdé? Enfim, duas rameiras já muito, mas muito, batidas.
Como se diz por aqui: "Que putedo, senhor Alfredo!"
PS (cruzes, canhoto!) Mas o Soares tem mesmo um ar "cochon", não tem? E que bem lhe vai... Tão natural...


Luis Nogueira

Fernando Samuel disse...

Estão os dois cheios de razão, afinal...

Um abraço.

Maria disse...

Vergonha é uma palavra que eles não conhecem. Nem reconhecem...

Abreijos.

UdL disse...

Obra? Que obra?