quinta-feira, 24 de junho de 2010

Ricardo Rodrigues - O prosador





O mediático surripiador de gravadores de jornalistas pelo sofisticado método da “acção directa”, o deputado, digamos assim... “socialista”, Ricardo Rodrigues, viu a sua imunidade parlamentar levantada pela Comissão de Ética. Seria muito bom que a seguir à imunidade, lhe fosse também levantada a impunidade.

Diz que está muito «disponível para colaborar» no processo em que responde pelo roubo dos ditos gravadores... mas, mesmo assim vai limitar-se a responder por escrito ao Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa.

Apenas duas notas breves:

1- Espanta-me assaz que, tal como se vê na imagem, ainda existam jornalistas com coragem suficiente para colocar microfones e outros instrumente de trabalho que custam bom dinheiro, ao alcance do meliante.

2- Espero bem que com esta conversa do “responder por escrito”, não acabe por convencer algum ingénuo a emprestar-lhe um computador... ou mesmo uma caneta que valha alguma coisa. Depois não se queixem!

7 comentários:

Maria disse...

A tua prosa de hoje só me faz rir....
primeira a 'acção directa' - onde é que eu ouvi isto, e há quantos anos - depois o aviso aos mais incautos...
Hehehehehehe.........

E hoje há festa do PCP aqui na minha terra. E eu vou lá! :))))

Abreijos.

jrd disse...

Emprestar um Computador!?...
Vá lá que seja uma bic amarrada à secretária, como no balcão dos "correios", senão marcha, porque o 'mãozinhas' não perdoa.
Abraço (republicano ;))

Antuã disse...

Meliante, pedófilo e gatuno?!...

Graciete Rietsch disse...

Só subterfúgios para quem se deixa enganar. E o por é que enganam mesmo.

Um abraço.

samuel disse...

Antuã:
Meliante e gatuno, sei. Toda a gente viu, não é? :-)
Agora as possíveis (e sussurradas) aventuras na garagem do Farfalha... como é que vamos saber?

Abraço.

Pedro Namora disse...

Samuel, peço desculpa pelo abuso, mas não resisti a copiar para aqui o que escrevi no facebook sobre o excremento:

Ricardo Rodrigues, deputado do ps, é o ladrão que sem vergonha no focinho sujo furtou dois gravadores a jornalistas por se sentir apertado com o rumo da entrevista que tinha aceite. Alcandorado a lugar cimeiro na agremiação rosa, tem perorado sobre tudo, desde a corrupção - que grande lata!- até à displicência com que assegurou ser para ele indiferente que o 25 de Abril seja comemorado no dia certo ou a 27 de Abril. Na verdade, o facínora preferiria comemorar o 24 de Abril.
Quando há uns anos apresentei o meu livro nos Açores, a população pediu-me que ajudasse a detê-lo, por considerar que "destruia as crianças". Recentemente, um tribunal superior pronunciou-se sobre os cambalachos do senhor em redes outras que não as de pesca.
A exemplo do putativo engenheiro e falso socialista sócrates, também este excremento se pavoneia, sem vergonha, cônscio da sua impunidade, permitindo-se falar com ar angelical.
Mas que legitimidade tem esta coisa horrenda para nos dirigir a palavra? Sempre que o vejo apetece-me tapar-lhe a carantonha repugnante com um grande balde de merda. Que me desculpem os espíritos mais sensíveis.

Fernando Samuel disse...

Espero bem que o teu alerta chegue a todos os/as jornalistas...

Um abraço.