quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

A arte do "pastoreio"


Diz-me um estudo agora divulgado que a satisfação com a democracia atinge mínimos históricos.
Isto vem mostrar que o grande capital, para além de enriquecer pornograficamente com a exploração das ovelhas, sugando-lhes o leite, tosquiando-lhes a lã, retalhando-lhes a carne, triturando-lhes os ossos... também garantiu uma forma de ter o rebanho exatamente onde quer.
Para isso, conta com o implacável pastoreio de governantes feitos à medida, analistas, comentadores, politólogos, jornais, televisões. Todos empenhados em fazer crer que aquilo por que estamos a passar não é capitalismo selvagem, não é exploração, não é roubo, não é crime... mas sim democracia.
Há que juntar ainda o precioso contributo de alguns dos chamados movimentos cívicos que, em muitos casos, muito mais do que atacar os exploradores, têm como maior bandeira o ódio aos partidos políticos, como se todos fossem iguais.
Está assim criado o caldo em que o rebanho, em vez de culpar pela sua situação quem o explora, em vez de reagir às feridas infligidas pelos cães... culpa a democracia.
O despertar poderá tardar... mas será violento!

14 comentários:

Rogério Pereira disse...

Boa malha... mas sabe o que temo? É que o estudo (que não é inocente) leve a cáfila de colunistas, opinadores e jornalistas do rebanho a bater na tecla de que são já 15% a admitir que isto só lá vai com uma ditadura... A ausência da pergunta "Sente-se, enquanto eleitor, responsável pela qualidade desta democracia", (e outras que podiam ser feitas) é significativa... Vamos ver onde isto vai ter...

Anónimo disse...

100% de acordo!
Adriana Dias

O Puma disse...

A canalha tenta por todos os meios

justificar os pelourinhos

Pata Negra disse...

Tocaste na ferida: a culpa é da democracia, os políticos são todos iguais, os deputados deviam ser só três, não voto! É sobre esta ferida, esta mazela que nos dificulta o andar, que eles reinam! Ainda não nos cortaram as pernas para desfilar mas conseguiram colocar-nos a coxear! O nosso passo imediato deve ser o de colocar as nossas palavras nessa ferida, o sangue pode ser um bom fertilizante!
Um abraço dum guardador de porcos

Graciete Rietsch disse...

A culpa é da democracia e dos trabalhadores preguiçosos que não querem trabalhar e gastam acima das suas possibilidades.
Estou cansada de ouvir isto.

Um beijo.

José Miguel disse...

Lembro-me sempre, nestas ocasiões do Filme os Sete Magnificos a certa altura,o vilão que dia sim dia não assaltava um grupo de aldeões roubando tudo o que podiam,á pergunta de um dos ladrões,como éra possível tanta passividade,o malandro respondeu: São uns carneiros só estavam á espera de quem os tosquiasse.Assim estamos nós.Verdadeiros Borregos.

Anónimo disse...

"Mas será violento"! UI "ca meeeeeeeeedo"... :)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Anónimo disse...

Força amigo! Porque precisamos de ter neste momento muita força para combater estes abutres!
Saudações de um camarada que no dia 21 de Janeiro vai estar em Guimarães para mais uma manifestação de luta contra quem nos rouba tanto.
Vicky

samuel disse...

Anónimo (00:25):

Eu não disse? Resultou... você já está "violentamente" parvo...

trepadeira disse...

Este rebanho não tem armação,são mochos,mas também há os não mochos,ou seja,armados.
Por causa das dúvidas,e variadas interpretações,referia-me às armaduras.

Um abraço,
mário

Anónimo disse...

O que é isso do Violentamente Parvo
óh samuel,não estará voçê taralhouco?

samuel disse...

Anónimo (18:26):

Ah... não entendeu? Então se calhar está é violentamente estúpido...

Seja como for, o facto de me dar ao trabalho de lhe responder, mostra que há qualquer coisa de verdade nessa do "taralhouco". :-) :-)

Fernando Samuel disse...

Excelente texto!

Um abraço.

Graça Sampaio disse...

Acha? Eu até já duvido!