quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Domestica lá esta, ó Lima!



«Uma informação não domesticada
constitui uma ameaça com a qual
nem sempre se sabe lidar.»
(António Ferro… perdão, Fernando Lima)

Ora digam lá se o meu “engano” no nome do autor desta frase não se justifica plenamente! Confessem lá que a frase ficava muito bem na boca de António Ferro, o homem da propaganda de Salazar!

Só que não é dele. Na verdade, como já tive ocasião de emendar aqui em cima, a singela frase é da autoria de Fernando Lima, ex-jornalista e ex-várias coisas do “nosso” Cavaco Silva, sendo que presentemente é não sei o quê do Presidente. Consultor de qualquer coisa... parece.

Acrescenta, no texto em que produziu esta pérola, mais umas ideias fantásticas sobre o primado da “imagem” dos políticos, sobre os conteúdos e ideias, acrescidas de conceitos para «combater os desvios da mídia (?)» com aquilo a que chama de «manipulação pela inundação», aproveitando ainda para realçar a utilidade das «fugas de informação para produzir um efeito de acordo com o objectivo que se pretende alcançar», mais uns vivas à perfeita gestão da imagem de Ronald Reagan... e mais uns “trocos”.

Podia surpreender pela assumida “filhadeputice” moral e ideológica... mas não surpreende. Todos estamos lembrados de que foi ele o autor da “plantação” na opinião pública (com a ajuda do pasquim de Belmiro de Azevedo), da ideia de que o governo fazia escutas ao Palácio de Belém, uma inventona que manteve os jornais e televisões numa atividade frenética, durante uns bons tempos.

Assim como também já não surpreende a inaudita pontaria que Aníbal Cavaco Silva tem, no que toca a escolher os seus principais funcionários, consultores, conselheiros, ministros, secretários de estado...

Cavaco poderá não ter muitas qualidades, mas há que reconhecer que se movimenta com grande à-vontade no meio da lama e entre estes bicharocos.

17 comentários:

Maria disse...

São todos rastejantes.
Se calhar o Lima está habituado a domesticar os animais (todos) lá de casa...

Abreijo.

Luís Coelho disse...

Pois parece-me bem utilizar aquela frase:

- mudam as moscas mas a merda continua a mesma....

do Zambujal disse...

muito elucidativo!

grande abraço

Graciete Rietsch disse...

Domesticar a informação na tentativa de domesticar o Povo.

Um beijo.

svasconcelos disse...

E remataste bem: move-se muito bem no esterco.

bjs,

trepadeira disse...

As sociedades também podem ser por comandita.

Ou em cambadita.

Um abraço,
mário

Fernando Samuel disse...

Tem cá um dedo para escolher a sua quadrilha!...

Um abraço.

lUIS MIGUEL disse...

Eu cá para mim,penso sempre na informação da antiga URSS ´,aquilo é que era,isenção,verdade,qualidade enfim.O Pravda AQUELE ORGÃO DE INFORMAÇÃO,VERDADEIRO E NÃO CONTROLÁVEL.o LIMA LÁ DAVA-SE BEM!

samuel disse...

Luis Miguel:

Pois... esse foi um dos muitos erros que acabaram por arruinar os sonhos e o esforço de milhões de trabalhadores, um projecto que ajudou a humanidade a avançar muitos anos e em muitos aspectos...
Não tivesse você optado por dizer isso, mas a armar-se em parvinho... e teria alguma razão.

Miguel Luis disse...

É, o Luis Miguel defendeu com inconstância no tamanho da letra(só da letra?)o borrego que foi assessor de Cavaco. Falou em coisas sérias a despropósito e desvalorizou a verdade que podia interessar. Acontece que Samuel chamou "erro" a umas décadas de prepotência e abusos em nome do Homem. O Lima é uma besta manhosa mas tenhamos calma com as comparações, aqui pelo menos podemos estar a comentar isto sem receio de ir parar a Peniche ou à Sibéria.
E o meu apreço pela moderação Samueliana que conseguiu ser quase educado perante o chamado Luis!

samuel disse...

Miguel Luis:

Estamos constantemente a quase conseguir tanta coisa... :-))) :-)))

Mário disse...

esta alimanha, se atender-mos, justamente, ao facto de pertencer a um executivo dirigido por um antígo e ratificado apoiante do botas, poderiamos olhar para a espiral e encontrariamos o seu homónimo no bicho da madeira, o qual - se bem... mutado e alimentando-se de papel em lugar de madeira africana - cumpria como oficial psicólogo até o mandarem matar portugueses numa coutada off-shore.

Um abraço

Mário disse...

nem para peniche, nem para o aljube, nem para guantânamo, nem para um jet, nem para a colômbia, honduras, estados unidos da américa do norte, libéria, África? Certo..

Também para a Sibéria, quem sabe com melhor clima que cabo-verde.

Quantos nem a luz do sol nunca o chega a ser? Quantos segundos??

Miguel Luis disse...

Pronto, confesso que com essa afirmação concordo! Trouxe os fósforos mas não os foguetes...

carol disse...

A palavra "domesticar" já tem, por si só, uma conotação bem negativa, mas na boca destes fulanos torna-se abjeta!

Olinda disse...

Os saudosistas do passado andam com uma febre regressiva,tao grande,que lhes saem estas pérolas negras.O que o homenzinho gostava mesmo,era ter um lápis azul.

Maria João Brito de Sousa disse...

Há palavras que me arrepiam - não, não é da febre... - e esta "domesticação" toda, deixou-me desconfortável... até a mim que já pouco mais posso fazer do que uns sonetilhos para animar o pessoal e, mesmo assim, porque me desafiam... :)