quarta-feira, 25 de abril de 2012

Miguel Portas




Esta é uma notícia que Abril bem dispensava: a morte (estupidamente fora de tempo) do deputado e amigo Miguel Portas!
Abracei-o pela última vez na grande manifestação da CGTP no Terreiro do Paço.
Ainda que por caminhos por vezes aparentemente tão separados... ainda tínhamos tantos abraços para dar e tantas coisas para fazer. Quem sabe, juntos, em unidade... um dias destes...
Até sempre, amigo!

14 comentários:

trepadeira disse...

A morte,por vezes,é tão cega e injusta.

Um abraço,
mário

São disse...

Com Miguel Portas desaparecido e Paulo Portas no Poder, Abril está mais em perigo!

Um abraço fraterno para vós, especialmente para a VovóMaria, que acabei de ver cantando com a Lúcia: que momento bonito!!!

Anónimo disse...

conheci-o ainda menino e já tão cheio de ideais, de propósitos para um mundo melhor!...
a tua Força ficará connosco, Miguel!
Abril, dispensava realmente esta notícia.

vovómaria

Maria João Brito de Sousa disse...

Uma perda para a Democracia e uma vida precocemente roubada.

Graciete Rietsch disse...

A vida é tão injusta!!!!
Não conhecia o Miguel Portas, mas admirava o seu espíriro de luta e a sua coragem.
Desapareceu cedo de mais.

Um beijo.

samuel disse...

Zé Canhão:

Já não é a primeira vez que o senhor deixa aqui comentários no limite do tolerável.
Agora hoje, francamente... o que raio é que se passa consigo?

Não leu o texto?

Se leu, não entendeu que eu era amigo do Miguel Portas, independentemente das suas opções partidárias?

Leu e entendeu... mas esteve-se bem cagando para o que eu sinto ou deixo de sentir com a morte de um amigo?

Achou mesmo que eu iria publicar tal nojeira sobre um amigo que ainda nem enterrado foi?

Não necessita pedir desculpas... até porque não acredito que fossem sentidas.

Passe bem!

Provoca-me disse...

Triste Abril sujo por um governo Fascista, um Presidente Fascista, e pela morte do Portas errado, perdão, pela morte de Miguel Portas. Sinto-me triste por ver partir alguém que eu admirava, embora não fosse do mesmo partido que o meu, tinha o sonho pela Liberdade, e lutava por ela, e pela Democracia. Mas morreu um lutador, mas a luta não morre, e cá estaremos para continuar essa luta, e homenageá-lo lutando.

Anónimo disse...

Quando se luta pela Libedade e se é Democrata, é sempre um lamento que a vida seja tão curta. No entanto quantos se fossem, não fariam cá falta nenhuma!
Vicky

Zé Canhão disse...

As folhas secas continuam a cair.

samuel disse...

Zé Canhão:

Essa das "folhas secas" tem muito que se lhe diga. Seja como for, nunca ouviu o "autor" da frase utilizá-la para "festejar" a morte de um adversário político. Nunca ouviu, nem viria a ouvir, ainda que ele vivesse mais cem anos!

Seja como for, o facto de você vir a "minha casa" insistir no insulto (agora mais velado) ao Miguel Portas, mesmo depois de eu realçar que estava a lamentar a morte de um amigo… independentemente do partido a que pertencia, demonstra que você não é flor que se cheire… para dizer o mínimo dos mínimos.

Que a inteligência, a liberdade e o povo nos livrem de vir a viver num país em que você, ou gente como você, mandem de facto!!!

Zé Canhão. disse...

Não voltarei até porque não sou flor mas apenas um cardo. O tempo tem-se encarregado de demonstrar quem tem razão. De qualquer forma não voltareimais.

samuel disse...

Zé Canhão:

É absolutamente extraordinário que ainda não tenha conseguido entender que, vindo a um blog particular, onde publiquei um texto lamentando a morte de UM AMIGO PESSOAL, insultar o amigo que morreu não é um insulto para ele, mas para mim.

Sempre pensei que com a ajuda da explicação (na impossibilidade de fazer um desenho) o senhor chegasse lá...

Como não se trata de ver quem tem ou não tem razão… mas sim de adoptar um comportamento de ser humano… saúdo a sua "esclarecida" o muito oportuna atitude de não voltar mais.

Até sempre.

Anónimo disse...

Boa noite

Mais uma vez, estamos de acordo. O Miguel Portas, mesmo com diferenças ideológicas, ficará na minha memória como, integro, honesto, simples dentro da sua enorme sabedoria, da sua presença coerente e "fiável"!
Se eram amigos, um abraço, pela perda, não só sua, mas um pouco de todos nós.


O chato de sempre!

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Até sempre, Miguel.