quinta-feira, 23 de maio de 2013

O nojo


Mais uma vez, como é seu timbre, o governo acanalhado que os “mercados” nos impõem, finge que recua numa medida. Desta vez, consciente da ilegalidade – à luz da Constituição ou do simples bom senso – da sua ideia inicial de banir, para sempre, os funcionários públicos que aceitassem rescindir o contrato com o Estado, o governo faz de conta que recua, quando, na verdade, está apenas a tentar “contornar” (como gostam de dizer) um possível chumbo do TC para esta medida.
Assim, o funcionário que rescinda “amigavelmente” o seu contrato, já não fica impedido de voltar a trabalhar para o Estado, para o resto da vida... mas apenas durante um “período de nojo”.
Claro que, como seria de esperar de um governo que quer enganar o TC e a opinião pública, o “período de nojo” que é imposto é de tal maneira desmesurado que, na prática, qualquer funcionário com um pouco mais de idade, fica efectivamente afastado para sempre.
A título de exemplo: a última vez que li sobre as “compensações”, o governo admitia pagar um salário e meio por cada ano de trabalho, ou seja, um funcionário com 25 nos de trabalho, logo, podendo ser uma pessoa com, digamos, cinquenta anos, teria direito a (aproximadamente) trinta e oito salários de “compensação”.
Ora, como na presente intenção do governo, o “período de nojo” corresponderá a quatro vezes o número de salário recebidos... isso que dizer que este nosso trabalhador poderá voltar a trabalhar para o estado passados... 152 meses, ou seja, passados mais de doze anos, ou seja... depois dos 62 anos de idade. Brilhante!
Como comentário gostaria de dizer que:
Primeiro, deve haver por aí bem mais do que um tribunal que não aplicaria uma “pena” tão pesada ao funcionário público, caso este tivesse atropelado mortalmente o chefe... desde que ficasse provado que tinha sido sem querer.
Segundo, não é por detestar muito solenemente o termo técnico “período de nojo”... mas diria que este tempo, em que vivemos presentemente, é que é o verdadeiro
Período de nojo!

8 comentários:

Antuã disse...

Os partidos da troika já metem muito nojo.

augusta disse...

Na verdade, basta fazer contas... e querer ver, saber reparar, usar a cabeça, pensar! E depois saber agir!

Na verdade, isto é um nojo! Não, Samuel, nojo são "eles" não este texto que para mim brilhante é!

Idos de perto, idos de longe, dia 25 estaremos lá. Que porcos na autoestrada não nos voltem a aparecer, de nojo basta, com os "outros" tentaremos nós correr.

Graça Sampaio disse...

Aviltante! E nunca mais arranjamos coragem para correr com eles nem que seja à força! Aliás só pode ser «à força» ou se se der um cataclismo. Porque se estamos à espera de ação por parte do energúmeno do palácio cor de rosa, bem podemos esperar sentados. Ou deitados, mesmo!

À luta!

trepadeira disse...

Já nem para fazer composto servem,estão demasiado poluídos.

Abraço,
mário

Graciete Rietsch disse...

Nunca tão significativa foi esta palavra "nojo" aplicada a este governo e seus cúmplices!!!

Um beijo.

Provoca-me disse...

Olá Samuel a minha questão é se fosse um governo honesto a compensação seria de que valor?

samuel disse...

Provoca-me:

Essa é simples: nenhum!

Principalmente porque se tivéssemos o tal governo honesto… não haveria lugar a despedimentos na Função Pública.

Segundo contas feitas por organismos que tratam dessas coisas, Portugal não tem FP a mais, ao contrário da lenga-lenga do costume.
Estamos abaixo da média de vários países civilizados.
Mais… em alguns sectores, há mesmo falta de Funcionários Públicos.
Se estivéssemos a falar de uma VERDADEIRA reestruturação dos serviços públicos… outro gaço cantaria.

Abraço.

Provoca-me disse...

Abraço. E obrigado.