sábado, 18 de maio de 2013

Cavaco – Uma questão hierárquica


Depois de ver profusamente comentada nas redes sociais a obsessão de Aníbal Cavaco Silva com os cidadões, esquecendo as gentes das vilas e aldeias, “vilões” e aldeões... deixo aqui duas perguntas directas ao senhor "presidente" da nossa infeliz República:
1. Acha mesmo que os “cidadões” são assim tão mais importantes do que os “vilões” e os aldeões?
2. Se for assim, porque raio é que temos os vilões a governar e a mandar nos “cidadões” e aldeões?
Adenda: Este texto foi escrito ao abrigo do novíssimo acordo horto-gráfico de Boliqueime.

8 comentários:

Maria disse...

LOLOLOLOLOL...........
Falta de pachorra, mesmo!
Brilhante o jogo de palavras.

Bom fim-de-semana.

Anónimo disse...

Neste momento tão negro em que se vive, só mesmo o Samuel me faz dar umas boas gargalhadas! Ainda não pagam impostos até ver!
Saudações
Vicky

Luis Filipe Gomes disse...

Mais uma maravilha este texto.

Um ditado medieval dizia: "Gente de Lisboa, má gente!"
Levei anos a perceber que isso não se devia aos cidadões alfaces mas sim aos aldeões e vilões que já nesse tempo vinham dos hortos de Santa Comba e Buliquême.

augusta disse...

Sobre este texto, duas palavras.
BRILHANTE!
ADOREI!

Obrigada Cantigueiro.
Num "já" que espero seja breve
Até já!

Domingos da Mota disse...

Corrigenda à Adenda: "novíssimo acordo horto-gráfico" da Aldeia da Coelha.

Antuã disse...

A besta tem muita saúde. Com ela os médicos ficariam sem emprego.

do Zambujal disse...

Muito bom, ó cidadão da aldeia (ou da vila?)!

Um abraço

cristiana silva disse...

É verdade!! Parece mesmo que temos vilões a governar portugal. Enfim só desejo que a nossa situação possa melhorar cada vez mais e mais e mais.