sexta-feira, 3 de maio de 2013

Assunção Esteves – Sem um pingo de vergonha na cara!


Hoje, mais uma vez, os trabalhos do Parlamento foram momentaneamente interrompidos pela “Grândola”. Desta feita, cantada como protesto, por um grupo de aposentados, pensionistas e reformados da “APRE”.
Dito isto, não posso deixar de ser solidário com a acção de protesto, por respeito aos tantos e tantas que, também naquela associação, lutam com dificuldades.
Seja como for, este texto não é sobre o protesto, nem um ensaio de crítica musical à presente interpretação da “Grândola”, mas sim sobre a inclassificável desfaçatez da Presidente da Assembleia, que teve a distinta lata de criticar os manifestantes com as seguintes palavras:
Fantástico! E eu a pensar que aquilo que não “ajuda a democracia”, entre tantas outras coisas conhecidas, é o facto de a descaradona doutora Assunção Esteves, como recompensa por uns escassos anos de trabalho, estar reformada desde os 42 anos de idade, com uma reforma de milhares de euros mensais. Uma reforma tão choruda, que a fez prescindir do ordenado de Presidente da Assembleia da República! O que não “ajuda a democracia” é o facto de eu apostar que a doutora, aposentada desde tão “tenra” idade, não vai ter uma palavra de incómodo, quando presidir à votação do aumento da idade da reforma para os milhares e milhares de trabalhadores que não tiveram a sua “esperteza”.
A confirmar que, cada vez mais, de todo o conjunto que forma aquela figura pública (incluindo o carácter) já se salva apenas o corte de cabelo. O resto, muito francamente... começa a provocar náusea!

Adenda: Alertado para o facto (fruto de alguma confusão "jornalística", que devia ter destrinçado) de esta associação nada ter que ver com Filipe Pinhal (o indignado reformado dos 70.000 euros mensais)... agradeço o alerta, tendo já procedido à correcção do texto.

21 comentários:

karlos disse...

Se não estou enganado, o Pinhal representa é o movimento dos "Reformados Indignados"
Cumprimentos.

São disse...

Se calhar até tem razão..será que ainda estamos em democracia?! Tenho bastantes dúvidas!!

Bom final de semana

Anónimo disse...

leia o blog da ARPE! antes fazer ligações ao sr. Pinhal:

http://apre-associacaocivica.blogspot.pt/2013/03/noticias-apre.html

samuel disse...

Karlos:

Toda a razão!
Muito obrigado pelo alerta!
O texto já está corrigido.

Saudações.

samuel disse...

Anónimo (16:44):

Muito obrigado!
Não deveria ter caído nesta confusão!
Ainda chegou a tempo de uma correcção do texto, antes que se passassem horas sobre o erro.

Saudações.

Jorge disse...

Ela Esteve(s) muito mal!!!

Anónimo disse...

sera que os portugueses ainda teem algum respeito por pessoas como estas eu não.......

augusta disse...

Uma vergonha. Roubar... roubar... roubar.

E ajuda democracia, o meterem a mão descaradamente no bolso de quem tantos anos trabalhou e descontou? E ajuda a democracia o elevado desemprego, toda esta miséria que por todo o lado se vê, o ataque à escola pública, à cultura, ao SNS e a tudo o que lhes cheire a conquistas de Abril? Ajuda a democracia o vira o disco e toca o mesmo, o conformismo, o vamos andando com que não vamos a lado nenhum?

E esta senhora Esteves, em que ajudou até hoje a democracia? Esteve(s),está, nunca deveria lá ter estado.
. . .
"não me digas que nunca sentiste
uma força a crescer-te nos dedos
e uma raiva a nascer-te nos dentes"
. . .

Graça Sampaio disse...

Uma autêntica «barata loura»! tanta graça lhe acharam quando foi escolhida, só pelo facto de ser mulher!... Eu, francamente, sempre a achei uma verdadeira linguiça loura com falinhas mansas. Detesto falinhas mansas!

Hoje estou pior que podre com estes fulanos do PSD/BPN!!!

Graciete Rietsch disse...

A democracia faz-se com e pelo POVO e não com uma política descaradamente a favor do imperialismo capitalista.

Um beijo

José Freitas disse...

Há uma coisa que neste blog não se clarifica. Filipe Pinhal é da alta sociedade. Deve ser comparado com a alta sociedade, concretamente com os patriotas Alexandre Soares dos Santos e Belmiro Azevedo, que pagam os seus impostos na sua pátria que é a Holanda.

Olinda disse...

Bem,acho que nem o corte de cabelo fica a salvo,mas fosse ela careca e respeitasse
a justa indignacao de quem se vë continuamente roubado,estaria a fazer um melhor servico ä democracia,e nem se reparava na cabecinha.A democracia para estes fascistas,serve para roubar aos pobres,para dar aos ricos.

Um abraco

Anónimo disse...

Estou farta deles mas acredito na Democracia.
Vicky

Bolota disse...

Samuel,

Acho que o meus post sobre saramago se deve ter extraviado...só o lancei porque achei ter ahum interesse.

Pelo facto peço desculpas

samuel disse...

Bolota:

Posso estar errado... mas parece-me que não. Tens um comentário que fala do Saramago... mas está publicado aqui no post anterior, de nome "Abjecção de consciência".

Provavelmente foi um lapso da tua parte... e querias ter escrito o comentário aqui. :-) :-)

Abraço.

Bolota disse...

Samuel,

Ser Baleizoeiro tem destas coisas, parvo todos os dias.

Mas já agora sobre a moçoila que gritou a plenos pulmões para os reformados que estiveram nas galarias da Assembleia que estavam a prestar um mau serviço á democracia. dizer-lhe apenas isto: Minha vai-te catar, quem és tu para te apropriares da palavra democracia???


Abraços

Antuã disse...


A nossa é a democracia. a dela é a democra-CIA.

Anónimo disse...

E a minha é a demo-KGB-cia.

Antuã disse...


Ó meu querido anónimo, meu excelso senhor, meu ilustre anónimo, a tua eu bem sei qual é!...

Anónimo disse...

Muito sinceramente... acho que estão a ver coisa muito pela superficie.
Qual de vocês, na posição da senhora, não iria usufruir de uma regalia que o estado permite.

É mais facil odiar uma cara, mas pensem um bocado.
É o sistema que permite estas situações é que está mal.
E pensem também... quantos outros casos existem como este que Portugal desconheçe.

O Ingunurante disse...

A Dótôra Assunção Esteves teve um lapsus linguae. Queria dizer "Ineptocracia" (Sistema Político num Estado governado por incompetentes) e disse "democracia" que é uma palavra que ela ouviu na cabeleireira quando foi pintar o cabelo, mas, coitada, não sabe o significado do termo. Segundo testemunhas oculares ela perguntou à cliente que estava ao lado:" é um governo do demo, não é??". Ao que a pobre cliente, sabendo quem ela é, para a não humilhar, esclareceu: "sim, é mais ou menos isso...". E para poder rir à vontade foi a correr para a casa de banho. Consta que as gargalhadas eram tão altas que se ouviam até no Cemitério dos Prazeres. Com os mortos a rebolarem-se de gozo dentro dos caixões...