quarta-feira, 16 de julho de 2008

Rápido como o raio...



Tão lesto como me foi possível, lá fui tirando umas fotografias, durante a palestra de Vítor Constâncio, sobre o estado da nossa economia, economia essa que não pára sossegada, ora andando para os lados, ora andando para trás, ora avançando vertiginosamente... como podem ver pelas duas únicas imagens nítidas que consegui, tal é o frenesim...
Igualmente frenética é a torrente de informações que brota do cérebro de Constâncio a uma tal velocidade, que se não fossem as doses cavalares de calmantes que toma antes de fazer estas comunicações, não apanharíamos uma só palavra, quanto mais uma ideia. Assim a coisa fica insuportavelmente analgésica, mas entende-se praticamente tudo.
A função deste governador tem sido basicamente a de estender a passadeira para as medidas do governo avançarem devidamente "justificadas" pelo Banco de Portugal, mesmo quando vem apenas confirmar coisas que já todos sabíamos e que só o governo não admitia, mas atendendo a que o que um Governador de um banco central pode fazer realmente de decisivo num país integrado na Zona Euro não justificaria nem metade do ordenado que Constâncio ganha no Banco de Portugal, para "merecer" o resto do gordo vencimento o homem tem de fazer estes fretes a José Sócrates.
Ficamos assim a saber que o crescimento vai ser bastante menor do que o "previsto", que a inflação vai ser bastante maior do que a "prevista" e que a existirem variações nestas novas "previsões" será sempre para ainda pior.
A reter, fica a recomendação de nem pensar em baixar impostos, de nem pensar em fazer uma actualização intercalar dos vencimentos daqueles milhares de portugueses que já por vários anos consecutivos vêem o seu poder de compra baixar por serem liminarmente intrujados exactamente quanto à inflação "prevista". Poucas horas depois lá estava na televisão o genial Sócrates confirmando que realmente, "aumentos agora nem pensar pois isso iria prejudicar justamente os que precisam"... (confesso que esta não "apanhei" na totalidade).
Como excepção numa tarde de revelações e previsões negras, uma única boa notícia. Segundo o imparável Constâncio, esta altura é a ideal para o governo lançar reformas e tomar medidas ainda mais restritivas e gravosas, pois dada a dura e generalizada crise, as pessoas podem "compreendê-las melhor".
É essa a chave da questão. Não temos compreendido devidamente os nossos esforçados governantes!

11 comentários:

Anónimo disse...

Genial essa tirada de Vitor Constâncio: as pessoas podem "compreendê-las melhor", ou seja "quanto mais me bates mais gosto de ti"...

Aqui para os meus lados a indivíduos como este chama-se "galego", "aguadeiro", "moço de recados".
E o pulha do Sócrates fez o debate do estado da nação com este tipo com o bico calado.

fj disse...

talvez quizesse dizer :

"...iria prejudicar INjustamente os que precisam..."
um abraço

** L e n a ** disse...

Não existe uma canção que diz
"O! Zé aperta o cinto !"
Com esses "regimes" governementais, "regimes" laborais, e mais outros "regimes" ja nem é preciso fazer grande regime para entrar no fato de banho.

Adorei teu post

Bjos

samuel disse...

fj

Talvez... mas como (e porquê) acreditar nele? E o que é que os que de facto mais precisam ganham em ver o número dos que "mais precisam" aumentar todos os anos, fruto de opções erradas de vários governos seguidos, enquanto uns poucos arrebanham descaradamente muito mais do que a totalidade do dinheiro os primeiros "mais precisam"?

Abraço

samuel disse...

Queria dizer "a totalidade do dinheiro QUE os primeiros...", etc.

Abraço

Anónimo disse...

A Mafia está bem organizada. Até ver.

Anónimo disse...

Excelente post. São sempre muito bons, mas por vezes exageras.
Para dar uma contribuiçãozinha, lembraria o que se faz um enorme esforço para que não seja lembrado: este sr Vitor (e) Constância está neste rumo (ou ramo) desde 1974, propondo sempre o mesmo, exigindo do alto da sua rePUTAção de grande técnico moderação salarial, prioridade absoluta para as finanças, isto é, grandes grupos e especulação, e neste percurso passou por secretário-geral do PS (lembram-se?!: foi às legislativas com o Cavaco).
Um grande abraço

Orlando Gonçalves disse...

Bem a culpa é da crise internacional, já foi do défice, já foi da conjuntura, já foi do raio que os parta..., que mais vão estes sr. de colarinho branco inventar para desculpar as suas más prestações.

Lúcia disse...

Bom, medidas mais gravosas para a malta encaixar melhor - faz lembrar as reguadas da escola. Ridículo, no mínimo..
Mas quem sabe, não despertam as consciências deste país que eu sinto um bocado...letárgicas. E ela anda aí à espreita...
Beijos

Fernando Samuel disse...

Vejam bem, as novidades que o Constâncio nos deu: quem é que ia imaginar coisas destas?

Maria disse...

E depois das declarações de Constâncio o outro ainda tem a desfaçatez de vir dizer que "apesar do crescimento ser inferior ao previsto, é um dos maiores da União europeia"...
Depois nós é que somos assim e assado porque dissemos que etc. e tal...
Não têm (nunca tiveram) um pingo de nada na cara.

Abreijos