quinta-feira, 15 de julho de 2010

Ideias que valem ouro



Está decidido! Resolvi dar uma entrevista de várias páginas à revista “Rolling Stone” e mais quatro ou cinco revistas e outros tantos jornais dos mais dedicados a estas coisas das cantigas. Farei também a gravação de um concerto acústico para a “MTV” e outro para o canal “Mezzo”.

E pronto! Agora só me falta “convencer” umas empresas públicas e outras, participadas pelo Estado, a pagarem a peso de ouro alguém, em todas estas revistas, jornais e canais de televisão, para que tenham um súbito e grande interesse em “convidar-me”.

Deve resultar. Pelo menos, ao que parece, resultou com a entrevista de José Sócrates ao “Financial Times”... entrevista em que, independentemente da possível polémica com os “patrocínios”, ou o facto de haver quem ache que a entrevista não passa do exemplo de como «abdicar dos interesses nacionais», os jornalistas do poderoso jornal com sede no Reino Unido, não sei se a sério, se a gozar com ele, classificaram o político português como um «optimista invertebr... perdão!, inveterado».

Não vou parafrasear Sócrates (quando na entrevista desafia a que se aponte outro país em que se tenham feito mais reformas) para vos pedir que me apontem algum outro país com governantes deste calibre... pois, desgraçadamente, há muitos, como mostra claramente o avanço da injustiça, da exploração e da miséria por esse mundo fora.

10 comentários:

Lelé Batita disse...

Olá Samuel
Já leio o seu Blogue há algum tempo. Agora decidi mais uma amiga pô-lo a cantar na minha homepage. Convido-o a visitar a "Pérola de Cultura":
http://peroladecultura.blogspot.com/2010/07/fala-do-homem-nascido.html
Abraços.

E Holé! disse...

Do rabo do touro passou a ministro e porto-gay!

samuel disse...

Lelé Batita:

Já visitei! :-)))

Abreijo.

samuel disse...

E Holé!:

Ó holé, esta coisa não justifica que eu a apague... mas se era isto que tinha para dizer, acha que justifica o evidente enorme esforço intelectual a que se sujeitou para o escrever?

Graciete Rietsch disse...

Infelizmente há muitos!!!!!!!
Vai ser preciso lutar, lutar muito, para conseguir uma alternativa.

Um beijo.

Lelé Batita disse...

Samuel
Obrigada pela visita.
Vá passando e... cantando.
Que nunca a voz lhe doa...
... e nem a mim os dedos!
Abreijos. :-))

Lola disse...

Que se vendam os anéis e fiquemos com os dedos.
Adivinha:

Oiro rima com o quê do Toiro?

E Holé. Acertaram! Viva o nosso 1º a cavalo em nós!

Fernando Samuel disse...

Sócrates como este?: ui, é o que não falta, por esse mundo fora...

Um abraço.

maia disse...

Alguém acredita que se a entrevista de José Sócrates ao "Financial Times", fosse de interesse para Portugal, a teriam feito? O acordo entre Portugal e Inglaterra, desde o "apoio" que este país nos deu durante as invasões francesas, a quem beneficiou? O que leva um governante a este papel , eis a incógnita, ou não!!
Abreijo

Membro do Povo disse...

No inicio do teu post fases uma excelente critica ao modus operandi da industria musical. Estilos musicais, bandas, músicos, cantores, músicas são seleccionadas e apresentadas ao público com ordem para consumir o produto apresentado. Não existe uma verdadeira escolha dos consumidores de cultura, antes uma imposição da grande industria.