quarta-feira, 21 de julho de 2010

Passos Coelho – Romagem ao passado



Pagando pela descarada traição aos seus próprios eleitores o PS perdeu a maioria absoluta nas últimas eleições. Se continuar pelo mesmo caminho – e não se vê como poderá alterá-lo, com este Secretário Geral e este Governo – no próximo acto eleitoral a sangria de votos continuará, o que o fará perder o poder.

Entra em cena o recém-empossado Pedro Passos Coelho, presidente do outro partido “numeroso” do panorama político nacional. Mesmo atendendo a que uma boa parte do trabalho sujo já foi feito pelo executivo de Sócrates, não serão tempos fáceis, aqueles que se aproximam. Desengane-se quem pensa em Passos Coelho como sendo um rapaz simpático com voz de locutor (piroso) de rádio de local. Não! Por detrás daquele ar de manequim de montra da Rua dos Fanqueiros, daquela expressão vazia em que apenas se destaca o tique afectado e irritante das “boquinhas”, enquanto fala, está um oportunista ambicioso que planeia este momento já desde os bancos da escola e da JSD.

Passos Coelho, na sua ânsia de agradar à velha escola mais conservadora do seu partido, quer mostrar-se tão amante de Sá Carneiro, que pretende fazer regressar o país exactamente aos tempos da juventude de Sá Carneiro, ao Estado Novo, eufemismo normalmente utilizado para nomear o fascismo português.

Nesta questão da revisão da Constituição da República Portuguesa, até o facto de a apresentar completamente fora de tempo, mostra, no entanto, que para já está apenas à pesca de reacções. Está a medir o pulso ao sentir da “rua” e dos partidos da esquerda, incluindo o que resta de esquerda no Partido Socialista. Aí temos, para o provar, esta revoada de “propostas”, chocantes até para alguns dos membros do seu partido. Cenouras, para um patronato inculto e sem vergonha, que não vê outra saída para a (sua) crise, senão a exploração desenfreada dos seus “colaboradores”. Puras provocações, para quase todo o resto da sociedade. Em termos globais, um retrocesso civilizacional cozinhado por um grupo liderado, ironicamente, por um monárquico, o calhordas Paulo Teixeira Pinto, corrido do BCP por incompetência... (embora com os bolsos recheados de milhões) e que foi o melhor que Coelho imaginou como cérebro para estudar a revisão da Constituição da República.

Sobre cada uma das “propostas” do PPD-PSD, como, por exemplo, a fúria privatizadora – que pelos vistos o PS não conseguiu satisfazer na totalidade – em sectores como o ensino, a saúde, ou o que resta do sector público da economia, vamos ouvir falar muita gente nos próximos dias. Interessará estar atento e ouvir... de preferência quem sabe o que diz e diz a verdade. Quem tenha dado provas de não querer enganar e trair os portugueses.

Por mim, estou convencido de que o caminho ascendente que Passos Coelho e o PSD vinham fazendo, foi interrompido, ou pelo menos, desacelerado, por este ruidoso tiro no pé. Passos Coelho mostrou que, mesmo sendo inegavelmente ambicioso, é também algo estúpido. O facto de andar já a multiplicar-se em "explicações" e "ponderações", talvez mostre que até ele já o percebeu.

Quem, sem ser por estupidez, acha que atrai eleitorado, obrigando uma grande fatia da população a passar pela humilhação de ter que fazer prova de pobreza nos Centros de Saúde, para que lhe seja concedido o direito a um tratamento... isto quando uma grande parte desses “novos pobres” ainda nem é sequer capaz de assumir a sua situação?

Quem, sem ser por enorme estupidez, acha que o momento em que existe em Portugal um número de desempregados que já ultrapassa em muito os 600.000... e que não pára de crescer, é a oportunidade ideal para “legalizar” os despedimentos individuais por dá cá aquela palha?

Resumindo, se Passos Coelho está "à pesca", a medir o pulso à capacidade de resposta dos trabalhadores e do povo em geral, espero que tenha prontamente essa resposta: clara, sonora, em cheio no meio da cara!

13 comentários:

Antuã disse...

Eu dava uns passos para dar uma cacetada atrás das orelhas do coelho.

Maria disse...

E depois o tal pano encharcado na cara...

Abreijos.

salvoconduto disse...

O homem sabe que não tem propostas válidas para o país, daí a cortina de fumo. Entretanto quem esfrega as mãos é o seu par do tango. Siga o baile.

alex campos disse...

O protofascismo em cena, muito por culpa do "ps" que lhes preparou o caminho e fez-lhes a painha quase toda. Estas propostas do Passos são nitidamente um grande opção de classe e um autêntico golpe de estado.

um abraço

Graciete Rietsch disse...

Não prevejo nada de bom nestas aparentes contradições entre PS e PSD sobre a revisão da Constituição.

Um beijo.

Mando pá cerca disse...

Ó Zéi andão prái a falari no coelho amodes qu'albardari a contituição home!


- Olha tou memo a vê-lo caçar umas nas trombas na tarda nada!

- Tem cuidado Jaquim vái lá gordadri a espengarda senão ainda Fffff até tameim.

- Mando pá cerca .. apre tanto burro!!!

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

P. P. C., um "menino de coro" que mais o seu Partido terá de ter a devida resposta; quem houvera de dizer que tão depressa deseja apresentar o ... inicio do regresso ao passado.

Fernando Carvalho disse...

Vim, sem contar, a este artigo,mas não perdi o meu tempo. Sinceramente, fico muito satisfeito por verificar que "AINDA" há portugueses com discernimento. Parabens pela análise, assim a sua objectiva e essencial mensagem passe para todos.

Membro do Povo disse...

Paços Coelho é um canalha mas não é estúpido! Ele é um agente do grande capital e dança conforme o grande capital precisa que ele dance, com todo este aparato até faz com que Sócrates (que como disseste pagou caro a traição) pareça um homem de esquerda, e portanto, age como uma válvula de contensão perante as medidas menos más (na verdade tão más, mas mais lentas) do governo, e contendo assim alguma contestação.
Talvez Paços Coelho seja mesmo estúpido, mas que lhe puxa os cordéis não o é.

Fernando Samuel disse...

Nem mais: clara, sonora, em cheio no meio da cara...

Um abraço.

Anónimo disse...

Um dia na floresta estava um enorme urso pardo a defecar quando por perto passou um coelhinho de pêlo cândido e alvo.Então o urso preguntou-ó coelhinho,tú largas pêlo?
-Eu não!respondeu o coelhinho.
Então o urso pegou nele e limpou o cú.moral da coisa,quantos mais ursos melhor.

Elísio Alfredo disse...

Mao era com um pano, enxarcado ou não, era com um gato morto até o gato miar...

Ivo Rafael Silva disse...

Excelente artigo.

Saudações!