segunda-feira, 19 de julho de 2010

Paulo Portas - A culpa poderá morrer solteira... mas sempre foi muito promíscua



Na fotografia podemos ver o dirigente do CDS e ex Ministro da Defesa (e do mar) quando há tempos foi condecorado por bons serviços prestados ao Império, pelo assassino e corrupto aproveitador de crimes de guerra, Donald Rumsfeld, um dos braços direitos de George Bush (sim... Bush só tinha braços direitos! Vários).

Paulo Portas está com saudades do poder, anseia por voltar ao ambiente dos ministérios. Anseia tão ostensivamente... que até parece que, na verdade, se esqueceu de fazer algumas fotocópias importantes, ou necessita urgentemente de resolver algum assunto que tenha por lá ficado, pendente, na negociata dos submarinos.

Paulo Portas não anda bem! Como já mais do que um analista sublinhou, sempre que Portas e o CDS descem nas sondagens, ele sente uma súbita necessidade de questionar a segurança, questionar a imigração, agitar o medo... de tal maneira que por vezes temo que um dia se resolva a fazer como o louco brasileiro, apresentador e autor de um programa de televisão sensacionalista, de “combate” à criminalidade, que, na falta de crimes reais, patrocinava criminosos que, por encomenda, cometiam assassínios, raptos e assaltos, de forma a que o seu programa tivesse a cobertura exclusiva, em cima da hora... e melhor “combatesse” o crime ao vivo e em directo.

Paulo Portas é também exímio em frases “de belo efeito”, uma coisa que praticamente só se usa no futebol... mas nos “gestos técnicos”. Neste debate sobre o Estado da Nação, não se aguentou e lá produziu a “proposta” idiótica de se formar um governo sem recurso a eleições, com uma composição política completamente contrária ao sentido dos votos expressos no último acto eleitoral. Conseguiu o seu propósito: nos dias que se seguiram, só se falou da sua “proposta”. Isto leva-me ao caso de que quero, na verdade, falar hoje.

No dia seguinte ao debate no Parlamento, decorria na RTP-N uma rubrica chamada “Vice-Versa”, de que não sei se alguma vez percebi o “vice”, mas seguramente não vi o “versa”... abrilhantado pela senhora Manuela Arcanjo e o senhor Bagão Félix, ambos economistas, moderada e apresentada pelo jornalista João Adelino Faria. A certa altura do “debate”, o apresentador pergunta a Bagão Félix: «O senhor acha que a oposição está a fazer a sua obrigação? Quero dizer, acha que o PSD e o CDS-PP estão a apresentar propostas... ...?» Ainda pensei que a ligeira pausa era para respirar e depois acrescentar os restantes partidos da oposição, mas não. Era mesmo para que Bagão começasse a responder.

E pronto! De uma assentada, o jornalista apagou do panorama político e partidário 20 por cento de eleitores que efectivamente se empenharam e votaram. Assim se ajuda a construir o embuste em que assenta a actividade política dominante. Assim se “vende” o cenário da alternância... mas sempre entre os mesmos.

Ninguém, ou quase ninguém, está isento de culpas nesta estória feita de alheamento colectivo, alienação e lento regresso ao passado. Não há, portanto, ninguém, com a exclusividade da responsabilidade. Mesmo assim, gostaria de um dia poder perceber quanto do desmoronamento da nossa democracia se deve exactamente a esta espécie de jornalismo merdoso, preguiçoso e ignorante... quando não é mesmo corrompido e cúmplice.

12 comentários:

LAM disse...

Não se preocupe o Samuel que não foi avaria no seu aparelho de tv. Cá em casa vi e ouvi exactamente a mesma coisa.

Maria disse...

Provavelmente quase 50%... estes 'fazedores de opinião' vão enchendo os ouvidos de quem os vê/ouve e o resultado está aí...

Abreijo.

Membro do Povo disse...

Jornalismo merdoso? não queres dizer propaganda politica assente na ideologia capitalista?

Anónimo disse...

Esse jornalista há uns tempos moderava debates políticos no Rádio Clube em que convidava pessoas de esquerda. Sempre achei estranho! Ninguém o fazia noutros meios de comunicação social. De repente desaparece e vai para a RTP norte. Tudo isto me parece muito estranho e não duvido nada da sua opinião. Mas concordo consigo,aliás, não existe oposição ( para os jornalistas) uma vez que não se pode considerar o PSD e CDS como tal. Temos uma classe de jornalistas e de políticos merdosos e manipuladores. Que pena numa jovem democracia. Mas talvez seja por isso mesmo, este povo ficou cego por 40 anos de ditadura e continuam a adorar tudo quanto é repressão e repressores, por isso se identificam com os Portas, os Passos e os Sócrates da vida.
Bom trabalho!

Suq disse...

Condes-curas e amerdalhados em fila de espera até na noxa terrinha Benja Deuuuss.


Ou como a batuta coirada poderia ser bem enfiada. (rica piada) LOL

Elísio Alfredo disse...

Dos nossos canais fugi a 7 pés quando descobri, imaginem, logo que me entrou o sinal digital em casa, a TELESUR. Matei os nossos e passei a acompanhar os acontecimentos "em pleno desarrollo", como diz o Walter Martinez, em directo. Que me dizem o que as populações da América Latina estão a fazer, por eles e por nós todos.
Dos nossos jornais, depois de abrir as edições online comecei a desconfiar de que o patrão de todos é seguramente o mesmo, já que o paleio é todo igual. Fuji para "odiário.info", "resistir.info", "telesur.net", "rebelion", "le monde diplomatic", "resistir sin permiso"... e por aí fora.
Então mas e nós? Nós? Passa-se, por enquanto, alguma coisa de novo por cá? Tortas? Portas? Passa, eu sei que passa, mas escondem-no-las...
Um abraço.

José Rodrigues disse...

Merdoso corrompido e cúmplice sim senhor...às carradas!


Abraço

Miguel Jeri disse...

É de facto um "jornalismo" indignante, de tal forma que tenho de me controlar para não generalizar aos que ainda vão fazendo o seu trabalho com respeito e isenção. Boa posta!

Graciete Rietsch disse...

Jornalismo comandado e portanto cúmplice.
É triste ter que recorrer a informação estrangeira para desmascarar as mentiras que todos os dias nos impingem.
Mas,felizmente, ainda temos o AVANTE.
Um beijo.

Antuã disse...

Os verdadeiros jornalistas estão na prateleira.

jrd disse...

Homem de muito alimento, o Adelino Faria, João, aprendeu na malga da sic e não só...

Fernando Samuel disse...

Muito, muito muito...

Um abraço.