sexta-feira, 23 de julho de 2010

Todos louros, de olhos azuis... e magros! Schnell!!! Schnell!!!



Os neoliberais não cessam de surpreender... quase sempre pelas piores razões. No caso de que falo hoje trata-se de um alemão, do Partido alegadamente Cristão e nada Democrata... que entre outras coisas, serve apenas para conspurcar a sigla CDU.

Um deputado daquele partido germânico, Marco Wanderwitz, decidiu que está na hora de criar um novo imposto a ser pago pelos obesos. Segundo ele «é preciso discutir se os custos avultados que resultam de uma alimentação excessiva devem ser assumidos a longo prazo pelo sistema de saúde».

Esquece-se a besta de que, para além do carácter genericamente nazi da sua ideia, uma boa parte dos obesos não ficam doentes por serem gordos, antes pelo contrário, ficam gordos por serem doentes.

Aí temos mais um “tique” fascista... e mais uma vez de carácter “sanitário”. Começou com a demencial perseguição aos fumadores... e quase ninguém se importou, porque os fumadores são uns chatos que merecem morrer; segue agora com a perseguição aos gordos – já existem companhias aéreas a barrar o acesso aos gordos... a menos que paguem dois bilhetes, para além da descarada discriminação no mercado de trabalho – coisa que deixa os magros divididos entre a indiferença e o vago divertimento; a lista do que poderá seguir-se nas higiénicas mentes dos fascistas da saúde e guardiões dos costumes é vasta.

Talvez seja altura de tanto os fumadores, como os gordos, como outros doentes crónicos atacados de maleitas que possam delapidar o erário público, começarem a ser taxados com antecedência... para ajudar a financiar os novos campos de extermínio, o transporte em vagão, os fornos, o gás...

12 comentários:

isabel cardoso disse...

Dolorosa ironia mas muito lúcida...

Maria disse...

Cruzes! Vaderetrosatanás!
Mais umas migas e umas empadas, por favor...

:)))

Abreijos.

José Fontes disse...

Apraz-me dizer: Creepy... raio de memória mais assustadora...

Antuã disse...

Os nazis não têm um fim para a sua imaginação esterminadora. Os Coelhos e os Sócrates também são assim.

Graciete Rietsch disse...

É incrível. Atacar os doentes em vez das doenças.
E algumas pessoas são obesas porquê?
Porque não têm rendimentos que lhes permitam fazer uma alimentação saudável.

Beijos.

exculpem á disse...

Atão ê sou alentjanito papa açordas com munto pânito, vou cmeri açordas cu quei hã?


Ele há cum cada chaparro - olha vou mas éi bater uma sesta e por mori das temas levo a moca - quist só com munta mocada cumpadris!

Tou cheio de gásis - na sei se foi do fejão cum couvis - exculpem lá!

Fernando Samuel disse...

E olha que já estivemos mais longe disso...

Um abraço.

trepadeira disse...

Olá

Como é que o nazizito se esqueceu da bayer e quejandos?Sempre foi fácil,muito fácil,a estas marionetas chegarem ao poder.
Já ando a pôr oleo no cão.
A moca,só,não chega.
mário

Orlando Gonçalves disse...

Samuel: tens toda a razão com o que dizes, estamos a criar homens e mulheres "montros", por culpa de quem lhes ensina. As faculdades estão cheias de inevitabilidades dessas. Estamos aos poucos a matar o livre pensamento e a vontade de cada um.

maia disse...

Há situações tão graves, que já não podem ser levadas a brincar, ou mesmo só com ironia. Temos de estar muito atentos, não desistir, mas já não podemos brincar. Eles, fascistas, aí estão, a espreitar, para poderem entrar, por uma fresta que seja. E tudo lhes serve. A obesidade, a formosura, a alteração da Constituição. São os mesmos, na Alemanha, ou aqui, pertinho de nós. Os nomes, só os nomes, é que fazem a diferença. Eles defendem a mesma coisa. Uma sociedade de ricos e pobres. Eles, ricos, sim, eles serão os ricos, precisam dos pobres para exercer a caridadezinha, de que eles tanto gostam, para, desse modo, exercendo a caridade, com o apoio da igreja, tão amiga dos pobres, terem aberta a porta do céu. Eles falam sempre em pobres, na saude, na educação, porquê? Eu quero uma sociedade sem pobres, onde a caridadezinha não seja necessária. Eu quero hospitais públicos que trate pessoas, educação para crianças e jovens, para todos. Onde não seja necessário o atestado de pobreza (tão aviltante) para se ser tratado como gente inteira. É assim que eu quero. Como se chegou aqui? Vamos pensar e agir. Eles querem pobres e nós não. Queremos dignidade no trabalho, em todos os campos do trabalho, especialmente na governação. Não os deixemos governar para "fazer" pobres. Fiquemos bem alerta. "Hão-de ter-nos de pé e perfilados.
Abreijos

lino disse...

Há cada mentecapto!
Abraço

Membro do Povo disse...

Se por um lado os pobres são forçados à comida merdosa pouco nutritiva e demasiado calórica: uma das causas da obesidade, por outro pagão caro o seu infortúnio. Atrevo-me a dizer pagam duplamente caro!