quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Assalto de Estado








Para fazer a vontade aos mercados e encher os bolsos aos seus clientes, aí está a terceira leva medidas do Governo, ou melhor dito, de roubos de Estado

Entre os aumentos de impostos, destaque para o IVA, que sobe de 21 para 23%, o que provocará uma subida generalizada dos preços. Entre os cortes na despesa, destaque para os cortes nos salários da Função Pública.

Sobre medidas de apoio à criação de emprego, nada! Sobre medidas de incentivo à produção nacional, nada! Com estas medidas a contracção da economia será tal, que mesmo com os aumentos de impostos é bem provável que a colecta seja ainda menor do que agora.

Resta a dúvida sobre se esta gente está bem segura da resistência da corda que está a esticar tão violentamente... ou se ela vai estalar e acertar-lhes em cheio nas descaradas caras.

O decorrer da luta o dirá!

11 comentários:

Maria disse...

Por mim parte já. Estou farta, e cansada!!!

Abreijos.

Anjos disse...

É curioso que, pela 2ª vez, no dia em que decorre uma manifestação de contestação e repúdio pelas políticas em curso, somos presenteados com um cinto ainda com menos furos!...

(Terá sido mera coincidência? Ou mais um acto revelador do poder maquiavélico desta corja?)

Se alguém tiver idéias radicais, capazes de operar mudanças, conte comigo!

Fernando Samuel disse...

Trabalhemos para que «o decorrer da luta» diga o que é necessário dizer...

Um abraço.

smvasconcelos disse...

Espero que lhes acerte, em cheio! E suspeito mesmo que, face à tensão emergente e colectiva, é o que acabará por acontecer.
bjs,

manoelbota disse...

Estive ontem a ouvir com atenção o discurso do Sr. Sócrates....é aumentar isto, é aumentar aquilo...e o Zé Povinho que se lixe...Então e cortar nas despesas? Os ordenados chorudos de ministros e deputados, os telemóveis, as viagens, os brutos carros, todas as regalias inerentes a ocupar um cargo politico(quanto tempo têm de ter de mandato para ter uma reforma vitalícia?), os vergonhosos ordenados de centenas de administradores de cargos públicos, as vergonhosas reformas (em alguns casos várias acumuladas)que antigos políticos e administradores auferem (ainda gostava de saber quanto recebem mensalmente o Mário Soares, o Freitas do Amaral e outros parasitas iguais a eles), etc, etc...Porque não se corta nisto tudo?
E o mais grave, a meu ver, é que não vejo ninguém da comunicação social a fazer estas perguntas aos políticos....

Graciete Rietsch disse...

Precisamos mesmo de uma revolução, mas a sério.
Depois das grandiosas manifestações de ontem fomos presenteados com aquele infame pacote de medidas. Mas a corda vai acabar por Partir.
Entretanto a luta continuará,espero que cada vez mais dura.

Um beijo.

LAM disse...

manuelbota: "E o mais grave, a meu ver, é que não vejo ninguém da comunicação social a fazer estas perguntas aos políticos...."

Pois não, meu caro. Nem essa nem outras. O obscurantismo salazarista está aí. O pluralismo nos grandes órgãos de comunicação social, propriedade de grandes grupos económicos ou dependentes deste governo, há muito que foi chão que deu uvas.
É o silêncio absoluto sobre as lutas de trabalhadores nos vários países da UE, é o acesso às tvs limitado aos economistas da treta, dos Medinas Carreira, dos Daniel Bessa, dos Hernani Lopes, e outras "sumidades" cujas teses (doutas) nos trouxeram até aqui.
Estavamos longe de pensar que, 37 anos após Abril, o único sítio onde podemos fazer ouvir a nossa voz seja na rua.

São disse...

Mais tarde ou mais cedo , haverá uma revolta colectiva de quem está a sre sugado até ao tutano por esta corja de malfeitores.

E aí começará a verdadeira Primeira Guerra Mundial!

Abraços para vós.

Ana Martins disse...

Que estale! Que estale já e os deixe tão desfigurados que nem a mãezinha deles os reconheça! Que fartura de "encher quem está podre de comer a nossa terra"!

Anónimo disse...

É preciso cerrar os punhos contra o medo.

Antuã disse...

Lutaremos com as armas que temos nas mãos.