terça-feira, 14 de setembro de 2010

Carlos Queiroz, Selecção Nacional, Figo, Benfica...



Ontem, mesmo não passando de rápidas passagens em zapping, fui sendo agredido por gigantescas maratonas televisivas dos vários programas “desportivos” (mais as suas várias repetições), em vários canais, a várias horas, até já não poder mais ouvir falar de Queiroz, da mãe do senhor doutor do doping, da Selecção Nacional, do Campeonato, do Figo, da “verdade” desportiva, do Olegário... e da generalizada "malquerença".

Decididamente, o ponto alto (de vez em quando tenho sorte nos zappings) foi o momento em que, num “tremendo” Prós & Contras dedicado ao futebol, Fátima Campos Ferreira afivelou na cara aquele ar inexplicável que usa para dizer coisas ainda mais patetas do que o costume, garantindo que a demissão imediata da direcção da Federação estaria fora de questão, acrescentando estar absolutamente convencida de que o presidente Gilberto Madaíl e os restantes membros da direcção, saberiam gerir este caso com «sentido de Estado (!!!)».

Não deixa por menos. Sentido de Estado! Basta ler e ouvir as estórias do nosso “desporto-rei”, ver algumas das personagens que são protagonistas, conhecer as negociatas de milhões que estão envolvidas no fenómeno, decifrar os omnipresentes sinais da corrupção mais ou menos descarada e, sobretudo, olhar bem para a cara de Madaíl e o seu número dois, um tal Amândio... para se ter um vislumbre do verdadeiro e entusiástico “sentido de Estado” que por ali impera.

Decididamente, se o ridículo de facto matasse, o dia televisivo de ontem teria sido uma hecatombe capaz de fazer empalidecer muitas catástrofes naturais.

8 comentários:

Mar Arável disse...

e assim se adormece um país

empalidecem e tresmalham

as verdadeiras causas

Graciete Rietsch disse...

Mais ou menos como sempre.

Um beijo.

trepadeira disse...

Do "frame" tirado da 1 gostei muito.
Quando o fado anda pelas ruas da amargura,fátima já não convence ninguém,resta o "sentido de estado da bola".
Só me tinham ensinado que o pior capitalismo era o de estado,como se ele(capitalismo) não fosse sempre de estado.
Agora temos o capitalismo de estado da bola.
Um abraço,
mário

correia disse...

SERÁ POR UMA QUESTÃO DE SENTIDO DE ESTADO QUE AS BOLAS SÃO REDONDAS?

LAM disse...

Desculpem mas neste ponto estou com a Fátima Campos Ferreira: acaso estão habituados que o "sentido de estado", do Estado Estado, sejam tratados de outra maneira?
A única e visível diferença é que Madaíl vai mudando a côr do cabelo, mas acho que não devemos ir por aí.

Antuã disse...

Não falta para aí quem pense com os pés.

Suq disse...

Com as minhas bolas e contorcendo-se, sentindo o estado presentquase preste a explodir concentro-me um pouco mais ... e já foiiiiiii Haaaa Susyiiii . Espero voltar com um novo sentindo de ESTADO!!!

Fernando Samuel disse...

A D. Fátima é, ela própria, uma Senhora cheia (a transbordar...) de sentido de Estado...

Um abraço.