quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Ia jurar que tinha visto uma manifestação...




1. Vivi durante umas horas na ilusão de que tinha ido a Lisboa, que tinha participado numa manifestação da CGTP, para aí com mais cinquenta mil pessoas, que tinha estado com amigos (daqueles muito bons) e voltado para casa fisicamente cansado da marcha, mas espiritualmente alimentado para as muitas que hão-de vir.

2. Devo ter sonhado! A ver pelas primeiras páginas dos jornais, não se passou nada disto. Realmente... eu até vivo em Montemor-o-Novo... como raio é que fui imaginar uma coisa destas? Lá pelo meio do sonho até achei que também decorria outra manifestação, mas no Porto, imagine-se...

3. Agora vendo bem, depois de muito procurar, parece que há um ou dois jornais que deram por isso... por que raio é que todos os outros não terão reparado na manifestação?!

4. Um jornalista, nos dias que correm e apesar de todos os avanços tecnológicos, ao que parece não é ainda dotado de processadores multitarefa. Logo, num dia em que tem de noticiar ao mesmo tempo as medidas do PEC 3 e a derrota do Benfica, não lhe sobra espaço no cérebro para praticamente mais nada.

Agora a sério, eu sei que já nada neste “jornalismo” devia conseguir surpreender-me, mas o que querem?, ainda sou do tempo em que as redacções dos principais jornais eram habitadas maioritariamente por Jornalistas com H maiúsculo – não, não me enganei, quis mesmo dizer H maiúsculo – em vez destas empresas de comunicação de agora, ocupadas maioritariamente por empregados “fiéis” dos donos dos jornais.

11 comentários:

Maria disse...

E sei que foram duas grandes manifestações. Aqui e no Porto. E não estava lá TODA a gente que devia estar...
O governo que se cuide porque ontem foi só um aviso. O que aí há-de vir vai ser a sério!

Abreijos.

Aristides disse...

Infelizmente o que predomina agora nas redacções (e não só!) são jornalistas com oportunismo carreirista ou sem coluna vertebral ou com necessidade de fazer pela vidinha. É o que temos...
Abraço

Anónimo disse...

Obrigad... pelo braço, pela voz...

anamar disse...

Miserável informação...
Abraço, Samuel

Pata Negra disse...

Eh pá! Vê-se bem que vives no Alentejo! Então não sabes que em Lisboa vivem muito mais de 50000!? Mais 50000 nem se nota! Se queres aparecer numa manifestção na TV portuguesa, viaja para Havana, põe um cartaz ao peito e põe-te a falar com um taxista. Garanto-te que será notícia de abertura nos nossos quatro canais de TV independente: "Grande manifestação anti-Fidel"
Um abraço (foi à dos 300 000 e cheguei a casa, engoli no Sapo, "centenas de pessoas...")

smvasconcelos disse...

Partilho da tua indignação. Hoje, pela manhã, nadei à procura de relatos da manifestação e pouco encontrei. Depois aguardei pelos jornais televisivos e... quase nada. Ou seja, insurgir-se contra a política obscena e criminosa deste governo não constitui relevância noticiosa. Surpreendida?! Não direi, mas revoltada sempre!!
bjs

Irlando disse...

Palavras para quê. Subserviência a quanto obrigas.

Medrronheiro disse...

Os jornais agora já nem servem para limpar aquilo.

xatoo disse...

os ditos cujos serão melhor designados "assalariados de empresas de comunicação social", nada portanto a ver com Jornalismo

Antuã disse...

Não há jornalistas, mas lacaios. Os verdadeiros jornalistas estão no desemprego ou na prateleira. Havemos de vencer por muito que custe.

Fernando Samuel disse...

A desinformação organizada tem destas exigências - e é implacável.

Um abraço.