quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Novas Oportunidades – O futuro em versão “simplex”





Durante muito anos fomos assistindo ao louvável esforço que muitos e muitos jovens (e menos jovens) trabalhadores desenvolveram, tentando conjugar o seu trabalho, durante o dia, com a escola, à noite. Era a única forma de, com muita força de vontade, acabarem, a sério, os cursos que por esta ou aquela razão tinham ficado para trás... e já se sabia, muitos não tinham sucesso.

Agora dizem-nos que este ensino a que chamam recorrente, está em vias de extinção. Os poucos que ainda acreditam no estudo sério, com esforço e trabalho, optam por cursos profissionais. Os restantes, infelizmente, em maioria, talvez inspirados pelos “exemplos que vêm de cima”, acham que um diploma sacado com umas redacções sobre experiências de vida, nas “Novas Oportunidades”, ou ainda com mais sorte, com uns “faxes” ao domingo, safar-se-ão perfeitamente na vida.

As estatísticas do Ministério da Educação são lindas... mas a triste realidade do ensino, do crescente analfabetismo funcional e da assustadora falta de cultura e conhecimentos gerais, vai ficando cada vez mais feia.

13 comentários:

Anónimo disse...

Caro Samuel,

Estava à espera de o ver comentar as recentes declarações do seu camarada Fidel Castro mas, para minha surpresa, nada vi no seu site a esse respeito. Com muita pena minha, pois gostaria de ficar a saber a sua opinião sobre o assunto, ainda que desconfie qual ela seja.

Cumprimentos

João A.

Graciete Rietsch disse...

AS estatísticas e as novas oportunidades mascaram bem a crescente falta de conhecimentos e cultura do Povo Português.

Um beijo.

Maria disse...

A falta de conhecimentos, a ignorância, sempre serviu aos senhores do capital e aos que detêm o poder...
Eles é que sabem e já chega.

Abreijo.

Anjos disse...

Saber escrever, ler e compreender o que se lê, interessa, hoje, para alguma coisa???
Então e se depois os “meninos” crescem e começam a perceber por que estão a “drogá-los" com os “computadoresinhos”?
Aí, vão querer o ensino recorrente… Vai ser preciso alargar os horários escolares… mais escolas, mais professores…
E isso é que NUNCA!!!!
É preferível serem aconselhados a procurar outra via - as “Novas Oportunidades” e pode ser que tenham a sorte de lhes aparecer uma “oportunidade domingueira”… e, no mínimo, acabam licenciados. Com um pouquinho mais de sorte..."master". ( A sra ministra até, quem sabe, pode dar umas dicas...)

samuel disse...

João A.:

O meu camarada Fidel faz imensas declarações... se eu comentasse cada uma delas, não fazia mais nada e na esmagadora maioria das vezes faria mal, pois não tenho um centésimo da "pedalada" dele. Portanto, o amigo João A. vai ter que se decidir por uma ou duas... mas cuidado, pois a maior parte delas dá-me ideia de que o amigo não deve estar nada interessado em que eu comente... :-)))
De qualquer maneira também eu "desconfio qual ela seja". :-))) ... mas diga, diga.

Suq disse...

E pá! E agora onde se criam novos oportunistas? Coitados dos partidos que vão ficar sobrecarregados a "educar" o povo :))))

Antuã disse...

O que não falta para aí é doutores analfabetos.

Fernando Samuel disse...

Cá para mim, os faxes ao domingo são a melhor de todas as novas e velhas oportunidades.

Um abraço.

duarte disse...

é disso que eles gostam: analfabetismo funcional.
abraço num vale cheio de velhas oportunidades(as telúricas).

Membro do Povo disse...

Saber é poder.
Um Povo sábio é um Povo poderoso.
Um Povo Poderoso não permite um governo corrupto!

Anónimo disse...

Samuel diz lá ao anónimo que FIDEL diz que o americano o intrepretou mal,será mais um atentado desta vez não foi à bomba,como é costume,"condenai-me pouco importa,a hist´ria me absolverá"como eu morro de curiosidade de ver cuba livre do embargo dos politicos medrosos dos que não querem de maneira nenhuma que se conheça a diferença entre uma coisa e outra de possibilitar ao mundo a visão de uma democracia do povo e para o povo.Cobardes não tenham medo,cuba é apenas uma pequena ilha,os cegos de portugal vão lá e veem a ver uma amiga minha gastou centenas de euros em médicos em portugal,foi a cuba e por dez réis de mel coado resolveu o seu problema sinceramente estou farto de palhaços com o cerebro oxidado e ainds por cima cobardemente anonimos.CORREIA

JM disse...

Sobre as "Novas Oportunidades", só quero dizer o seguinte, Samuel:
Ao contrário da propaganda do "aprender compensa",pouco ou nada se aprende nesta coisa das "NO", mas tão-somente é reconhecida a equivalência "académica" ao conjunto de aprendizagens ao longo da vida. Por exemplo: Eu tenho uma série de habilitações práticas e teóricas, algumas adquiridas em cursos ad-hoc, inclusive no estrangeiro. Antes de fazer o RVCC (agora "novas Oportunidades") tinha a 4ª classe, assim passei a ter o 9º ano.
Fiz esta adaptação, porque no centro de emprego onde estou inscrito, só mesmo para servente, eu que fui um operário especializado.
Jamais o estudo convencional poderá ser substituído por estes artifícios.
Aproveitando.
Sobre o Fidel, aconselho aos interessados visitarem isto: http://odiario.info/

j.3.r disse...

Samuel, com 12 anos terminei a 4ª classe do ensino primário, depois fiz a 5ª e 6ª classe, mas como não tive uma segunda língua tive que fazer o 1º e 2º ano de seguida tirei o curso geral nocturno, 9º ano que terminei no ano de 1993.
Com a chegada do engenheiro técnico civil Sócrates ao lugar de 1º ministro apareceram as novas oportunidades, sim novas oportunidades, porque sem se saber ficasse com o 12º ano, que maravilha, porque foi eu, quem teve que apresentar aos formadores aquilo que já sabia. Por acaso eu fiz o 12º ano em EFA - Escolar, mas havia o RVCC. O processo de Reconhecimento de Validação e Certificação de Competências, como o nome indica, os alunos só mostram o que já aprenderam na universidade da vida, escrevem umas histórias relacionadas com a sua vida e põem em prática a sua cultura geral. Com o conhecimento que tenho sobre a matéria, digo, pode-se apresentar um grande trabalho sem escrever uma palavra no portefólio. Em relação ao curso EFA Escolar, deixo para alguém que comente, visto não querer defender ou criticar a minha dama.
As novas Oportunidades é apenas uma forma de aumentar nas percentagens o nível de escolaridade dos portugueses. No tempo do fascismo éramos um país de analfabetos, hoje somos um país de analfabetos com o 12º ano.
Sobre esta questão de novas oportunidades há tanto a dizer.