sábado, 23 de fevereiro de 2013

António José Seguro – Ser solidário (*)


Há sempre uma primeira vez para tudo! Ontem senti-me extensamente solidário com o hiper-activo secretário geral António José Seguro! O melhor é explicar...
Ontem, como disse, por volta das 4 da tarde, passei por um electrodoméstico que estava sintonizado na "menina dos olhos de Balsemão, a SIC-Notícias. Um repórter atirou-me de supetão:
“António José Seguro está, há meia hora, a explicar a Cavaco Silva... ...”
Nem ouvi mais! Só de imaginar a cena excruciante de Seguro a tentar explicar não sei bem o quê a Cavaco Silva... o meu coração foi-se transformando lentamente numa “amálgama de ferros retorcidos”, ou num “cenário dantesco”... tudo expressões muito queridas dos senhores jornalistas, sempre que querem descrever desastres, que podem ir do colapso de uma banca de frutas e legumes, ou a uma inundação na despensa da senhora Adosinda... até acontecimentos corriqueiros.

Ninguém teve a ideia caridosa de avisar Seguro de que não adianta tentar explicar seja o que for àquela criatura? Que “aquilo” tem cimento armado de primeira qualidade e dureza em cima dos ombros? Que nem que ficasse lá até ser noite cerrada... ali não entraria nada?!!!
Entretanto percebi que Seguro não estava a explicar coisa nenhuma, mas sim a recitar o seu “mantra” dos últimos dias, sobre isto e aquilo, com aquela animação e originalidade apenas superada pela gravação daquela senhora que debita as informações sobre os comboios nas estações da “Fertagus”... o que, convenhamos, também não deve ter sido propriamente o melhor programa de entretenimento para a tarde do senhor Presidente... mas ainda assim, que diabo!
Quem quer que seja levado a estar sozinho numa sala com Cavaco Silva, por que motivo for e ainda que por pouco tempo... tem toda a minha solidariedade!
* O José Mário Branco não merecia esta desfeita!

7 comentários:

Antuã disse...


Os cavacos não são seguros.

luís rodrigues coelho Coelho disse...

O primeiro diz aquilo que lhe parece mais evidente.
É campanha.
O segundo além de cego agora ensurdeceu.
Comentar o quê ?
- As fatiotas...andam sempre bem vestidos e calçados...

Anónimo disse...


!! :))))))))!!...
...e amanhã, já é domingo! :)

vovómaria

Reaça disse...

Seguro, assim como o Passos, com idade para serem filhos de Cavaco, o senhor Silva, do Jardim que baptizou este, e de Mário Soares que confundia milhares com milhões, não passam de dois condenados com a cabeça no cepo.

Só «a-dívida-da-madeira», sem solução, os militares com oficiais suficientes para fazer uma «guerra-do-ultramar» mas sem gasolina para um submarino atravessar do Terreiro do Paço a Cacilhas, e o inimaginável TGV para levar a cortiça e a bolota desde o Poceirão a Barcelona, são problemas que vão sobrar ainda para os filhos desses dois jovens quase ex-primeiros ministros.

Mas pior que estes dois jovens, é não se vislumbrar a mínima alternativa.

Teremos todos que emigrar, como fez Durão, Guterres, Victor Constâncio, Sócrates e antigamente os pedreiros que agora são doutores e arquitectos.

Se mandarmos as remessas talvez a coisa se resolva.









Graciete Rietsch disse...

É realmente preciso muita coragem para tentar explicar alguma coisa ao sr. Cavaco pois, segundo o JN de hoje, ele levou 8 anos a descobrir a troca de um de por um da na lei das autarquias. Tenho pena do Seguro!!!!
Mas será que ele está mesmo seguro das suas "razões"?

Um beijo.

Jose Rodrigues disse...

Porque será que o Seguro vai sempre sozinho cavaquear?!Não querem testemunhas para memória futura?!Cá P'ra mim o Tozé leva um gravador escondido no bolso das cuecas...

Abraço

trepadeira disse...

"Descalça vai para a fonte...",explicar explicando o inexplicável,quem não sabe o que explicar a quem não há nada para explicar quando nem a porta da rua encontram.

Abraço,

mário