sábado, 23 de fevereiro de 2013

Em cada esquina um amigo – Lá chegaremos, Zeca!


Olá, Zeca!
Como não tenho a menor intenção de falar de morte... este recado é só para dizer que a saudade aqui por casa não abranda.
A tua Grândola está a fazer um sucesso fantástico... por boas razões, mas nem sempre da forma mais acertada. Mas isso são contas de outro rosário.
Como deves calcular - já que me conheces - não estou a falar na afinação vocal dos espontâneos cantores e cantoras, nem tão pouco do facto de quase ninguém saber a letra da cantiga... pois nesta segunda “arte” sempre foste tu o campeão.
Seja como for, cantando mal ou bem... havias de gostar de ver as idades da maior parte da malta que anda a cantar-te, por vezes pela primeira vez. Quem sabe se nalguns, mesmo que pouco a pouco, a coisa pega e frutifica?
A propósito... dentro de algumas semanas estarei de novo no júri do “Festival Cantar Abril”, inventado pela Câmara de Almada, e que instituiu um prémio com o teu nome. Há um belo punhado de malta nova que vem a concurso e, sobretudo, a convívio, mostrar as suas cantigas originais que falam de liberdade e futuro, ou recriar as canções da resistência e de Abril. Destas, como aliás nas edições anteriores, quase metade dos títulos a concurso... são teus.
Não fiques acanhado e, muito menos preocupado. Ninguém leva a mal!

Um abraço apertado.


11 comentários:

Pata Negra disse...

Bonita carta ao amigo que nos trouxe também.

amigo canto e morte
maior que o pensamento
abril não morre

por mais que novos ventos se levantem
de rumo a falsas índias
levando incautos marinheiros deste cais
abril traz sempre voz

virão mais cinco e mais
cantando sim ao dizer não
virão como tu outros iguais
fazer de Maio cantiga
fazer de Abril canção

amigo canto e sempre
até

saitica disse...

Aqui no Brasil Zeca, Grândola também é cantada por aqueles que de alguma maneira acompanharam a revolução dos cravos. Fostes e continuará sendo amado e querido.
www.saitica.blogspot.com
Caetano,Chico,Gil, Ney Lisboa, mandam saudosos abraços.
daniel

Maria disse...

gostava de saber escrever cartas...
ZECA sempre!

Abreijos.

trepadeira disse...

Ontem,com muito gosto,estive a ouvir,no Café Concerto do TMG,um dos premiados no 3º CANTAR ABRIL,Miguel Calhaz.
Recordando Zeca.

Abraço,
mário

Jorge Manuel Gomes disse...

Aqui pelo Norte também temos um Tributo de Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira no CANTO D’AQUI, no Teatro Circo de Braga, hoje,SÁB 23 FEV 21,30h.

É necessário lembrar para jamais esquecer!

Com um abraço camarada,

Jorge Gomes

São disse...

Um abraço para José Afonso.

Para vós, desejo de bom fim de semana

Graciete Rietsch disse...

Um abraço cheio de saudade para o Zeca e outro,grande, para ti pelo extraordinário "post" a ele dirigido.

Mais um abraço.

relogio.de.corda disse...

A cantiga é e será sempre uma arma.
Um grande abraço também para o Zeca Afonso.

relogio.de.corda disse...

A cantiga é e será sempre uma arma.
Um grande abraço também para o Zeca Afonso.

augusta disse...

Uma carta especial para alguém muito especial!

Também por cá, em terra de arcebispos, PARA QUE NÃO SE APAGUE A MEMÓRIA… ADRIANO E ZECA…CANTAREMOS!
E estivemos! E cantamos! E foi lindo... lindo...lindo!
Para que não se apague a memória, hoje, amanhã, quando fizer falta, como sempre, estaremos LÁ!
Avisaremos a malta, seremos um, seremos cinco, traremos mais cinco e muitos mais cinco virão, seremos muitos, seremos alguém!
Zeca, ensinaste-nos como se faz um canalha, é tempo de dar poder à malta, andam tantos desses por aí... Esse teu cravo vermelho bem alto levantaremos! Contigo, Zeca, os vampiros enfrentaremos, em busca da manhã clara marcharemos, pela cidade sem muros nem ameias lutaremos!

Para que não se apague a memória! Com os olhos postos no futuro, sem nunca esquecer o passado.
Canto D'aqui e convidados, para o ano estaremos lá!

Parabéns, Cantigueiro, mas que carta "de linda"... E um beijinho também.

Anónimo disse...

Zeca sempre!
Vicky