domingo, 7 de junho de 2009

Golpe a golpe, verso a verso...



Hace algún tiempo en ese lugar
donde hoy los bosques se visten de espinos
se oyó la voz de un poeta gritar

"Caminante no hay camino,
se hace camino al andar..."

Golpe a golpe, verso a verso...

(António Machado e Serrat- "Cantares")

18 comentários:

Anónimo disse...

É o velho "o caminho faz-se caminhando", de que o baboso "bochechas", indevidamente (como é seu hábito...), se apropriou, ao adoptá-lo como título de um programa de TV, com a fuínha Clara Ferreira Alves.
Logo, enquanto ele caminha para trás, a caminho de penates, nós iremos - mais uma vez! - caminhar para a frente, a caminho do futuro!!!

Rui Silva

Maria disse...

Belíssimo. Tudo.
Até a voz do Serrat, que não está aqui mas que eu oiço cá dentro...

Abreijos

LIA disse...

Lindíssimo!

Daniel disse...

...Y al volver la vista atrás
Se ven los pasos a dar.
O António Machado disse mesmo isto, ou fui eu que inventei há tanto tempo que já me confundo?...
Ah, já sei, inventei parte por ter esquecido o original.
Maria
Aqui tens ligação para o grande Joan:
www.youtube.com/watch?v=D1avleIGTgE

Jorge disse...

Samuel,
Desculpa lá, eu não quero parecer um dos velhos dos marretas, mas parece-me que isto não é exactamente do Antonio Machado. Ver:
http://ocastendo.blogs.sapo.pt/602555.html
Um abraço do Jorge, sempre!

samuel disse...

Rui Silva:
Quer-me parecer que houve tempestade naquele paraíso do Soares e da Clara Ferreira Alves...
Alguma o velho baboso lhe fez!

Maria:
Faz parte. Ouve-se “cá dentro”...

LIA:


Daniel:
Há ideias e versos que são assim... “reprodutoras”.

Jorge:
A partilha de conhecimentos (quase) nunca é “marretice”. ☺
De qualquer modo, a frase que eu queria destacar, o “caminante no hay camino, se hace camino al andar”, é do Machado!
Tenho aqui à minha frente o disco do Serrat, em que ele canta só António Machado e de facto, em parte alguma, pelo menos nesta edição, se encontra alguma referência ao facto de Serrat (ou mais alguém) ter acrescentado alguns versos aos “Cantares” originais. Se o esconderam por modéstia ou seguindo outro qualquer critério, isso não sei.
Gostei! Obrigado pela achega!


Abreijos colectivos!

Fernando Samuel disse...

E, já agora, hoje, o caminho faz-se votando bem...

Um abraço.

samuel disse...

Fernando Samuel:
Por nós... já está!

Abraço.

Aristides disse...

Todo pasa y todo queda,
pero lo nuestro es pasar,
pasar haciendo caminos,
caminos sobre el mar.

Nunca persequí la gloria,
ni dejar en la memoria
de los hombres mi canción;
yo amo los mundos sutiles,
ingrávidos y gentiles,
como pompas de jabón.

Me gusta verlos pintarse
de sol y grana, volar
bajo el cielo azul, temblar
súbitamente y quebrarse...

Nunca perseguí la gloria.

Caminante, son tus huellas
el camino y nada más;
caminante, no hay camino,
se hace camino al andar.

Al andar se hace camino
y al volver la vista atrás
se ve la senda que nunca
se ha de volver a pisar.

Caminante no hay camino
sino estelas en la mar...

Hace algún tiempo en ese lugar
donde hoy los bosques se visten de espinos
se oyó la voz de un poeta gritar
"Caminante no hay camino,
se hace camino al andar..."

Golpe a golpe, verso a verso...

Murió el poeta lejos del hogar.
Le cubre el polvo de un país vecino.
Al alejarse le vieron llorar.
"Caminante no hay camino,
se hace camino al andar..."

Golpe a golpe, verso a verso...

Cuando el jilguero no puede cantar.
Cuando el poeta es un peregrino,
cuando de nada nos sirve rezar.
"Caminante no hay camino,
se hace camino al andar..."

Golpe a golpe, verso a verso.

Samuel: Definitivamente é António Machado.
Já agora subscrevo o que disse Fernando Samuel, caminhemos até à nossa assembleia de voto.E optemos pelo mais correcto: CDU, sempre!
Abraço

samuel disse...

Aristides:
Já está feito... e com a preciosa ajuda de Serrat e Machado... deixa lá ver... desde 69/70.

Abraço.

Jorge disse...

Os versos originais não se chamam "Cantares" mas sim "Proverbios y cantares" do livro "Campos de Castilla" de Antonio Machado. Podem ser vistos aqui:
http://es.wikisource.org/wiki/Proverbios_y_cantares_(Campos_de_Castilla)

A canção de Serrat chama-se "Cantares" e pode ser vista aqui:
http://www.jmserrat.com/serrat/dat/2814.html
Aí se diz claramente dito: "Textos de Antonio Machado
y J.M. Serrat".

A transcrição exacta dos versos de Serrat é

"Hace algún tiempo en ese lugar
donde hoy los bosques se visten de espinos
se oyó la voz de un poeta gritar:
«Caminante no hay camino,
se hace camino al andar...»

Golpe a golpe, verso a verso..."

Como se pode ver Serrat colocou aspas na citação que faz de Antonio Machado «Caminante no hay camino, / se hace camino al andar...», coisa que não acontece neste post.

Diz Serrat, por exemplo: "Murió el poeta lejos del hogar / Le cubre el polvo de un país vecino". O que quer isto dizer? "El poeta" é Antonio Machado. Esta poesia/canção refere-se a um episódio importantíssimo da história de Espanha que é a do exílio em princípios de 1939, logo seguido da morte, de Antonio Machado.

Mais uma vez aconselho a leitura de
http://ocastendo.blogs.sapo.pt/602555.html
onde se confrontam as duas letras e se fala um pouco de História e de outra poesia de Aragon.

samuel disse...

Já tinha ido ao "Castendo", no post não coloquei as aspas no "caminante", não por ser má pessoa, mas porque como vários milhões de portugueses, não sabia que a letra não era toda do António Machado, o que seria o normal, dado ser um disco feito integralmente com versos do poeta...
E desta vez, embora já estivesse... fica mesmo esclarecido! :-)))

(De qualquer maneira vou mudar as aspas no texto do post.)

Abraço.

Sal disse...

Amigo Samuel:

Passei para te cumprimentar e concordar com tudo o que disseste esta semana, pois só agora consegui vir à blogosfera, e li-te 7 ou 8 posts de uma vez!!!.
Foi uma semana louca, mas creio que os resultados de hoje, que daqui a memos de poucas horas vamos ver, vão ser fantásticos.
Um forte abraço cheio de confiança.
E com aspas ou sem aspas:

O caminho faz-se caminhando.

Anda daí cantar!

bjs

marga disse...

Caro Amigo!
É sempre com interesse que te vou seguindo perpassando, com frequência, pelo teu Blogue.
Eu sei, há muito, que não és má pessoa... Se fosses, nem me dava ao trabalho de aqui deixar algo para reflexão.
Assim e salvo melhor opinião, julgo que temos uma grande responsabilidade ao manter um blogue aberto, como o teu. Eu digo “temos” porque, a partir do momento em que deixamos algo nosso num espaço como este, devemos assumi-lo nas mais prováveis acepções. Se não, podemos estar a contribuir para o universo desinformativo que a rede suporta, desgraçadamente no mau sentido.
Vem isto a propósito do rigor que nos devemos exigir ao divulgarmos algo que não é da nossa autoria. Normalmente, todos se “estão nas tintas”! Conquanto não seja este o caso, é por essa via que circulam e se espalham à velocidade da luz (!) autênticas lamechices parolas, muitas vezes beatas, atribuídas ao Poeta Pablo Neruda, a Drumond de Andrade, a Fernando Pessoa e a muitos outros. Eu sei que na maioria dos casos isso não é intencional. Porém, acho que, aqui e agora, nós não nos podemos dar ao luxo de o assumirmos com ligeireza quando utilizamos a Memória Histórica de legados dos(as) que admiramos e respeitamos.

Quando compomos, lemos ou interpretamos uma partitura, não é indiferente jogar as claves de sol, fá ou dó em qualquer linha do pentagrama. Também, quando se utilizam o D.C., os sostenidos e os bemóis, a música é outra!
E podemos criar uma composição que inclua variações a um tema de determinado autor sendo que, neste caso, é devido mencionar o que é de quem!

Música, Poesia, Prosa, Política, Matemática, etc., se não somos nós a preservar a sua autenticidade com rigor, quem o fará?!

Um abraço forte!

Post Scriptum: espero que o Aristides te dê uma ajuda na actualização/arrumação do Baú...

samuel disse...

Marga:
Exactamente por isso é que a piada do "não ser má pessoa" foi escrita com um sorriso rasgado e a devida emenda feita e agradecida ao Jorge, cujos conhecimentos e dicas, já me deram muitos momentos de prazer.
De facto, lembras muito bem, tenho que ir mudar a informação da "parceria" do Machado e do Serrat, np Baú.

Abreijos.

Swt disse...

Ora bem. Pra já, pra já...aquela LIA não sou eu.
Eu passei para cumprimentar Samuel e doce Maria e para que me cumprimentem, vá. Que isto são raras oportunidades.
A imagem é magnífica!!! Quase na côr certa..eheheheheh
brincava... lindos...

Lúcia disse...

Samuel, tenho andado arredia da net. Mas chega-se aqui e zás - temos jornal!
Estou atrasada em relação às intenções deste post - agora até já se sabe quem ganhou, etc...
Mas gostei muito! Deste e dos de trás:)
Beijos

samuel disse...

Swt:
Cumprimentos recebidos e retribuidos. :-)))

Lúcia:
Obrigado!


Abreijos!