segunda-feira, 29 de junho de 2009

Honduras – Um teste




Está-lhes no sangue! As oligarquias reaccionárias da América Latina e as cúpulas militares que lhas são fieis, nunca perdem uma oportunidade de espezinhar os direitos e liberdades dos seus povos. Fizeram-no agora, mais uma vez, com um golpe militar, nas Honduras, onde o acto mais significativo, para já, é o sequestro e expulsão do país, do presidente democraticamente eleito, Manuel Zelaya. Felizmente, estes golpistas não se sentiram suficientemente “apoiados” para o assassinar, como outros, no tempo de Salvador Allende...

A maioria de hondurenhos que elegeu o Presidente Zelaya, reclama o seu regresso e a reposição da normalidade. Apesar de ainda não terem escolhido uma cor para a sua causa (estão na moda as “revoluções” coloridas), um teste interessante à nossa atenção sobre o que se passa nas televisões, jornais e blogues, será descobrir se aí, o povo das Honduras e o seu Presidente democraticamente eleito, são tão importantes, menos importantes, muito menos importantes, ou nada importantes, isto em comparação com os oposicionistas do Irão.

Ah, e não vale a pena vislumbrar aqui qualquer ataque aos iranianos que contestam o resultado das eleições e muito menos um alinhamento com Amahdinejad. O que escrevi, quer dizer apenas o que está escrito!

14 comentários:

salvoconduto disse...

Está-lhes mesmo no sangue, a eles e não só. Confrangedor ver alguns blogues, de "renome" optarem pelo silêncio ou como fazem no Jugular tentarem justificar o injustificável. Agora até me querem fazer crer que há golpes de estado legais...

Abraço.

Maria disse...

Por um momento, quando soube da notícia e antes de saber onde estava o presidente eleito, lembrei-me do 11 de Setembro de 1973.
E pensar que tinha por lá o Pablito a cantar...
Vamos ver quem vai apoiar (ou não).

Abreijos

Antuã disse...

Se a coisa não se resolver rapidamente os EUA vão acabar por apoiar. Era o que eles queriam fazer de imediato mas o ambiente não é favorável.

amigona avó e a neta princesa disse...

Fora este acontecimento noutro lado e as "lágrimas de crocodilo" já tinham sido derramadas por muito "boas" pessoas cá do burgo!!!
Enfim, opções de classe...um abraço Samuel e
abreijos

pa disse...

O presidente das Honduras foi deposto, na sequência de um processo legal. O poder está nas mãos das instituições democráticas, presidente do parlamento e do próprio parlamento, e não de nenhuma junta.
Ao apoiar o presidente deposto, Obama pretende vincar que os EUA não tiveram nada a ver com o assunto. Contudo, a posição de Obama corre o risco de legitimar uma intervenção da Venezuela e/ou de Cuba e de desencadear um conflito regional que pode vir a custar milhares de vidas.
Obama devia ter condenado a actuação do presidente deposto e intercedido para a realização de eleições, no mais breve prazo de tempo possível.
O presidente Obama demonstrou, com esta actuação, que se está nas tintas para o povo das Honduras e que tudo o que lhe interessa é sair bem na fotografia. É um comportamento muito perigoso para um líder mundial.

samuel disse...

Salvoconduto:
Quando dá jeito...

Maria:
Esperemos que não chegue aí...

Antuã:
E viva a táctica!

Amigona:
Opções...

Pa:
Acha?!

Curioso do Mundo disse...

No site do conselheiro da foto abaixo nem uma cagadela de mosca para amostra...não me comprometas...

Abraço

Obarraca abana disse...

Pois claro pá...é tudo legal...feito às ordens dos seus senhores e dentro das mais legitima e democrática legalidade.
Não estamos no Irão dos doimeatóla ta-mos na América-Latina, quintal traseiro dos USA

Vai enganar a mouca ó pá disse...

Cá o Barraca abana tem muito jeito para se pôr a jeito tás a ver não estas.

Fernando Samuel disse...

A «conclusão» geral é: «o referendo era ilegal, logo o golpe é legal»...
Muito pragmáticos, estes analistas democráticos...

Um abraço.

filipe disse...

Inqualificável, a atitude da generalidade dos grandes meios de comunicação, submetendo-se todos ao "apagão" informativo sobre o golpe, imposto pelo imperialismo. Nem a prisão de jornalistas, nem o encerramento de estações de televisão, rádio, agências, jornais, nada disto os toca, nada os sensibiliza! Comprovando o estado degradante e profundamente anti-democrático que campeia nos orgãos de comunicação ditos "sociais".
Assim, já nem espanta muito lermos avaliações tão retorcidas - e branqueadoras - do papel desempenhado por Hillary & Obama, antes e perante o golpe, papel afinal tão singelamente óbvio.
Saudações.

Ludo Rex disse...

O golpe perpetrado nas Honduras é um acto de atropelo à inconstitucionalidade e à vontade popular. Estes acontecimentos não só sufocam a dignidade do povo hondurenho, como também também agride a comunidade internacional.
Abraço

Publico disse...

O homem que se salvou a pintar Pol Pot

30.06.2009, Francisca Gorjão Henriques


Hoje um pintor consagrado, Vann Nath disse ser uma honra testemunhar em tribunal sobre o seu cativeiro


Morreram 14 mil pessoas e pensa-se que apenas sete escaparam com vida do centro de detenções Tuol Sleng, o grande local de tortura do regime Khmer Vermelho na capital cambojana. Um dos sobreviventes é Vann Nath, que hoje relatou ao tribunal: só sobreviveu porque gostavam dos quadros que pintava do líder, Pol Pot.
Vann Nath é a única pessoa a ter passado pela prisão, conhecida como S-21, a testemunhar neste tribunal, criado pelo Camboja com colaboração da ONU, e que agora está a julgar o director do centro, Kaing Guek Eav, ou Duch, acusado de crimes de guerra e contra a humanidade, tortura e homicídio. Também foi o primeiro dos sobreviventes a prestar declarações.
"Só sobrevivi porque o Duch se sentia bem quando passava pelo meu atelier", disse, citado pela Reuters. "O meu sofrimento não pode ser apagado, as memórias continuam a perseguir-me."
O pintor perdeu dois filhos nos "campos da morte" dos khmer vermelhos, que entre 1975 e 1979 foram responsáveis pelo desaparecimento de 1,7 milhões de pessoas - um quinto da população - que não resistiram à fome, doenças ou exaustão, ou que foram simplesmente assassinadas.
Nath foi espancado, electrocutado, e esteve quase a morrer por não ter nada que comer: "Tínhamos tanta fome que comíamos os insectos que conseguíamos apanhar, que caíam do tecto." Tinham tanta fome que até "comíamos ao lado dos cadáveres dos nossos colegas", cita a AFP.
"A fome e a sede tornavam-se uma obsessão... As condições eram tão desumanas e a alimentação tão rara. Só tínhamos direito a três colheres de farinha torrada com água duas vezes ao dia. Perdi toda a dignidade. Até os animais recebiam mais comida."
Relatou actos de tortura frequentes. Houve quem ficasse sem as unhas, arrancadas pelos guardas, ou à beira do afogamento. "Ouvia os prisioneiros gritar, ouvia sons e vozes de mães a gritar quando lhes levavam os filhos. O sofrimento era terrível."
Nath foi detido em 1977. Um dia, quando foi chamado, teve a certeza de que tinha chegado a sua hora. "Disse a mim próprio que isso não tinha importância, já que ia morrer de um dia para o outro, mais valia morrer logo do que viver naquelas condições."
Mas ao contrário do que aconteceu a muitos dos seus colegas de cela, não foi uma chamada para a morte. Pediram-lhe que pintasse um quadro de Pol Pot. "Sabia que se o pintasse mal, estaria a arriscar muito. Estava muito nervoso." Era "uma questão de vida ou de morte". Correu bem e passou a pintar os quadros de propaganda do "irmão número um". Hoje, aos 63 anos, é um artista consagrado.
Mas as memórias não desaparecem, e há três décadas que espera por este dia. "Agora tenho a possibilidade de testemunhar perante esta sala de audiências. Isto é um privilégio, isto é uma honra", afirmou. "Não quero nada mais do que justiça."
Duch - o primeiro de cinco responsáveis a serem julgados - já fez os seus depoimentos. Pediu desculpa, chorou, e afirmou que cumpria ordens.
Em 2010 será a vez de serem julgados o "irmão número dois", Nuon Chea, o ex-Presidente Khieu Samphan e o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Ieng Sary, e a mulher. Todos negam saber o que se passava no Camboja, no período em que o país viveu sem moeda, sem escolas, sem população nas cidades, ao lado de algumas das maiores atrocidades do século XX.

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Se pegarmos e lermos um pouco da História da mesma, não acham que América Latina, "resulta" de uma qualquer denominação de um lugar no Continente Americano, que não estivesse integrado culturalmente e políticamente nos E. U. A.?. Ou seja o resto... . Mas se estava resolvido o problema dos Americanos do Norte, que importa, mesmo que se tenha criado outro?.
Esse outro será o de que para muitos Europeus e até Americanos do Norte, uma "nova civilização" até seria bom para excluir esses tais Países, do Ocidente, ficando neste mesmo os chamados Países desenvolvidos. Em anteriores tempos o mesmo se passou no Sul da Europa.
Falando agora das Honduras, e do do atentado contra a sua vida democrática, há que dizer que esperemos que a O. N. U., que reconheceu as eleições hondurenhas, faça qualquer coisa de visivel e de reposição da verdade, ou que os hondurenhos sensatamente, façam com que a verdade volte ao seu quotidiano.